POLÍTICA

A Rede Globo está favorável à renúncia de Michel Temer?

Pedro Zambarda de Araújo
Author
Pedro Zambarda de Araújo

Uma análise do posicionamento editorial da rede de comunicação da família Marinho frente às denúncias da JBS.

A Rede Globo está favorável à renúncia de Michel Temer?

Você tem alguma dúvida sobre a pergunta do título envolvendo a Globo e suas empresas? Considere estas informações.

- O jornal O Globo deu o furo, no dia 17 de maio, da delação premiada de Joesley Batista da JBS através de reportagem feita em três semanas do colunista Lauro Jardim. No mesmo dia, a publicação soltou um editorial chamado "A renúncia do presidente", afirmando: "um presidente da República aceita receber a visita de um megaempresário alvo de cinco operações da Polícia Federal que apuram o pagamento de milhões em propinas entregues a autoridades públicas, inclusive a aliados do próprio presidente. O encontro não é às claras, no Palácio do Planalto, com agenda pública. Ele se dá quase às 11 horas da noite na residência do presidente, de forma clandestina. Ao sair, o empresário combina novos encontros do tipo, e se vangloria do esquema que deu certo".

- No mesmo dia 17, O Globo posiciona todos os seus principais colunistas para criticarem Temer: Ricardo Noblat, Merval Pereira, Míriam Leitão e o próprio Lauro Jardim (que aprofunda a reportagem com áudios). Noblat chega a afirmar que Temer vai renunciar no discurso do dia seguinte. Ele erra e dá uma barrigada.

- Toda a cobertura de O Globo é repercutida quase que imediatamente pelo Jornal Nacional.

- Repercussões mais comedidas e com contrapontos são apresentadas nos outros veículos da casa, como revista Época e jornal Extra. Mas todos os veículos seguem a orientação do editorial de O Globo, que normalmente é escrito por João Roberto Marinho, o "pai editorial" do grupo após a morte de Roberto Marinho.

- William Bonner quase chama Michel Temer de ex-presidente no Jornal Nacional.

- Numa coluna na Folha de S.Paulo, Marcelo Coelho, jornalista do time editorial e próximo de Otávio Frias Filho, critica a cobertura da Rede Globo sem contrapontos na delação da JBS. Ali Kamel, o chefe de jornalismo da rede, responde a Coelho chamando-o de "mentiroso" quando ele menciona equívocos da Globo na cobertura das Diretas Já ou mesmo na eleição entre Collor e Lula. Diz que a empresa "não tem lados".

- A Globo fechou 2016 com R$ 6 bilhões de lucro e R$ 15,3 bi de faturamento, segundo o G1. A rede é uma máquina de consumo de dinheiro público com suas filiadas e recebeu R$ 6,7 bilhões dos governos Lula e Dilma, que diminuíram o financiamento nos últimos anos. Mesmo que Michel Temer esteja injetando dinheiro e mídia para minimizar críticas, a Rede Globo tem mais capital para bater num governo até derrubá-lo do que os jornais Folha de S.Paulo e Estadão, que estão ou endividados em crise, ou já falidos do ponto de vista da saúde financeira.

Considerando todos estes fatores e respondendo de forma curta e grossa: sim, a Globo quer que Michel Temer renuncie. 

Ela só não é favorável às Diretas Já e quer que as reformas que Temer começou, tirando direitos trabalhistas e aposentadoria, continuem para atenuar efeitos da crise econômica iniciada por Dilma Rousseff.