Bem-estar
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Bem-estar
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Bem-estar
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Leite de girafa pode ser o novo ‘superalimento’, mas há um pequeno problema…

PrincessButtercup
há 9 meses135 visualizações

Os seres humanos bebem leite de vaca há 7 mil anos, mas só agora, no último século, começou a se interessar e a entender os benefícios do leite de outros mamíferos. E o leite de girafa pode ser o melhor deles.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Leite de girafa pode ser o novo ‘superalimento’, mas há um pequeno problema…

A história é antiga, mas quase esquecida: Em 1962, um grupo de pesquisadores ordenhou uma girafa enquanto ela estava sob efeito de anestésicos. Descobriu-se que seu leite tinha uma porcentagem alta de gordura (12,5%, contra 3,5% do leite de vaca), além de vitaminas B2, B6 e níveis altíssimos das vitaminas A e B12.

Além disso, um estudo publicado pela renomada Universidade Tufts, dos EUA, acompanhou 3.333 pessoas durante mais de duas décadas e concluiu que quem consumia uma quantidade maior de gordura na dieta tinham 46% chance de sofrer com diabete. Portanto, uma quantidade maior de gordura na alimentação diária não é tão ruim quanto se pensa.

Leite de girafa pode ser o novo ‘superalimento’, mas há um pequeno problema…

Juntando tudo isso, a conclusão lógica é que o leite de girafa pode vir a se tornar o novo superalimento para seres humanos. O único obstáculo é um “pequeno” problema: ninguém consegue ordenhar girafas!

Vacas são animais dóceis, e o mesmo vale para ovelhas e cabras, mas girafas são animais selvagens. Até hoje, ninguém desenvolveu um método para mantê-las contidas o tempo necessário para ordenhá-las. E se ninguém consegue isso, quem vai abrir um negócio rentável vendendo leite de girafa, né?

Por que um estudo afirma que você precisa de pimenta pra viver mais

PrincessButtercup
há 9 meses109 visualizações

Red hot chilli peppers fazem você viver mais. Eu acreditaria sem pestanejar se estivessem me falando da banda de Anthony Kiedis e Flea, mas não é o caso. O jornal da Public Library of Science afirma que pimentas chili vermelhas podem ter relação com a longevidade.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Por que um estudo afirma que você precisa de pimenta pra viver mais

O estudo aponta que consumo de pimentas chili vermelhas pode aumentar sua vida em até 13%. N caso do Brasil, isso dignificaria uns 10 anos a mais de vida. O resultado foi alcançado depois de mais de 16 mil adultos serem entrevistados sobre seus hábitos alimentares e seu estado de saúde entre 1988 e 1994. Todos foram acompanhados durante 18 anos.

Os resultados foram os seguintes: pessoas que comiam pimentas chili vermelhas com frequência tiveram uma taxa de mortalidade de menos de 22%; e pessoas que não consumiam o mesmo tipo de pimenta tiveram taxa de mortalidade de 33%. 

Não é a primeira vez que a capsaicina - componente ativo da pimenta chili e de outras pimentas - tam suas propriedades benéficas exploradas por cientistas. Em dezembro de 2016, cientistas da Universidade Ruhr em Bochum, na Alemanha, trataram células cancerígenas humanas com capsaicina para tentar entender sobre seu poder de combater o câncer.

Em 2009, um estudo na Índia apontou a relação inversa entre a produção de pimenta e casos de câncer e, em 2015, uma pesquisa realizada na China constatou uma relação inversa entre o consumi de pimenta chili e a mortalidade em geral.

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
pilarmag
Escritora, psicóloga de parentes e amigos, experimentada na cozinha e na Comunicação, já pipocou na chapa quente de grandes jornais e empresas, mãe de cachorro, esposa prendada e tirana, mulher sensível e chorona, teóloga meia boca, fã de Neil Degrasse Tyson. Namastê! Prazer em te conhecer.