CIDADES

E dizem que não é sobre assédio

NerdPai
Author
NerdPai

A Prefeitura de São Paulo lançou uma campanha do Facebook para que não ocorra violência no Carnaval.

A campanha é essa aqui:

E dizem que não é sobre assédio

Já fui em carnaval de rua, de salão. Nessas festas, já passei a mão em cabelos de mulheres, tentei beijar à força, forcei abraços.

Hoje vejo o quanto isso é errado e educo meu filho para que NUNCA aja dessa maneira. Ele precisa saber que precisa e deve RESPEITAR AS MINAS.

E sem essa que elas gostam e tal. Não gostam. Elas gostam - como você gosta - é de respeito.

Bem, as mulheres estão se organizando para que quando ocorra um caso de assédio que gritem, chamem a polícia, façam escândalo. Justo. Uma forma de combater o assédio e a violência à mulher é se impondo.

E aí, o que a Prefeitura de São Paulo faz? Cria essa campanha a favor do silêncio pós-violência e NÃO CONTRA O ASSÉDIO. Tipo, se você for assediada, não berre, não faça escândalo. Apenas ignore.

Porém muitos comentaram que precisamos nos esforçar para entender que a mensagem que a Prefeitura tentou passar foi essa, do silêncio pós-violência. Que essa postagem foi para que não tenha violência, brigas.

Um amigo, o Pedro Araújo, fez uma análise da postagem da Prefeitura:

  • "Tiro, porrada e bomba" são termos figurativos usado pelas mulheres que são contra assédio;
  • "O negócio é deixar pra lá e sambar na cara da sociedade" ou seja, se foi assediada, ~deixa pra lá, é carnaval, faz parte~;
  • "Marque sua amiga" ou seja, tá bem evidente que post é voltado exclusivamente para as mulheres. Especificamente as mulheres ~escandalosas~;
  • Na própria mensagem tem a hashtag #CarnavalSemAssédio.

Concordo que as pessoas podem desconhecer os termos figurativos e tal, mas ao ignorar todo o resto prova como a nossa sociedade é machista. E é por isso que o feminismo precisa existir, para que possam enxergar coisas que muitos de nós, infelizmente, ainda não enxergamos.

Essa postagem foi tão negativa que a Prefeitura pediu desculpas aqui