POLÍTICA

Tio Rei caiu da revista Veja. Vida longa ao Rei!

Pedro Zambarda de Araújo
Author
Pedro Zambarda de Araújo

Sobre o caso do jornalista Reinaldo Azevedo no grampo vazado pela PGR e pela Polícia Federal.

Tio Rei caiu da revista Veja. Vida longa ao Rei!

Antes de tudo, vale dizer: Reinaldo Azevedo passa bem. É o novo contratado da Rádio BandNews do grupo Bandeirantes. Acumula este trabalho com sua coluna semanal no jornal Folha de S.Paulo e no programa "Pela Ordem" na RedeTV, que agora terá streaming pelo Facebook.

Reinaldão, no entanto, perdeu seu emprego na Jovem Pan, no programa "Pingos nos Is", e, mais importante, no site da revista Veja

A semana de um dos maiores colunistas da direita foi movimentada.

No dia 23 de maio, o site BuzzFeed Brasil divulgou que a Procuradoria-Geral da República anexou, conforme investigações da Polícia Federal, um grampo de uma conversa entre Reinaldo e a irmã de Aécio Neves, Andrea, que atualmente está presa. O diálogo ocorreu em 13 de abril, na semana que Veja deu uma capa desfavorável a Aécio.

Na ocasião, Reinaldo Azevedo chama a capa da Veja de "nojenta" e pede informações a Andrea Neves para criticar o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, que coordena as investigações da Lava Jato no Ministério Público no âmbito federal. No entanto, além de críticas e uma passagem em que declama poesias para Andrea, Reinaldo não comete nenhum crime e não é cúmplice de nenhum desvio de conduta da assessora de Aécio Neves.

O grampo, por isso mesmo, infringe o inciso XIV do artigo quinto da Constituição Federal, que garante o sigilo de fonte entre jornalista e fonte. É o caso da conversa entre Reinaldo e Andrea. O presente colunista possui fontes sigilosas que precisam permanecer secretas para sua própria segurança. Reinaldão deve ter o mesmo direito no seu trabalho.

No momento em que a PGR não destrói este tipo de gravação e um veículo como o BuzzFeed divulga, isso provoca danos na carreira de um jornalista. No caso de Reinaldo Azevedo foi imediato: ele pediu demissão na Veja por falta de "clima" dentro da revista e na Jovem Pan por questões contratuais.

A PGR, criticada no episódio, diz que a culpa é da Polícia Federal. O BuzzFeed não respondeu posteriormente pela divulgação do grampo.

O Portal Comunique-se, de maneira correta, afirmou que a imprensa toda se uniu à favor de Reinaldo Azevedo no episódio, tanto à esquerda quanto à direita. Intercept Brasil num texto de Glenn Greenwald e Erick Dau afirmou que a divulgação da gravação é um "grave ataque à liberdade de imprensa". Rodrigo Constantino, Rodrigo Vianna (Revista Fórum) e Leonardo Sakamoto prestaram solidariedade ao ex-colunista da Veja, mostrando que a união da classe dos jornalistas não tem ideologia, assim como os Jornalistas Livres de Laura Capriglione. O Diário do Centro do Mundo, através do diretor Kiko Nogueira, classificou o episódio como "Estado de exceção". Alguns poucos divergentes lembraram que Reinaldão foi condescendente no caso dos grampos ilegais envolvendo Dilma Rousseff e Lula em 2016, quando a ex-presidente quase o transformou em ministro.

Em editorial, a Veja lamentou o episódio com seu ex-colunista, chamando a Lava Jato e as investigações de Sérgio Moro, ele antes visto como uma "esperança", de "Estado policial".

Muita gente já criticou pesadamente Reinaldo Azevedo, incluindo este escriba. Muitos, inclusive, reclamavam dos holofotes que ele tinha dentro da revista Veja, a maior do país, para propagar mensagens de ódio antipetista e não informações. No entanto, há um consenso que o episódio de sua demissão foi uma grave violação do Estado Democrático de Direito. E soa apenas como um ataque a sua pessoa.

Por isso, encerro esta coluna com:

Tio Rei caiu da Veja. Vida longa ao Rei!