POLÍTICA

Por que o PSDB demora para sair do governo Temer?

Pedro Zambarda de Araújo
Author
Pedro Zambarda de Araújo

Duas razões: Aécio Neves e as reformas, claro!

Por que o PSDB demora para sair do governo Temer?

Ministro de Relações Exteriores do governo Michel Temer, o tucano Aloysio Nunes declarou no dia 2 de junho que o PSDB não é "Madame Bovary" e que não vai deixar a atual gestão. Além da referência à obra francesa de literatura, o político coloca barreiras no discurso forte da juventude do partido que pede sua retirada do governo Temer.

Aloysio é homem forte de José Serra, tem operadores dentro da Sabesp (hoje sob comando de Alckmin) e é um dos entusiastas das reformas trabalhista e da Previdência, que retiram direitos dos trabalhadores. Ele também é hoje o maior anti-esquerda dentro do tucanato, com posicionamentos firmes contra a Venezuela, embora tenha sido motorista do guerrilheiro Carlos Maringhella na juventude em plena ditadura militar.

A pressão de Aloysio Nunes vem de um impasse dentro do PSDB: queimar ou não de vez Aécio Neves? Pego em grampos telefônicos da JBS, o ex-candidato tucano à presidência aparece pedindo pelo menos R$ 2 milhões para quitar dívidas de campanha, negociando emendas parlamentares com Gilmar Mendes e operando o recebimento de propinas. Aécio está num momento particularmente desesperador, porque sua operadora em Minas Gerais, a irmã Andrea Neves, foi presa. Dimas Toledo, seu operador no setor elétrico em Furnas, também é investigado. 

Por que o PSDB demora para sair do governo Temer?

O desembarque do PSDB de Temer causaria, inevitavelmente, a prisão de Aécio e a investigação de outros esquemas, sobretudo envolvendo Alckmin e Serra - embora o governador se mantenha neutro na mesma questão. Por outro lado, um quarto tucano fez um comentário esclarecedor recentemente.

Por que o PSDB demora para sair do governo Temer?

"Nosso inimigo é o PT", disse o prefeito João Doria Jr. no dia 5 de junho. Doria, embora não admita em público, é potencial candidato tucano à presidência em 2018 se o seu padrinho Geraldo Alckmin deixar. Para ele, as investigações envolvendo grampos da JBS enfraquecem PMDB e PSDB.

Enfraquecer seu partido ou aliados juntos à legenda de Michel Temer, na lógica dos tucanos, é defender os petistas.

Na ótica do cidadão comum, as declarações recentes validam uma tese dos ditados populares: aos amigos tudo, aos inimigos a lei.