TV

Oito lições sobre a vida que aprendemos com 'Game of Thrones'

Autor
Oito lições sobre a vida que aprendemos com 'Game of Thrones'


Nem só de dragões e zumbis de gelo vive a série mais popular do momento. Game of Thrones também tem lições de vida valiosas que podemos aplicar às nossas vidas. Algumas são bem claras, outras demandam um pouco de interpretação, mas todas elas podem ajudar você a se dar melhor na vida.

1 - Não perca a cabeça por qualquer coisa!

Estar sempre certo não é tão importante quanto estar de boas. Principalmente se o problema não é seu. Se a situação começar a ficar feia, não tenha medo de dizer "FLW VLWS" e ir cuidar da sua vida. Se Ned tivesse feito isso ainda teria sua cabeça.

2 - Não seja arrogante, mesmo se estiver por cima

Ninguém gosta de um perdedor ruim, mas um vencedor chato pode ser muito pior. Além do mais, enquanto você você esfrega sua vitória na casa dos outros, pode levar uma rasteira. Oberyn que o diga!

3 - Respeite as outras pessoas

Respeite o próximo, principalmente quando estiver na casa dele. Se Viserys tivesse obedecido a lei de nunca portar armas em Vaes Dothrak, não teria levado essa "coroa" de prata na cabeça.

4 - Se for se arriscar, pense BEM nas consequências

Não interessa quem te deu o conselho. É melhor pensar muito bem antes de tomar decisões precipitadas, das quais você pode se arrepender. Stannis que o diga.

5 - Nunca subestime pessoas diferentes de você

O mercador de escravos pensou que Daenerys não falava Valiriano e xingou a mãe dos dragões de tudo quanto é nome, só que ela entendeu tudinho. Além disso ele era uma pessoa horrível. Levou o que? Fogo na cabeça.

6 - Não fique bisbilhotando a vida dos outros

Tudo bem que o Bran pegou Cersei e Jaime por acidente, mas se ele não tivesse visto os irmãos fazendo sexo, ainda estaria escalando por aí.

7 - Viva seus dias como se fossem o último

Tudo bem que você não vive no universo criado por George RR Martin - e ainda bem -, mas ninguém sabe o dia de amanhã.

8 - Sempre tranque a porta do banheiro

E talvez também seja bom não condenar seu próprio filho à morte. Parece óbvio, mas o inteligentão do Tywin não aprendeu isso.