LAVA JATO

A política no Brasil hoje é 2018, com Lula ou Bolsonaro

Pedro Zambarda de Araújo
Автор
Pedro Zambarda de Araújo

Breves considerações sobre as pesquisas Datafolha e DataPoder360 e o que realmente chama atenção no noticiário político.

A política no Brasil hoje é 2018, com Lula ou Bolsonaro

Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente do Brasil, foi condenado em primeira instância pelo juiz Sérgio Fernando Moro a nove anos e seis meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro pelo triplex no Guarujá, acusado de desviar mais de R$ 2 milhões no processo. Jair Messias Bolsonaro, deputado federal, virou réu por incitação a estupro ao abordar de maneira violenta a deputada Maria do Rosário. A informação veio a tona em 2017. Fora isso, Bolsonaro também teria pego R$ 200 mil como verba de campanha do seu antigo partido, o PP, que seriam propinas da Odebrecht na Lava Jato. Ele nega as duas acusações.

O processo de Lula vai sair da primeira instância com Moro em Curitiba e vai para o TRF4 em Porto Alegre, uma instância superior. A previsão é que seja julgado até agosto de 2018, nas vésperas das eleições presidenciais que ele vai concorrer. Se for reafirmada a sentença de Sérgio Moro, que optou por não prendê-lo preventivamente, Luiz Inácio Lula da Silva será encarcerado.

Bolsonaro nem de longe enfrenta o mesmo risco. Os dois, no entanto, simbolizam as maiores figuras políticas do noticiário recente, sobretudo em pesquisas eleitorais pré-2018.

O ex-capitão militar é abertamente homofóbico, xenofóbico, machista e preconceituoso. Lula, embora tenha acusações de crimes graves na Justiça, defende as políticas sociais dos anos do PT no poder, entre 2003 e 2016. Justamente por isso, os dois polarizam forte, o primeiro para a extrema-direita que cresce no antipetismo, enquanto o outro se fia na centro-esquerda que pode chegar novamente ao governo federal.

Então vamos aos números que evidenciam isso.

O Datafolha realizou uma pesquisa entre os dias 21 e 23 de junho de 2017 com 2771 eleitores. Dentro de oito cenários, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aparece como favorito, oscilando entre 30% e 29%. Marina Silva, da Rede, venceria entre 22% e 27% num cenário sem PT ou sem investigados pela Lava Jato. Bolsonaro oscila entre 13% e 16% pela legenda PSC.

Em 15 de julho, o site Poder360 do jornalista Fernando Rodrigues (ex-UOL e Folha) publicou uma pesquisa chamada DataPoder360. Lá Jair Bolsonaro cresceu sete pontos percentuais em relação a junho. Com 21% das intenções de voto, empata agora tecnicamente com o ex-presidente, que tem a preferência de 26% dos eleitores.

Lula se mantém como favorito, mas apresenta queda no segundo cenário em que Doria é o pré-candidato tucano. O Nordeste é a região na qual o petista tem mais força. Registra 42% das intenções de voto no cenário 1, quando Alckmin é o concorrente, e 39% no cenário 2 (quando disputa com Doria). No Sudeste, até 56% dos eleitores declaram Bolsonaro como favorito.

A pesquisa DataPoder360 ouviu 2178 pessoas. Na simulação com Doria na disputa, acima de Alckmin (10%), ele aparece com 13%. Lula cai de 26% para 23%. E Jair Bolsonaro se mantém com 21% nas duas estatísticas.

Por todos estes dados, a condenação de Lula aumenta o poder de Bolsonaro nas pesquisas pré-eleitorais. A campanha pode mudar as estimativas, sobretudo com debates públicos em que Jair Bolsonaro é o menos preparado entre os candidatos.

Mas podemos dizer que Michel Temer, delação da JBS e Rodrigo Maia pouco importam. Os holofotes da grande política brasileira estão voltadas para o ano que vem.

E para Lula e Bolsonaro, muito além de suas ideologias. O foco está nas eleições e no Brasil que pode emergir depois do fim da Lava Jato.