Coluna do Pedro Zambarda
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Coluna do Pedro Zambarda
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Coluna do Pedro Zambarda
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

A grande mídia desembarcou do governo Temer?

A delação de José Yunes, confessando que foi "mula" do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, deixou o governo Michel Temer na berlinda. Colunistas que antes protegiam o presidente agora não estão tão seguros de suas opiniões. E a esquerda vem com tudo pra cima do governo. Temer não tem mais a quem apelar?

A grande mídia desembarcou do governo Temer?
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

O jornalista Ricardo Noblat, um dos mais consagrados no site do Globo, protagonizou um episódio lamentável no Roda Viva do presidente Michel Temer. Perguntou ao governante "como ele conheceu Marcela", com um olhar afetuoso. Em nenhum momento lembrou dos escândalos de corrupção que envolvem o PMDB ou as acusações contra o presidente.

Mesmo ele, que protagonizou este episódio comprometedor, sentenciou no dia 24 de fevereiro: "O governo Temer subiu no telhado".

E subiu mesmo. No mesmo feriadão de Carnaval, a revista Veja trouxe numa chamada de capa uma reportagem falando da ligação de ex-assessor José Yunes com o ministro Eliseu Padilha, da Casa Civil de Temer. Quando as denúncias chegam a esta pasta, considerada fundamental para a articulação política do governo, a casa tende a cair.

O escândalo está repercutindo em todos os jornais que apoiaram o impeachment golpista contra Dilma, que tentou paralisar a Lava Jato. Estadão, Folha e O Globo dão repercussão a denúncias de desvios na casa dos milhões de reais que podem desmoronar a articulação do vice de Dilma Rousseff.

Como esperado, na esquerda, o colunista Paulo Moreira Leite, do Brasil 247, já atenta que a candidatura Lula pode surgir deste turbilhão de denúncias para 2018.

Será que a grande mídia desembarcou do governo Temer? A Reforma da Previdência e o congelamento de investimentos públicos para saúde e educação dos mais pobres não está revertendo o quadro inflacionário como o desejado? Cadê o crescimento econômico? As previsões mais conservadoras do mercado financeiro davam o retorno em 2017. O dólar caiu, a arrecadação de fato melhorou, mas as exportações seguem ruins e a macroeconomia carece de aportes.

Claro que colunistas como Reinaldo Azevedo e Eliane Cantanhêde continuam apoiando Michel Temer. Mas parecem vozes isoladas depois da capa de uma revista tentando exaltar Mick Jagger como exemplo de trabalhador aos 70 anos. 

Folha, a jararaca cresceu ou não?

Sobre o posicionamento do jornal Folha de S.Paulo e a candidatura de Lula para 2018.

Folha, a jararaca cresceu ou não?
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Elio Gaspari é um dos jornalistas mais reconhecidos e consagrados no meio político. Foi diretor-adjunto da revista Veja e passou pelo Jornal do Brasil no seu período de ouro. Possui uma coluna que é reproduzida nos jornais Folha de S.Paulo e O Globo.

Desde dezembro do ano passado, Elio monitora as pesquisas do Datafolha e deu uma nota sobre a CNT/MDA de março. São pelo menos três textos falando sobre a "jararaca", que é apelido que o ex-presidente Lula deu a si mesmo na condução coercitiva em 2016.

Em todas as colunas, Elio diz que "a jararaca está viva". Suas opiniões e análises estão alinhados com os veículos que ele trabalha, da dita grande mídia.

Eis que a mesma Folha publica neste dia 28 de fevereiro uma reportagem com o título "Pelo prazo médio da Lava Jato, Lula pode ficar inelegível durante eleição". O texto, assinado por Estelita Carazzai, analisa cinco processos judiciais contra o ex-presidente.

Dois são ligados ao Instituto Lula e ao triplex do Guarujá e tramitam em Curitiba. Três estão fora das mãos do juiz Sérgio Moro. A Folha teria analisado seis ações julgadas em segunda instância, o que seria suficiente para barrar a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva às eleições.

Em média, os processos demoram um ano e 10 meses. No entanto, o jornal detectou casos que demoram apenas 10 meses. O prazo mais longo seria de dois anos e sete meses. Se for considerar a média, Lula poderá ser barrado nas eleições.

O colunista Elio Gaspari publicou que o ex-presidente tem poucas chances de ser barrado na Lava Jato. Na pesquisa CNT, Lula domina o primeiro e o segundo turno, enquanto Datafolha aponta vitória de Marina Silva no segundo. "A jararaca está viva e engordou"

Quem está certo? A Folha dá espaço para as duas análises.

A esquerda acha que a Folha de S.Paulo está dando seu "tradicional golpe" e apoiando o antipetismo de maneira velada.

Afinal, Folha, a jararaca cresceu ou não?

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
pedrozambarda
Escreve desde os 8 anos. É editor do Geração Gamer e Drops de Jogos, além de ser repórter do Diário do Centro do Mundo.