Coluna do Pedro Zambarda
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Coluna do Pedro Zambarda
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Coluna do Pedro Zambarda
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Por que ser de centro em 2017?

Nem de esquerda ou de direita? Qual é a diferença do centro e dos extremos? Centrismo é sinônimo de equilíbrio? Por que ser de centro em 2017?

Por que ser de centro em 2017?
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Fruto da Revolução Francesa, o centro político não se situava nem entre os jacobinos/sans cullotes (o povo, a esquerda) e os girondinos (os burgueses, a direita). Como escrevi um texto nesta coluna no Storia sobre "Por que ser de esquerda em 2007", é hora de explicar a razão por trás de quem é centrista.

O centro no Parlamento é sobretudo o centro das discussões políticas em regimes republicanos e democráticos contemporâneos. É comum que o centro misture tendências de esquerda e de direita. No Brasil, como o Congresso carrega acusações pesadas de corrupção porque... e no centro que a política real acontece. Não é à toa que o PMDB esteve na posição centrista desde o governo José Sarney e o fim da ditadura militar. Ao lado do extinto PFL (hoje DEM), os peemedebistas fizeram a política de "leva e trás" em governos do PSDB e do PT.

Por isso, é importante ser de centro se você está afim de estar próximo "do poder" e, portanto, da política real. Os extremos, diferente do centrismo, buscam a política por transformações sociais, ou seja, revoluções. O centro, mais conservador em relação aos extremos, acredita mais na reforma.

Sou centrista por querer entrar no debate político mais realista, embora tenha meus próprios idealismos - a maioria deles vinculados com a esquerda. Entendo o sistema capitalista, sou crítico à economia de mercado tal qual desenhada como hoje e acredito que algumas reformas e aperfeiçoamentos podem ser feitas neste sistema. E ser centrista não significa concordar com o "centrão brasileiro", hoje representado por Michel Temer, presidente pós-impeachment de Dilma Rousseff.

Por que ser de centro em 2017?

Citado 43 vezes numa única delação da Operação Lava Jato, Temer deu curso a um movimento pelo fim do governo Dilma que é facilmente traduzido pela expressão "golpe parlamentar". Trata-se de uma derrubada dentro da Constituição, utilizando de suas brechas, sem constatar um crime claro do chefe de Estado. A ex-presidente não foi derrubada por tanques, como no golpe de 64, mas teve seu governo brutalmente interrompido.

O centro brasileiro está profundamente mergulhado na corrupção, a ponto de eleger criminosos notórios como Eduardo Cunha como presidente da Câmara.

Por que ser de centro em 2017?

Por isso, eu acredito numa reforma do centro político. E por isso sou centrista.

É muito mais pelos problemas do centro do que pelos potenciais problemas de uma revolução. Reformistas reais trabalham com números do poder vigente.

E esta coluna segue sempre pela centro-esquerda. E avante.

10 fatos que indicam que você é de esquerda (ou progressista)

Foice e o martelo? Revolução comunista? Karl Marx? Saiba se você é mais um petralha na parada.

10 fatos que indicam que você é de esquerda (ou progressista)
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

E ai, companheiro? Vamos liquidar alguns burgueses? Pronto para a revolução proletária? É idealista? Senta aqui, vamos conversar um pouco.

A esquerda mudou muito desde suas origens, na Revolução Francesa, em 1789. Foi autoritária (China, URSS, Cuba e Coreia do Norte), foi incorporada ao Estado do Bem-Estar Social (Escandinávia), tornou-se movimento dos trabalhadores (Inglaterra, Estados Unidos e Brasil, com o PT) e adotou uma nomenclatura ainda mais moderna do que o socialismo (sistema alternativo ao capitalismo) e o comunismo (regime do governo do trabalhador): Progressismo (ideias de esquerda na atual sociedade). O seu firmamento é a luta pela igualdade das oportunidades, enquanto os liberais/capitalistas são defensores maiores da liberdade.

Para além das cartilhas partidárias e dos discursos de sindicato, elencamos aqui 10 fatos que indicam que você é de esquerda. Ou progressista, no mínimo.

1. Defende maior distribuição de renda

Os mais radicais defendem o fim da economia nos moldes capitalistas e monetários. Os mais moderados ou centristas defendem ações que diminuam a concentração de renda nas mãos de bilionários ou de governos ineficientes. Se você acredita que boa parte dos problemas sociais moram na falta de oportunidades, esquerdista é o seu pensamento. Entram aqui também os críticos ao "self-made man" do modo de vida norte-americano.

2. É crítico ao capitalismo

Se você não confunde capitalismo com democracia e acredita que o capitalismo é um sistema problemático depois da colonização das Américas, da África e duas depressões internacionais (1930 e 2008), a esquerda também é a sua casa.

3. Defende educação e saúde públicas

Isso vem da Revolução Francesa e da "Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão". Gosta de universidade de graça? De escolas públicas? E defende impostos que sustentem um sistema público de saúde? Sua morada é aqui.

4. Defende atividades científicas acadêmicas - com retorno para população

Você pode defender os estudos universitários acadêmicos e ser crítico com a burocracia dos mesmos. Mas uma coisa é inquestionável: Quando a lógica do lucro impera, a tendência é produzir produtos e não aplicações contra problemas. Fazer ciência requer dinheiro e isso flui melhor por impostos que sejam repassados de fato para a educação. Quem é que não vai defender um programa de bolsas de intercâmbio no exterior? Bom, tem maluco pra tudo.

5. Acredita no funcionalismo público

No Brasil, o funcionário público enfrenta problemas. Ou ele é mal pago, ou é bem pago e não desempenha satisfatoriamente sua atribuição. No entanto, defender apenas a iniciativa privada num país como o nosso menospreza as suas necessidades de atividades voltadas para o grande público. A esquerda acredita que funcionários voltados para o bem-estar do Estado são de grande utilidade. E isso não significa ser contra a iniciativa privada necessariamente.

10 fatos que indicam que você é de esquerda (ou progressista)

Seu petralha! Diz o sabichão do Reinaldo Azevedo sobre este texto.

6. Defende os direitos do trabalhador

Este item te transforma exatamente num "petralha" segundo a definição do blogueiro de direita Reinaldo Azevedo. Mas a ideia é justamente esta: Ir contra abusos dentro da iniciativa privada e pública que afetam os trabalhadores. Não é apenas defender a CLT ou o 13º salário, mas direitos essenciais contra os riscos dos diferentes empregos. É defender a formação de sindicatos no caso de redes globais como o Uber, que não treinam corretamente seus motoristas ou remuneram de acordo com sua atividade, apesar de ser uma alternativa digital ao táxi.

10 fatos que indicam que você é de esquerda (ou progressista)

7. Acredita no pensamento dialético

A maioria dos conservadores não explica bem esta ideia, mas ela é presente na maioria dos pensamentos de esquerda. Trata-se de acreditar numa tese, na sua antítese e na sua síntese. O pensamento conservador vai na contramão da dialética. Ele busca manter a tese depois de uma antítese, na ideia de conservá-la (daí vem o nome, e dos antirrevolucionários franceses). A dialética busca transformar as teses através de suas críticas. A esquerda surgiu como uma crítica à burguesia para aperfeiçoar a sociedade. É esta a ideia. A dialética é mais antiga do que a esquerda em si, mas faz parte do seu viés filosófico.

8. Acredita no embate entre classes

A Guerra Fria tentou sepultar este conceito de Karl Marx, mas o duelo entre classes ainda existe. Quem faz parte do Clube do Jockey não se mistura com favelado.  Quem é da favela cria uma sociedade à parte. Europeus não gostam de imigrantes do Oriente Médio. Brancos possuem preconceitos com negros. Muito além de propagar a ideia da sociedade fraturada, o esquerdista reconhecem suas fraturas expostas.

10 fatos que indicam que você é de esquerda (ou progressista)

9. Acredita nos direitos humanos e das minorias

Encarado como uma luta menor pela esquerda clássica, o feminismo, o movimento negro e das trans é cada vez mais uma face esquerdista mais moderna. Se você acredita num mundo de oportunidades iguais entre homens e mulheres, independente de cor de pele e gênero, este é um dos espaços que mais cresce na esquerda.

10 fatos que indicam que você é de esquerda (ou progressista)

10. Acredita no governo popular

A direita taxa a esquerda como estatista, autoritária e incapaz de se organizar. O pensamento esquerdista precisa acreditar, acima de tudo, no povo. É o poder popular que autoriza mudanças e é o poder popular que é democrático. 

Portanto, se você acredita na igualdade, ela obrigatoriamente passa pelos anseios da população e do movimento legítimo de massa.

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
pedrozambarda
Escreve desde os 8 anos. É editor do Geração Gamer e Drops de Jogos, além de ser repórter do Diário do Centro do Mundo.