Coluna do Pedro Zambarda
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Coluna do Pedro Zambarda
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Coluna do Pedro Zambarda
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Por que Dallagnol, da Força-Tarefa da Lava Jato, é criticado por palestras?

Considerações sobre o procurador do Ministério Público de Curitiba que diz que Lula é o chefe do "esquema criminoso de poder", mas não consegue explicar suas próprias fontes de renda.

Por que Dallagnol, da Força-Tarefa da Lava Jato, é criticado por palestras?
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Fora a figura do juiz de primeira instância Sérgio Fernando Moro, a segunda figura mais conhecida da Força-Tarefa de Curitiba é o procurador Deltan Dallagnol. Evangélico da Igreja Batista e surfista, é Dallagnol o autor e apresentador do famoso power point que apontava o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como o único culpado das corrupções do Petrolão e do PT.

O procurador foi alvo de uma reportagem do Diário do Centro do Mundo, feita pelo jornalista Joaquim de Carvalho (foto acima), por especulações utilizando imóveis do programa Minha Casa, Minha Vida. Criado pelo governo Dilma Rousseff, ele foi desenhado para disseminar moradias populares e não para renda imobiliária. Joaquim realça que Dallagnol não cometeu crime, mas tomou uma atitude imoral considerando seu cargo como procurador do Ministério Público encarregado de uma das maiores investigações de corrupção do país.

Na época, o repórter do DCM conseguiu entrevistar Deltan Dallagnol. Após um encontro pessoal com o procurador em Curitiba, durante o depoimento de Lula, ele não respondeu mais os contatos de imprensa do site de esquerda.

Mas esta não é a única controvérsia de Dallagnol.

O procurador passou a ganhar entre R$ 30 e 40 mil em conferências na agência MotiveAção Palestras. A empresa trabalha também com a jornalista Ana Paula Padrão e Caio Ribeiro. O nome da companhia, como já deixa subentendido, traz histórias de superação e autoajuda.

A carreira rentável do procurador veio à público no dia 15 de junho. Dois dias depois, a empresa tratou de apagar referências a ele no site. Medo de retaliação política?

A defesa de Lula processa o procurador pelo power point, enquanto Deltan Dallagnol acusa o ex-presidente de ser um "general em crime de guerra".

O caso de enriquecimento do procurador do Ministério Público não é um caso isolado. Sérgio Moro fez uma palestra vazia para a Associação Nacional de Editores de Revistas (ANER). Fez um pronunciamento de graça para as Editoras Abril e Globo? Todos os envolvidos na Lava Jato não estão ganhando com tamanha publicidade na grande imprensa?

Lembrando que o próprio Lula fez dinheiro em palestras internacionais. Seu Instituto Lula chegou a arrecadar R$ 300 mil por palestra, valor similar ao de ex-presidentes como Bill Clinton e Barack Obama, embora elas sejam objeto de investigação no Petrolão.

Quem vai investigar as palestras dos "investigadores-acusadores" da Lava Jato? Deltan Dallagnol merece a polêmica que carrega hoje na imprensa.

Aécio Neves e a implosão do tucanato

O tucano será preso? Ele não vai concorrer à presidência? Seja o que acontecer, Aécio é a face da implosão do tucanato.

Aécio Neves e a implosão do tucanato
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

"Tucanato" é um gíria no meio político para as lideranças do PSDB. O escândalo recente de Aécio Neves na delação premiada de Joesley Batista e de executivos da JBS ganhou ares de tragédia. Elencado como o homem forte dos tucanos nas eleições de 2014, perdeu para os 54 milhões de votos de Dilma Rousseff na disputa presidencial. Aécio encabeçou e incentivou o processo que culminou no impeachment das ex-presidente, com elementos de golpe parlamentar com Eduardo Cunha.

Desta forma, Aécio trouxe a implosão do tucanato com seu isolamento, a prisão de sua irmã e operadora Andréa Neves, fora o encarceramento do seu primo Fred, que recebeu dinheiro vivo em mala da JBS.

Aécio Neves e a implosão do tucanato

Aécio Neves teria cobrado a JBS cerca de R$ 2 milhões de dívidas de sua campanha, envolvendo seus familiares no caso. O senador teria negociado com Joesley que enviaria um homem de confiança, Fred, enquanto o empresário colocou o diretor Ricardo Saud em contato com o tucano.

O dinheiro na verdade teria sido dado ao senador Zezé Perrella, que esteve envolvido com o escândalo do helicóptero de meia tonelada de pasta base de cocaína, o Helicoca. Estes casos se acumularam com a propinagem dos trens e metrôs de São Paulo, que envolvem o governador Geraldo Alckmin e o senador José Serra, além do escândalo de compra de votos para a reeleição do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Aécio Neves e a implosão do tucanato

A decadência moral do PSDB atingiu o ponto máximo no dia 20 de junho, quando o Supremo Tribunal Federal tinha data marcada para julgar Aécio Neves nas acusações. A Primeira Turma do STF adiou o julgamento com o Marco Aurélio Mello como relator do processo. O ministro não viu motivos de obstrução de Justiça entre os argumentos para pedir a prisão preventiva do senador.

O caso culminou na liberdade condicional de Andrea Neves, a operadora de Aécio, e de prisão apenas noturna do comparsa Fred.

O PSDB sempre foi protegido pelos grupos de mídia mainstream, principalmente Aécio Neves que era colunista do jornal Folha de S.Paulo. Estadão, Globo, Editora Abril, SBT, Bandeirantes, Record e até grupos menores como a RedeTV venderam a imagem que o partido de FHC era o defensor da "moral e dos bons costumes" diante dos esquemas de corrupção do PT.

Aécio implodiu todo este sistema. Pode não ir preso como muitos dos seus oponentes políticos desejam. Mas já contribuiu para jogar a reputação do partido no buraco.

Seus apoiadores já bradam: "é tudo farinha do mesmo saco".

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
pedrozambarda
Escreve desde os 8 anos. É editor do Geração Gamer e Drops de Jogos, além de ser repórter do Diário do Centro do Mundo.