POLÍTICA

A entrevista de Reinaldo Azevedo com Temer é propaganda vergonhosa

Pedro Zambarda de Araújo
Author
Pedro Zambarda de Araújo

O triste fim de um jornalista de direita que acusava os outros de "chapa branca" e vai defender um presidente que não dura um ano.

A entrevista de Reinaldo Azevedo com Temer é propaganda vergonhosa

Depois da PGR ter anexado grampo dele com Andrea Neves de maneira injusta, o jornalista Reinaldo Azevedo saiu da revista Veja e da rádio Jovem Pan, mas não mudou de tom. Recém-empregado na rádio BandNews no programa O É da Coisa, ele vai ao ar às 18hrs e compete diretamente com Joice Hasselmann, que o processou e tomou conta do seu antigo programa Pan, Os Pingos nos Is.

Reinaldão não afrouxou, no entanto. Continua falando grosso contra Lula, contra a "direita xucra", contra Rodrigo Janot e a Procuradoria-Geral da República, além de não poupar críticas nem a Sérgio Moro. Ele chega a gritar em seus programas. Destoa um bocado de Ricardo Boechat, que acorda a rádio às 7h30 da manhã.

Mas o mico de Reinaldão foi quando Michel Temer ligou para o seu programa sem que ele esperasse no dia 3 de julho deste ano.

"Presidente Temer, é o senhor?", disse, sem conter uma risada descontrolada ao constatar que era o presidente da República ligando no seu programa.

Falou em recuperação da economia e dos seus "sinais" no governo de um homem que fez um golpe parlamentar disfarçado de impeachment. O presidente levantou a bola do ex-colunista feroz da Veja: "Você sabe que eu estarei muito obediente àquilo que a Câmara dos Deputados decidir. Mas você, eu dou um dado interessante para você: há cerca de 363 indecisos. Você sabe que os indecisos, Reinaldo, são aqueles que vão dar o seu voto no último momento. Os que são contra dizem logo que são contra".

Depois Temer disse ter certeza quase "absoluta" que vencerá e enterrará suas acusações de corrupção protocoladas pela Procuradoria-Geral da República baseadas nas delações de Joesley Batista. Reinaldão falou que os deputados favoráveis à cassação presidencial por crimes de corrupção estão em uma "aventura golpista".

Michel Temer mandou um "grande abraço" a Reinaldo, que se disse novamente espantado com a ligação. Estavam num papo de comadres, um enchendo a bola do outro. 

Reinaldo Azevedo não respeitou nem o básico dos manuais de boas entrevistas. Eu, sendo um colunista de centro-esquerda, não pouparia Luiz Inácio Lula da Silva de perguntas sobre o Petrolão e o sítio de Atibaia, por exemplo, nem que fosse para ele apenas se defender. Reinaldão teve a baixeza de não perguntar sobre a prisão recente do ex-ministro Geddel Vieira Lima.

E se orgulhou de não ter feito a pergunta. Disse que o presidente não precisa se explicar por ter empregado um político notoriamente corrupto do PMDB em seu governo.

Triste fim do "combativo" Reinaldão, que se orgulha de ter batido em Lula quando os governos petistas cresciam na economia. Reinaldo Azevedo, aquele mesmo que chamava Paulo Henrique Amorim de lambe-botas do PT e os blogs de esquerda de "sujos". Aquele mesmo que propagava os ataques de José Serra dentro da imprensa através da revista Veja.

Ele mesmo. Hoje ele faz uma entrevista puxando o saco de Michel Temer. Aquele presidente que pode cair pro inexpressivo Rodrigo Maia assumir. É este cara que Reinaldão elogia.

Este elogio esconde uma propaganda vergonhosa.