POLÍTICA

Por que a propaganda do PT é tão ruim na TV?

Pedro Zambarda de Araújo
Yazar
Pedro Zambarda de Araújo

Considerações sobre a peça televisiva do Partido dos Trabalhadores em tempos de delação da JBS

Por que a propaganda do PT é tão ruim na TV?

No mês de maio, o Partido dos Trabalhadores divulgou uma propaganda na televisão aberta de um minuto. Do tempo total, 14 segundos são usados para mostrar retrocessos nas reformas governamentais do governo Michel Temer. Com manchetes da grande mídia, o PT mostra que o salário mínimo não tem aumento pela primeira vez desde 2003, além dos 49 anos de contribuição para receber a Previdência Social pública, o que obrigará muitos a trabalharem até os 70.

O restante  da peça publicitária é focada em Lula. Vamos analisar rapidamente o que ele diz no vídeo.

"Minhas amigas e meus amigos, nós fizemos um país em que cabia todo mundo. Eles deram um golpe pra fazer um país em que só eles cabem. Nesse governo ilegítimo, o estudante não cabe na faculdade. O trabalhador não cabe na folha de pagamento. E o aposentado não cabe nas contas da Previdência. Eles acham que o povo é o problema. Eu continuo afirmando que o povo é a solução. Você já percebeu a diferença e sabe que está em jogo o seu direito de escolher entre esses dois projetos. Eu tenho certeza de que nós podemos retomar o caminho do crescimento, do emprego e da esperança".

A mensagem de Lula encerra-se com uma mensagem "filie-se ao PT". Embora a propaganda não seja explicitamente presidencial para 2018, porque a lei eleitoral não permite publicidade antecipada, a peça trata-se de um aquecimento para o clima do ano que vem. Ela traz alguns acertos e muitos erros.

Em apenas um minuto, o PT esclarece que o foco das suas divulgações é realmente criticar as medidas impopulares de Michel Temer no maior retrocesso econômico da história do Brasil pós-ditadura, pertencente tanto a Temer quanto a própria ex-presidente Dilma. Neste aspecto, e nos primeiros 14 segundos, o partido acerta no assunto. Como em toda propaganda, o discurso de Lula retoma estes assuntos para fixá-los na cabeça do espectador. E é aí que moram os erros.

Lula não fala mal apenas do governo Temer, mas compara o seu próprio governo entre 2003 e 2010 com o do atual presidente, aborda brevemente o golpe na forma do impeachment de Dilma. E finaliza com "nós podemos retomar o caminho do crescimento, do emprego e da esperança". 

A mensagem é correta, mas as comparações não são muito consistentes se considerar seu governo de mais de 10 anos atrás. E falar o que ele fala numa TV aberta como a Globo atinge apenas um público mainstream pulverizado que muitas vezes não tem acesso aos meios de comunicação que explicam o golpe parlamentar ocorrido em 2016. Fora isso, o PT deixa claro que está partindo para um tudo ou nada com Luiz Inácio Lula da Silva.

Embora o ex-presidente esteja com grande popularidade em pesquisas eleitorais do Vox Populi e do Datafolha, o uso de sua imagem precisa ser mais ponderado na comunicação. Enquanto o PT consegue agilidade nas reações em redes sociais na internet, a televisão mostra um partido antigo e com muito pouca mensagem nova a oferecer.

A peça foi divulgada no dia 5 de maio, pouco antes do depoimento de Lula diante de Sérgio Moro. Após os grampos envolvendo Michel Temer e Aécio Neves, é melhor que o partido mude o foco da sua publicidade.

Se o partido quer manter sua relevância, ele precisa de uma "cara" também mais provocativa em propaganda televisiva. 

E nem só personalista em Lula.