Coluna do Pedro Zambarda
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Coluna do Pedro Zambarda
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Coluna do Pedro Zambarda
ic-spinner
Hikayeni paylaş
Sevdiğin hikayeleri ve yazarları bul ve takip et. İlham al, sen de kendi hikayelerini yaz. Hikayelerine arkadaşlarını davet et. Paylaş ve tüm dünyaya sesini duyur.

Lindbergh Farias, João Paulo Rillo e os fracassos do PT

Um deputado estadual e um senador criticaram abertamente o Partido dos Trabalhadores. A autocrítica da esquerda vem tarde demais? As insatisfações de Lindbergh e Rillo são suficientes? O PT precisa de mais crítica? E como delimitar, de maneira efetiva, os seus fracassos?

Lindbergh Farias, João Paulo Rillo e os fracassos do PT
Sevdiğin konularda arkadaşlarınla işbirliği yap
Bu konuda yazmak ister misin? ▸

O senador Lindbergh Farias, um dos maiores defensores de uma reação ao golpe contra a presidente Dilma Rousseff, gravou um vídeo deprimido no dia 20 de janeiro de 2017. Por 45 votos a 30, o diretório nacional do PT votou a possibilidade de compor chapa com Eunício Oliveira e Rodrigo Maia, políticos do PMDB próximos de Michel Temer.

A decisão, na época, teve aval do ex-presidente Lula. Lindbergh foi uma das poucas vozes contrárias à decisão.

Ele foi taxativo: "Eu acho isso um escândalo. Nós não temos condições e não podemos participar de uma votação de uma chapa composta por golpistas! Houve um golpe de Estado neste país! Afastaram uma presidente democraticamente eleita. Estão rasgando a Constituição! A PEC 55 foi isso. Rodrigo Maia e Eunício Oliveira serão os principais líderes na votação desta Reforma da Previdência e do Trabalho, que é contra o povo trabalhador! A batalha não acabou e é por isso que eu estou gravado [este vídeo]".

Em 11 de fevereiro, o deputado estadual paulista e petista João Paulo Rillo fez uma transmissão ao vivo no Facebook. Ele relembrou que o Partido dos Trabalhadores completou 37 anos e fez uma reflexão mais aprofundada sobre o momento partidário.

"Tem muita coisa para comemorar, mas tem muita coisa para se pensar e mudar. Para corrigir. Erros a serem admitidos. Autocrítica é importante com nossa base social e com o povo que votou no partido. Aproveito o momento para falar do que está acontecendo: Para vocês que são petistas e os que não são petistas", frisou.

Rillo tentou diálogo com o governo Geraldo Alckmin para aprovar medidas de cunho social. Antes de tentar isso no final de 2016, foi o deputado que tomou partido dos estudantes secundaristas e chegou a ser agredido e ameaçado pela Polícia Militar do governador. Hoje ele tenta reajuste para médicos residentes, banimento da bala de borracha da PM em projetos, além de medidas para manter a Banda Sinfônica do Estado de São Paulo.

João Paulo Rillo defende a dialética e o confronto de ideias para lidar com a gestão Alckmin, envolvida com acusações sérias de máfias, da merenda até outros níveis. A bancada do PT sabotou Rillo e as contas do governo tucano foram aprovadas.

Lindbergh e Rillo tocam em pontos incômodos do PT. O partido não admite que tornou pautas reformistas importantes em fracassos em nome da tal "governabilidade". Os avanços do governo Lula, por exemplo, foram comprometidos pela gestão Dilma e, agora, de maneira mais aguda, com Michel Temer.

O Partido dos Trabalhadores surgiu em 1980 com os movimentos de massa dos sindicatos. Englobou a intelectualidade da Universidade de São Paulo e atingiu os acadêmicos que criticaram Fernando Henrique Cardoso e suas atitudes pró-neoliberalismo.

Hoje, o PT é incapaz de fazer uma autocrítica organizada. As vozes autênticas saem pulverizadas em senadores e deputados específicos. E não se trata aqui de defender especificamente Lindbergh ou Rillo. No caso de Lindbergh Farias, por exemplo, ele deve responder a acusações na Operação Lava Jato. Mas isso não invalida o seu ponto de vista crítico e construtivo ao partido.

Lindbergh e Rillo saíram do movimento estudantil. Lindbergh Farias pediu o impeachment de Fernando Collor de Mello com os "caras pintadas". João Paulo Rillo faz uma crítica contundente a Lula: "Primeiro enquadraram o operário pela violência física. Depois é pelo discurso".

Os dois petistas ainda vêem a história do PT com mais acertos do que erros. Mas o partido precisa se cuidar. Já passou da hora de lidar com seus fracassos.

Alexandre Moraes no STF é a prova que o golpe de Temer funcionou

Ex-advogado do PCC, falastrão, próximo ao presidente Michel Temer e jovem, Alexandre de Moraes é o nome forte do PSDB que assume o lugar de Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF) morto num acidente em Paraty. O jovem careca também é a prova que o golpe de impeachment de Temer vai muito bem, obrigado.

Alexandre Moraes no STF é a prova que o golpe de Temer funcionou
Sevdiğin konularda arkadaşlarınla işbirliği yap
Bu konuda yazmak ister misin? ▸

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu nesta segunda (6) ao Supremo Tribunal Federal (STF), a abertura de inquérito contra o ex-presidente José Sarney, os senadores do PMDB Romero Jucá e Renan Calheiros, além do ex-diretor da Transpetro Sérgio Machado. O pedido vem sob a acusação de embaraço às investigações na Operação Lava Jato.

Ação tardia e negligente de Janot.

Nesta mesma segunda-feira, Michel Temer coloca como ministro do mesmo Supremo o advogado Alexandre de Moraes. Homem forte de Geraldo Alckmin no PSDB, prestou concurso com Fernando Capez, o atual presidente da Assembleia Legislativa. Cresceu entre os quadros tucanos, enquanto Capez enfrenta um processo expressivo na investigação do roubo da merenda nas escolas públicas paulistas.

Moraes teria sido advogado do Primeiro Comando da Capital (PCC), foi secretario dos transportes na prefeitura de Gilberto Kassab e secretário na área de segurança do governador Alckmin. Crescendo tanto na ala serrista quanto no setor de Geraldo Alckmin, Alexandre de Moraes tornou-se uma promessa tucana para os próximos anos.

Ele então se tornou a ponte entre Alckmin e Temer na pasta do Ministério da Justiça. Próximo da Polícia Federal, vazou informações sobre prisões da Lava Jato sem ter o aval adequado para isso. Tem 49 anos. Teori Zavascki, o titular de seu lugar antes de sua morte no acidente em Paraty, tinha 68 anos. O ministro Dias Toffoli é um dos poucos com a mesma idade.

Nenhum deles tem antecedentes com o PCC. Moraes era realmente o mais indicado para o maior cargo entre juízes constitucionalistas do país?

Nas gravações dadas em delações na Lava Jato, o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, dizia sobre um "grande acordo" para parar as operações com Michel Temer na presidência. Este seria o golpe de Estado real em operação no Brasil, funcionando via Parlamento.

Alexandre Moraes no STF é a prova que o golpe de Temer funcionou

Mas o estancamento da "sangria" não envolve só a presidência, como também o Supremo Tribunal e o Congresso. No STF, imaginava-se que Gilmar Mendes faria este trabalho sujo.

Agora Temer tem outro peão para suas ações: Alexandre de Moraes.

O golpe funcionou.

Hikayeyi okudun
Story cover
tarafından yazıldı
Writer avatar
pedrozambarda
Escreve desde os 8 anos. É editor do Geração Gamer e Drops de Jogos, além de ser repórter do Diário do Centro do Mundo.