Coluna do Pedro Zambarda
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Coluna do Pedro Zambarda
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Coluna do Pedro Zambarda
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

10 fatos que mostram que a Greve Geral foi um sucesso

A Greve Geral de 28 de abril de 2017 e o Primeiro de Maio mostraram uma renovação das forças de esquerda no Brasil. Elenco 10 fatos que provam seu sucesso.

10 fatos que mostram que a Greve Geral foi um sucesso
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

1. De acordo com as centrais sindicais, 130 municípios pararam e 38 deles ficaram sem transporte público urbano.

2. 70 mil se mobilizaram só em São Paulo no dia 28 de abril.

3. Os organizadores estimam que a greve afetou 40 milhões da força de trabalho brasileira, valor muito maior do que menos de 10 milhões mobilizados pelo MBL ou movimentos da direita. Isso foi de uma certa forma uma homenagem a primeira Greve Geral que ocorreu há 100 anos atrás, em 1917.

4. Senadores como Lindbergh Farias, Gleisi Hoffmann, além do deputado Ivan Valente, estudam criar uma PEC de antecipação de eleições, o que ganhou força com a greve.

5. A tentativa de furar a greve feita pelo prefeito João Doria Jr. com Uber e 99Taxis de graça aos funcionários da prefeitura foi denunciada num Google Docs que o governante lançou internamente na sua gestão. O caso gerou um mal-estar entre ele e as empresas envolvidas, que não tinham como financiar a iniciativa.

6. Apesar do pouco destaque na mídia tradicional e do foco em depredações, os atos serviram para conscientizar sobre os direitos de greve dos trabalhadores registrados.

7. Professores e educadores protestaram contra o sucateamento do seu setor e a ausência de aposentadoria no plano de Michel Temer.

8. Os atos também serviram para unificar os insatisfeitos com o governo Temer e seus aliados.

9. Mesmo com dois caminhões de som barrados - um na Paulista e outro na Consolação - a CUT fez um bem-sucedido ato de Primeiro de Maio em São Paulo. Contou com a presença de 200 mil trabalhadores e shows de rua.

10. Eu me feri cobrindo a manifestação pelo Diário do Centro do Mundo, com cortes superficiais provocados pelas balas de borracha da Polícia Militar de São Paulo ao fotografar o momento que manifestantes derrubaram a cerca na casa do presidente Michel Temer. O Portal Comunique-se, que cobre jornalismo, deu destaque ao caso, assim como a Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo), que veio me entrevistar para armazenar num banco sobre agressões da PM no Brasil. O caso do estudante de sociologia Mateus Ferreira, agredido covardemente em Goiânia e deixado em coma, também mereceu destaque. Ele passa bem. A grande mídia, embora tenha condenado depredações de black blocs, não conseguiu sufocar a mensagem das ruas contra as reformas forçadas e autoritárias do governo Temer.

10 respostas aos fãs do deputado Jair Bolsonaro

Respostas francas aos leitores "carinhosos" que torcem por Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018.

10 respostas aos fãs do deputado Jair Bolsonaro
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Escrevi, entre abril e maio, dois textos sobre o deputado Jair Bolsonaro que já se lança à presidência da República em 2018. No primeiro, me posicionei a respeito da necessidade de falar criticamente sobre o congressista justamente para informar melhor os seus seguidores, que estão cegos pelo ódio ao PT. No segundo, reproduzi uma reportagem da Folha de S.Paulo que já aponta indícios de corrupção em seu mandato parlamentar.

O primeiro texto teve 42,7 mil visualizações, mais de 10 mil reações no Facebook e mais de 4600 comentários dentro do Storia, na outra rede social e em outros locais. O segundo, mais modesto, teve 30,6 mil visualizações, cerca de duas mil reações no Face e mais de 300 comentários. A grande maioria deles é de apoiadores do Bolsonaro me xingando.

Inspirado pelo meu amigo e fotojornalista Mario Palhares, eu acho que é meu dever educativo como jornalista responder aos comentários mais esdrúxulos que foram feitos contra a minha pessoa. É uma forma de demonstrar que eu tenho conhecimento e de, quem sabe, discutir com argumentos e não na base do xingatório.

Vamos lá. Comentários em itálico. Respostas em negrito.

1. "Ditadura nós estamos vivendo agora, as custas de um governo ignorante que não liga pro povo, que só propõe leis que atrasam nossas vidas. Às vezes eu me pergunto oque vocês querem... Porque continuam apertando a mesma tecla, queria saber oque se passa na cabeça de pessoas como vocês que falam de ditadura, sem saber que na época dos militares, o Brasil funcionava. Saber, tenho certeza que sabem, é impossível caber tanta ignorância na cabeça de vocês. Eu passei a gostar de política há poucos anos, e eu aprendi, a analisar ambos os lados antes de tomar qualquer conclusão. Vocês deveriam fazer o mesmo. E nós, de direita sabemos que, vocês vão continuar com essa palhaçada, mas não pra sempre, pq uma pessoa defende o ladrão por muito tempo, até que o ladrão fode com a vida dele. E essa é a hora de correr pro outro lado, mas cuidado, depois pode ser tarde. Se incomoda, e porque está certo, ninguém é caluniado se ficar quieto, basta umas verdades pra que isso aconteça. Deus abençoe todos vocês. Bolsonaro 2018!!"

Não, amigo, não estamos vivendo numa ditadura agora, com Michel Temer, e não estávamos vivendo em uma sob Lula e Dilma. Há somente a discussão se o impeachment foi legítimo ou se foi um "golpe branco". Que a democracia pós-1985 tem inúmeros problemas de um Estado autoritário, todos sabemos que sim, mas há alternância de poder. O que não existia, e passou a existir em 2003 na eleição de Lula, foi uma maior força de centro-esquerda com os governos petistas. E nem falo que o PT é extrema-esquerda, porque não foi. Se Lula e Dilma foram corruptos, eles não foram sozinhos. As planilhas da Odebrecht e as delações da Petrobras provam que as propinas eram democráticas e abasteciam o caixa dois inclusive de políticos da direita e da extrema-direita. A esquerda, historicamente, nunca foi poderosa ou rica no Brasil. E o período do petismo, embora tenha sido um fenômeno eleitoral, não foi tão longo quanto governos liberais, de direita ou mesmo autoritários de direita. Eles influíram na República Velha, na ditadura de Getúlio Vargas, na ditadura militar e no começo da Nova República. Estude. Não estou te desqualificando pessoalmente, mas seu argumento é completamente sem pé e nem cabeça.

2. "Bolsonaro fascista? Mmmm deixa ver... Hittler era fascista? O partido não era o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães? Não era política do estado maior? Absolutamente controlador e regulador de tudo? Ora bolas, então era de esquerda!!!! E o bolsonaro, conservador de direita, que é fascista?! Estão sabendo legal!"

O fascismo foi um regime totalitário e populista de massas erguido por Benito Mussolini na Itália pré-Segunda Guerra Mundial. Eu estudei história, e você? Vamos além: O fascismo influenciou diretamente o nascimento do partido nazista, vinculado com os jovens que questionavam a República de Weimar, liderados por Adolf Hitler. Embora carregue o nome "Socialista" no nome, Hitler defendia um conceito esquerdista mais moderado, o da social-democracia - porque os alemães enfrentaram uma dura crise econômica depois da Primeira Guerra Mundial. Na prática, porém, o nazismo e o fascismo foram regimes liberais que permitiram a participação da iniciativa privada para cometer atrocidades em conflitos armados, incluindo a morte dos judeus. Era um governo totalitário de direita, assim como o stalinismo matou a beça e era um governo totalitário de esquerda. Essa má interpretação das siglas partidárias, que desconsidera suas práticas reais, leva a uma péssima educação política. Repense isso. Ou leia esta excelente reportagem da BBC Brasil.

3. "Caro redator, o que seria "facismo", sabe o senhor que mesmo na Itália, local do surgimento de tal expressão, seu significado não é completamente definido, no entanto, o Sr. Faz com infantil colocação a pessoa do BOLSONARO. Sabendo que Benedito Mussolini, Ditador da Itália na década de 30, é seu natural detentor do termo FACISTA, que tinha como filosofia política, desarmar o povo ( coisa que o PT/PMDB/PSDB), e no caso em tela o Senhor Bolsonaro quer o fim do desarmamento, ou seja, contra ideal em tela, sabendo que o mesmo tem discurso radicalmente inverso aos discursos populistas e demagogos dos governos sucessores do governo militar (PSDB/PT/PMDB), ou seja, o mesmo não é facista, além mais, o mesmo não expulsa do Brasil quem fala mal dele, como aconteceu com um certo Ex-presidente de 9 dedos que foi chamado de cachaceiro por um reporte americano, coisa de facista....O SENHOR ainda tem duvida!"

O termo é FASCISMO e o nome do ditador é BENITO MUSSOLINI, não Benedito. A ideologia do Bolsonaro, pelo menos no discurso, prevê um governo com soberania militar, bem similar ao que acontecia na ditadura e com traços bem fascistoides. Dá uma pesquisada. Vale.

4. "Em que país esses esquerdistas vivem? O Brasil já convive com a ditadura. Somos obrigados a votar em ladrões, não podemos sair de casa, não temos saúde e segurança, educação precária, nos são vendidos papelões ao invés de carne. Somos obrigados a ver os políticos roubando e saírem impunes. A maioria esta cansada disso e por isso temos que mudar!#BOLSOMITO2018"

Você pode anular seu voto ou pagar uma taxa pra não ir votar. Tá previsto na lei, caso o senhor não saiba. O "esquerdista" que você acusa de ser petista e que vos escreve já anulou voto e não tem vergonha alguma disso.

5. "Eu só acho que do jeito que está não dá mais, se o Bolsonaro resolver pelo menos a questão da segurança pública já ajuda muito. Pq ninguém aguenta mais ser assaltado, morto e estuprado e ver essas pessoas cruéis soltas pelas ruas cometendo os mesmos crimes".

Já pensou em cobrar prefeitos e governadores pelo lance da segurança pública da sua cidade? Geraldo Alckmin e seu partido, o PSDB, já estão há mais de 20 anos no governo do estado e misteriosamente os problemas de criminalidade permanecem. Será que não vale equilibrar um pouco mais as reclamações? Sérgio Cabral, no Rio de Janeiro, é um belo exemplo do que deu errado nos últimos anos. E ele foi governador pelo PMDB. Será que só o PT e os esquerdistas têm culpa?

6. "Diz no texto 'o eleitor do Bolsonaro não sabe disso' mas a dissertação não disse nada de novidade.. só quis fazer propaganda contra, sem argumentos. Tenho ensino superior sim, leio e assisto jornais todos os dias, leio livros constantemente, considero que entendo de política e sim, votarei em Jair Messias Bolsonaro em 2018 e digo mais em 2022 também".

A gente sabe disso e o Datafolha em diferentes pesquisas dentro do jornal Folha de S.Paulo nos mostrou que o possível eleitor do Jair Bolsonaro é instruído. Só que talvez você não se dê conta de que lê uma quantidade absurda de material ruim, ainda que seja universitário formado. Considerar que "entende de política" não significa dominar os conceitos de ideologia, questões sociais e funcionamento das instituições.

7. "Relaxa, nós ja sabemos a verdade. NUNCA existiu ditadura no Brasil, ditadura tem hj com os socialistas no poder, Dilma, FHC, Temer, Sarney, esse governo civil que DITA as regras mesmo contra a vontade do povo. Ditadura é isso aí: ditar regras e foda-se o povo. Colocando terroristas no Brasil, tá de sacanagem. Vao pagar caro por iso um dia, em breve, falta pouco".

Realmente. "Vão pagar caro por isso". Talvez este seja o problema específico do eleitor de Jair Bolsonaro. Ele pede uma ditadura sem saber dos reais problemas do regime militar, incluindo o engordar do Estado brasileiro durante a gestão do ex-ministro Delfim Netto. Falta-te uma análise política, ideológica e econômica mínimas. Pesquise para saber quem foi Delfim. Ele ainda está vivo.

8. "Eu preciso de um presidente que não esteja na lista do Edson Fachim! O Bolsonaro não está!!!! O que eu não acreditar é que um canceroso e aleijado de corpo e de alma possa se candidatar a presidente, pois este Lula ladrão já teve dois mandatos e destruiu a economia deste país e está indiciado na lava jato......."

Bolsonaro está na Lista de Furnas - vá pesquisar o que é, vale a pena saber. Bolsonaro também carrega uma acusação bem complicada de incitação ao estupro. Um presidente da República precisa ser um indivíduo equilibrado, o que parece que ele não é.

9. "Quem te disse que a economia era ruin no período militar? E lugar de bandido comunista é na cadeia mesmo! Torturaram poucos 'revolucionários' na época! Só os "revolucionários" reclama do período militar, nunca ouvi de nenhum cidadão de bem o mesmo. O país tinha segurança, e vagabundo comunista era tratado como se deve tratar de fato! Lula e Dilma deveriam ter sumido naquela época kkkk Se não somos uma Venezuela, uma cuba ou Bolívia, países que seguia a mesma linha revolucionária comunista, agradeça ao período militar".

O chamado "milagre econômico" brasileiro, de Delfim Netto, durou entre 1968 e 1973, ou seja, cinco dos 20 anos de ditadura militar. Neste período, o PIB cresceu de 9,8% de 68 para 14% no ano final. O problema é que no mesmo período, a inflação expandiu de 19,46% para 34,55%. Em 1984, na presidência de João Batista Figueiredo, o último general da ditadura militar, a inflação chegava em 223,775%. A média da inflação na década de 80 foi de 300%. Havia protecionismo estatal para tecnologia do exterior, o que não permitia ter computadores Mac, por exemplo, ou mesmo alguns modelos PC. No último ano de Dilma, em 2016, a inflação ficou em 6,29% segundo o IPCA do IBGE. É sério mesmo que a economia no período militar era boa? Talvez fosse pra classe média, talvez. E foi certamente para os ricos.

10. "Retrocesso dá economia no regime militar? Onde? Acho que suas fontes de pesquisa estão equivocadas meu amigo! E gente de bem não sofreu nada no regime militar só vagabundos eram presos!"

Como responder a este comentário? Dá uma lida na resposta anterior, por gentileza.

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
pedrozambarda
Escreve desde os 8 anos. É editor do Geração Gamer e Drops de Jogos, além de ser repórter do Diário do Centro do Mundo.