GAMES

Um ano de Pokémon GO: O que ele acertou e o que errou?

Pedro Zambarda de Araújo
Автор
Pedro Zambarda de Araújo

O jogo que colocou realidade aumentada no mapa também teve os seus vacilos. Entenda o que ele significou

Um ano de Pokémon GO: O que ele acertou e o que errou?

No dia 22 de julho, comemorando o aniversário de um ano de Pokémon GO, o presidente da Niantic e criador do jogo, John Hanke, foi vaiado num evento de US$ 20 em homenagem ao título. Na ocasião, sua empresa americana com parceria dos bichos da Nintendo havia liberado lendários e eles estariam no local. A rede de internet móvel do festival caiu e não voltou a funcionar. Por isso ocorreram as vaias.

Apesar dos inúmeros problemas do game com conexão 3G e bugs com localidades que possuem poucos monstrinhos, Pokémon GO alcançou alguns números significativos com seu um ano de vida. Ele foi baseado no jogo Ingress, que formava quests de disputas por localidades, assim como os grupos em ginásios de Pokémon.

Um ano de Pokémon GO: O que ele acertou e o que errou?

Saiba alguns fatos deste primeiro ano de Pokémon GO.

O que ele acertou?

  • Poucos meses depois do lançamento, Pokémon gerou pelo menos US$ 7 bilhões em especulação no mercado financeiro, justamente por reviver a tecnologia da realidade aumentada.
  • As ações da Nintendo, em 2016, com o lançamento de Pokémon GO, chegaram a disparar 93%. A alta acumulada chegou a 120%.
  • Em 2017, depois de liberar os 151 monstrinhos de Kanto (Pokémon Red/Blue/Yellow), os 100 Pokémon de Johto apareceram no jogo.
  • Já há lendários como Articuno e Lugia dentro do título.
  • O app continua gratuito, gerando verba principalmente na venda de itens.

No que Pokémon GO errou?

Um ano de Pokémon GO: O que ele acertou e o que errou?
  • A geolocalização do game virou um verdadeiro mapa de desigualdade social no mundo todo, deixando menos monstrinhos nas periferias de grandes cidades ou mesmo em municípios no interior.
  • O jogo demorou muito para ter um sistema de trocar de Pokémon eficiente.
  • O gameplay em si é repetitivo: você precisa aumentar o level, capturar mais monstros e ter os candies necessários para fazer as evoluções.
  • Todos os fatores combinados tornaram o jogo menos atraente com o tempo, perdendo 80% de seus jogadores em cinco meses.
Um ano de Pokémon GO: O que ele acertou e o que errou?

E você, ainda joga? Não deixe de comentar.