Coluna do Pedro Zambarda
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Coluna do Pedro Zambarda
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Coluna do Pedro Zambarda
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Conheça cinco restaurantes e hotéis que foram palco de corrupção dos políticos

Maletas de dólares? Negociações de propinas? Suposto envolvimento de jornalistas? Restaurantes e hotéis de luxo foram cenários destas negociações. Confira uma seleção dos mais famosos.

Conheça cinco restaurantes e hotéis que foram palco de corrupção dos políticos
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

A delação da JBS em maio de 2017 implodiu o mundo político brasileiro e o governo Michel Temer, construído a partir da queda do PT e de Dilma Rousseff. Nas negociações de propinas reveladas em grampos telefônicos, malas de dinheiro e propinas foram negociadas em hotéis e restaurantes famosos. Alguns locais foram palco de escândalos anteriores ao da Operação Lava Jato em si.

Listamos aqui cinco destes estabelecimentos e o que ocorreu nestes locais. Confira.

Conheça cinco restaurantes e hotéis que foram palco de corrupção dos políticos

1. Restaurante Fasano

Fundado em 1930 e localizado no Jardins, o Fasano foi criado por uma família de italianos próxima aos familiares de Mino Carta e Diogo Mainardi. O local também é ponto de encontro do alto escalão da revista Veja. Na véspera do encontro com Michel Temer no Jaburu, no dia 7 de março, Joesley Batista da J&F/JBS se reuniu com Rodrigo Rocha Loures, emissário do presidente no PMDB, para organizar uma agenda de encontros empresariais privados. Rocha Loures foi grampeado e gravado com malas de dinheiro e teve prisão decretada no dia 3 de junho.

Conheça cinco restaurantes e hotéis que foram palco de corrupção dos políticos

2. Hotel Unique

Localizado na Brigadeiro Luís Antônio, na região dos Jardins, ele é caracterizado por seu design em formato de barco (de Ruy Ohtake) que abriga 95 apartamentos, incluindo 10 suítes e o terraço com o restaurante Skye. O local teve o encontro entre Aécio Neves e Joesley Batista. O senador cobrou do empresário do setor de carnes e bens de consumo uma dívida de R$ 80 milhões que ele contraiu na campanha de 2014.

Conheça cinco restaurantes e hotéis que foram palco de corrupção dos políticos

3. Restaurante Gero

Espaço também da família Fasano, o restaurante Gero teve o encontro entre o senador Aécio e o empresário Alexandre Accioly. Na ocasião teriam sido negociadas propinas da Odebrecht para o tucano do PSDB e eles teriam encontrado Diogo Mainardi, ex-colunista da Veja e atual dono do site Antagonista. Diogo nega o encontro e ainda aproveitou a denúncia para atacar sites de esquerda.

Conheça cinco restaurantes e hotéis que foram palco de corrupção dos políticos

4. Restaurante Piantella

Um dos estabelecimentos mais conhecidos de Brasília, o Piantella foi criado por volta da década de 1980 e é o local para encontrar políticos e empresários poderosos. Foi nesta localização que a jornalista Míriam Dutra, ex-TV Globo, conheceu e passou a se tornar amante do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. O caso transformou-se em escândalo quando o filho de Míriam, Tomas, nasceu e teve a paternidade atribuída a FHC. O ex-presidente fez dois testes de DNA que supostamente atestam que o jovem não é seu filho, mas Míriam Dutra foi obrigada a deixar o país e teve sua vida na Espanha paga pela TV Globo e pela empresa de free shop em aeroportos Brasif. O esquema teve supervisão do próprio Fernando Henrique e de José Serra, que visitou a ex-amante em uma das ocasiões.

Conheça cinco restaurantes e hotéis que foram palco de corrupção dos políticos

5. Pizzaria Camelo

Pizzaria localizada no Jardins, a Camelo existe desde 1957 e serve pizzas que oscilam de R$ 30 até R$ 90. Foi lá que o ex-deputado Rocha Loures retirou uma mala de R$ 500 mil de propina da JBS em 28 de abril de 2017. O aliado de Michel Temer foi fotografado com o dinheiro, que foi rastreado pela Polícia Federal.

A Folha de S.Paulo está contra a renúncia de Michel Temer?

Uma análise do posicionamento editorial do jornal da família Frias frente às denúncias da JBS.

A Folha de S.Paulo está contra a renúncia de Michel Temer?
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Para entender esta questão, em primeiro lugar é necessário ler a coluna do diretor editorial do jornal, Otávio Frias Filho. Responsável por formatar a opinião da Folha de S.Paulo junto ao time editorial, a publicação foi crítica ao impeachment de Dilma Rousseff e favorável a novas eleições. No caso de Temer, o posicionamento da Folha mudou a olhos vistos.

Otávio diz na coluna publicada no dia 21 de maio de 2017 no título: "ainda é cedo para dizer que a administração Temer acabou". Ele explica, utilizando Montaigne e Sêneca, que a renúncia depende de circunstâncias específicas para acontecer. Otávio Frias não erra nesta análise, mas utiliza o noticiário factual para tentar encobrir a sua real opinião, que é expressa no seguinte trecho: "os alicerces do governo Temer, sempre frágeis, estão ainda mais abalados. Mas é cedo para dizer que esta administração acabou. A economia, que aos poucos sai do atoleiro, atua em seu favor. O relógio, que mostra as eleições gerais de 2018 cada vez mais perto, também. Enquanto isso, um governo cambaleante se encastela ao forcejar por reformas que preparam o ciclo de expansão econômica apto a consagrar, talvez, seu sucessor".

Um dos donos da Folha, portanto, dobra a aposta na recuperação econômica sob Temer. Uma economia que só apresentou, nos dados apreendidos pelo IBGE, dessaceleração da queda da inflação. Michel Temer está longe, com os cortes que promove, de estimular algum crescimento, seja via consumo ou fomento do mercado interno.

E a Folha não se manifestou editorialmente apenas nas palavras de seu patrão. Colocou os colunistas mais consagrados, à esquerda e à direita, para defender as ideias de chefe. Se você perguntar a eles, eles juram que não fizeram isso influenciados, mas coincidentemente seus textos refletem os pontos expostos por Otávio Frias Filho.

Escreve Elio Gaspari, no mesmo dia da coluna de Otávio: "se Temer desistir, se o Tribunal Superior Eleitoral resolver dispensá-lo ou se um doloroso processo de impedimento vier a defenestrá-lo, a pergunta essencial ficará no mesmo lugar: quem? E para quê? A principal obrigação do governo Temer e de seu eventual sucessor será o respeito ao calendário eleitoral que manda escolher um novo presidente em 2018. Itamar Franco foi o único presidente que assumiu depois de um impedimento e honrou o calendário. Café Filho tentou melar a eleição de 1955 e foi mandado embora. No dia 11 de abril de 1964, quando o marechal Castello Branco foi eleito pelo Congresso, Juscelino Kubitschek e Carlos Lacerda, os principais candidatos, acreditavam que disputariam a eleição de 1965. O próprio Castello também acreditava. Nada feito. Os brasileiros só escolheram um presidente pelo voto direto 25 anos depois. A maluquice do salto em direção ao nada já arruinou a vida nacional duas vezes. Em 1961 e em 1969 os ministros militares, nas versões 1.0 e 2.0 dos Três Patetas, decidiram impedir as posses do vice-presidente João Goulart e de Pedro Aleixo. Nos dois casos havia o motor da anarquia dos quartéis. Hoje essa carta está fora do baralho, mas a anarquia civil está de bom tamanho. A pergunta essencial é a mesma: quem?". Dizem que Elio é o mentor da campanha "Fica Temer", concebida num jantar com o próprio presidente e pago, pasmém, pelo apresentador Faustão da Globo.

Publicou o insuspeito esquerdista André Singer, um dia antes de Otávio: "Temer está sentindo na pele a mesma metodologia usada contra Dilma e o PT, mas não será por meio dela que voltaremos à normalidade democrática. Forças que se movem sem mostrar a cara, e cujos interesses não se explicitam, nunca produzem bons resultados. Os democratas precisam fincar pé na defesa do Estado de Direito, da Constituição e da lei".

Reinaldo Azevedo deu o seu respaldo à direita no mesmo jornal:  "Temer é vítima de conspiração".

Por fim, a Folha colocou Marcelo Coelho, membro do conselho editorial, para criticar o posicionamento da Globo em sua reportagem que divulgou a delação da JBS: "por 24 horas, igualmente, a Rede Globo noticiou a conversa entre Temer e Joesley Batista, ressaltando que o 'tem que continuar' era uma autorização para comprar o silêncio de Eduardo Cunha. Ninguém tinha ouvido a gravação. Foi, a meu ver, uma irresponsabilidade. Seguiu-se, sem avaliação própria, a interpretação dada pelas autoridades, como se não houvesse qualquer dúvida possível".

Coelho tem alguma razão na autocrítica que a Globo deveria ter em suas vozes de comunicação, mas a Folha, de maneira quase polarizadamente contrária, posicionou seus colunistas para ficarem contra a renúncia de Michel Temer. E tomou esta decisão mesmo depois de provas de cometimento de crimes por parte do presidente da República.

Algo explica o atual posicionamento do jornal.

Segundo o Instituto Verificador de Comunicação (IVC) em 2016, a Folha de S.Paulo caiu de 240 mil exemplares/dia em 2012 para 166 mil em 2016. Atualmente está em 143 mil jornais entregues diariamente. As assinaturas digitais, que cresceram de 55 mil em 2013 para 147 mil em 2015, caiu para 138 mil em 2016.

O jornal ainda demite profissionais em série. De acordo com o Volt Data Lab, pelo menos 94 profissionais de jornalismo foram desligados do Grupo Folha.

O governo federal, sob Dilma Rousseff, fez cortes no financiamento dos grandes veículos. Sob Temer, segundo a Secom (Secretaria de Comunicação do governo federal), a publicidade para a Folha aumentou 121,5%.

Coincidência o jornal de Otávio Frias Filho estar contra a renúncia de Michel Temer? Eu acho que não.

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
pedrozambarda
Escreve desde os 8 anos. É editor do Geração Gamer e Drops de Jogos, além de ser repórter do Diário do Centro do Mundo.