POLÍTICA

Aécio Neves e a implosão do tucanato

Pedro Zambarda de Araújo
Author
Pedro Zambarda de Araújo

O tucano será preso? Ele não vai concorrer à presidência? Seja o que acontecer, Aécio é a face da implosão do tucanato.

Aécio Neves e a implosão do tucanato

"Tucanato" é um gíria no meio político para as lideranças do PSDB. O escândalo recente de Aécio Neves na delação premiada de Joesley Batista e de executivos da JBS ganhou ares de tragédia. Elencado como o homem forte dos tucanos nas eleições de 2014, perdeu para os 54 milhões de votos de Dilma Rousseff na disputa presidencial. Aécio encabeçou e incentivou o processo que culminou no impeachment das ex-presidente, com elementos de golpe parlamentar com Eduardo Cunha.

Desta forma, Aécio trouxe a implosão do tucanato com seu isolamento, a prisão de sua irmã e operadora Andréa Neves, fora o encarceramento do seu primo Fred, que recebeu dinheiro vivo em mala da JBS.

Aécio Neves e a implosão do tucanato

Aécio Neves teria cobrado a JBS cerca de R$ 2 milhões de dívidas de sua campanha, envolvendo seus familiares no caso. O senador teria negociado com Joesley que enviaria um homem de confiança, Fred, enquanto o empresário colocou o diretor Ricardo Saud em contato com o tucano.

O dinheiro na verdade teria sido dado ao senador Zezé Perrella, que esteve envolvido com o escândalo do helicóptero de meia tonelada de pasta base de cocaína, o Helicoca. Estes casos se acumularam com a propinagem dos trens e metrôs de São Paulo, que envolvem o governador Geraldo Alckmin e o senador José Serra, além do escândalo de compra de votos para a reeleição do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Aécio Neves e a implosão do tucanato

A decadência moral do PSDB atingiu o ponto máximo no dia 20 de junho, quando o Supremo Tribunal Federal tinha data marcada para julgar Aécio Neves nas acusações. A Primeira Turma do STF adiou o julgamento com o Marco Aurélio Mello como relator do processo. O ministro não viu motivos de obstrução de Justiça entre os argumentos para pedir a prisão preventiva do senador.

O caso culminou na liberdade condicional de Andrea Neves, a operadora de Aécio, e de prisão apenas noturna do comparsa Fred.

O PSDB sempre foi protegido pelos grupos de mídia mainstream, principalmente Aécio Neves que era colunista do jornal Folha de S.Paulo. Estadão, Globo, Editora Abril, SBT, Bandeirantes, Record e até grupos menores como a RedeTV venderam a imagem que o partido de FHC era o defensor da "moral e dos bons costumes" diante dos esquemas de corrupção do PT.

Aécio implodiu todo este sistema. Pode não ir preso como muitos dos seus oponentes políticos desejam. Mas já contribuiu para jogar a reputação do partido no buraco.

Seus apoiadores já bradam: "é tudo farinha do mesmo saco".