POP

2017 e a Claudia Leitte ainda acha que está 'lacrando' e 'pisando nas inimigas'

Autor
2017 e a Claudia Leitte ainda acha que está 'lacrando' e 'pisando nas inimigas'

Foto: Reprodução/Twitter

Claudia Leitte é uma daquelas celebridades muito amadas pelos fãs e ao mesmo tempo muito detestadas pelo resto do universo. Parte desse desse ódio não é culpa da moça, primeiro porque sua posição de "rival" da Ivete não ajuda muito, mas principalmente porque ela é uma fábrica de memes ambulante que se leva a sério demais. Porém, às vezes Claudinha faz por merecer, não é? Sua dificuldade em receber críticas, os insistentes e equivocados "desabafos" e as tentativas de ser "descolada" nas redes sociais são só algumas das razões pelo ranço coletivo contra ela. E essa semana Claudinha deu mais um exemplo de falta de noção e foi parar nos TTs do Twitter por causa de uma letra de música que era pra ser um pisão, mas saiu um tanto... machista.

A música mesmo nem foi lançada ainda - está prevista para sexta-feira (8) - mas a cantora divulgou a capa e a letra, em parceria com as sertanejas Maiara & Maraisa: "Copo na mão, e as inimigas no chão! Claudinha lacradora dando nas recalcadas, enquanto a gente brinda elas tomam pisão", diz um trecho da música. A maior parte das reações não foram boas, já que esse negócio de colocar mulheres contra as outras saiu de moda pelo menos desde que Valeska mudou "Beijinho no ombro" para incentivar a união feminina. Pitty, que só anda dando closes certos, parece ter ficado incomodada também. “Amoras, ai ai ai. ‘Hino feminista’ que ataca outras mulheres e estimula competição com esse papo de ‘recalcadas e invejosas’ para mim não é feminista nem aqui nem na Rússia”, escreveu a cantora no Twitter. Porém, a patrulha Leitteana caiu em cima e Pitty acabou apagando o post.

2017 e a Claudia Leitte ainda acha que está 'lacrando' e 'pisando nas inimigas'

O fato é que Claudia Leitte parece estar sempre um passo atrás das tendências. "Lacração" é um termo que nasceu há anos na comunidade LGBT, já foi usado à exaustão em memes e nas redes sociais, foi apropriado pela publicidade, e já entrou até no vocabulário dos grupos de família no Whatsapp, completando seu ciclo de vida. O mesmo pode-se dizer de "inimigas" e "recalcadas", que já entraram há uns três anos para a lista dos termos problematizados que devemos evitar. E quando Claudia Leitte começa a usar uma expressão, principalmente para se referir a si mesma, podemos declarar oficialmente que passou da hora dessa expressão morrer, não é mesmo?