Bem-estar
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Bem-estar
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Bem-estar
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

O estúdio de ioga ficou no passado. Chegou a ioga de helicóptero

PrincessButtercup
há um ano30 visualizações

Se você parar para pensar, não é muito zen praticar ioga numa academia de ginástica como a maioria das pessoas. Normalmente, é uma salinha pequena - que o povo chama de “estúdio” pra soar mais bonito - com um mini-system dando a trilha sonora e pelo menos uma dúzia de pessoas, cada uma com seu tapetinho, separadas por não mais do que meio metro. Já é lucro se a tal da salinha conseguir abafar os sons da rua.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
O estúdio de ioga ficou no passado. Chegou a ioga de helicóptero

Nos sonhos, a gente pensa em ioga numa praia deserta ou no alto de uma montanha, sem gente por perto e ouvindo apenas os sons da natureza. Pois é, foi pensando nisso que um resort no Canadá resolveu deixar o “estúdio” no passado e criar o que chamaram de “heli-ioga”, levando seus hóspedes de helicóptero até locais perfeitos para a prática da ioga.

A inauguração do serviço foi nesta terça-feira, já que 21 de junho foi declarado pela ONU como Dia Internacional da Ioga. O serviço do Clayoquot Wilderness Resort leva os hóspedes sobre o pico da Ursus Mountain, a 2.340 metros de altitude, até uma das ilhas da Reserva Vlayoquot; ou ao coração de uma floresta na região. A única voz que se ouve é a do instrutor particular que acompanha o hóspede.

O estúdio de ioga ficou no passado. Chegou a ioga de helicóptero

De volta ao hotel de luxo - onde, aliás, só se chega de hidroavião ou barco, o turista descansa em uma das 20 tendas chiquérrimas e chega à conclusão que o estúdio de ioga ficou mesmo no passado.

Veganismo: a moda do milênio

PrincessButtercup
há um ano27 visualizações
Veganismo: a moda do milênio
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Vegetariano e vegano: sujeito que anda de sandálias, usa roupas confortáveis, de preferência baratas, costuma transparecer certa serenidade e alguns até podem exalar um aroma de incenso e cânhamo. Se você tem alguns aninhos pesando nas costas, sabe que esse era o estereótipo das pessoas que não consumiam carne ou nada do que vinha do reino animal. Na época, havia também o tipo de pessoa que flertava com a bela filosofia e que abria mão das carnes sem deixar, no entanto, de comer alguns peixes, frutos do mar, ovo e leite. Esses não se faziam notar na multidão. Tinham empregos normais, andavam como todo mundo, consumiam a cultura pop sem o menor problema.

Pois justamente essa galera que se mescla entre toda a gente, sem se mostrar da tribo dos naturebas, é que aparentemente conquistou o mundo. E já não apenas ficam naquela de flertar com a ideia de não comer produtos do reino animal: eles SÃO veganos! Ou seja, só comem plantinhas. Totalmente herbívoros.

Ao menos é o que mostra a matemática da Ipsos Mori, que pesquisou quase 10 mil pessoas com 15 anos ou mais de toda a Inglaterra, Escócia e País de Gales - a maior pesquisa já quantificar a comunidade vegana. Saiu na Vegan Society, em associação com a Vegan Life Magazine.

O veganismo está na moda! Pela estatística, acredita-se que umas 542 mil pessoas no Reino Unido sigam essa dieta filosófica. É quase 0,8% da população. E um aumento de mais de 350% desde a última estimativa de 150 mil há dez anos, tornando o veganismo em um dos movimentos de estilo de vida de mais rápido crescimento da Grã-Bretanha. Especialmente entre a galera da Geração Y (Millennials).

Sim! O movimento está sendo conduzido por jovens! Eles têm feito escolhas mais baseadas na ética, conforme o perfil dessa geração índigo e cristal que chegou para mudar o mundo. Estão entre 15 anos e 34 anos e representam 42% dos veganos do Reino Unido. Apenas 14% dos idoso, acima dos 65 anos, possuem esse estilo de vida livre de produtos animais.

O estudo também constatou que 3,25% da população, o que dá cerca de 1,68 milhões de pessoas, são ou vegetarianos ou veganos.

Mas calma que é no primeiro mundo. No Brasil, essa conta ainda é melhor! Aqui somamos veganos e vegetarianos. As duas tribos representam mais de 9% da população, o que dá uns 17,5 milhões de pessoas. O dado é de uma pesquisa do Ibope, realizada em 2012. Na boa? Acho que já beiram a casa dos 20 milhões, neste ano (chupa Reino Unido!).

Diferentemente dos caras lá da Europa, o pessoal que mais adotou o estilo de vida vegano aqui é a Terceira Idade, por terem um poder aquisitivo maior e mais acesso a produtos de qualidade voltados para esse público. Um macarrão feito de mandioca ou milho sai mais caro do que o tradicional de trigo e ovo. Arroz integral, açúcar mascavo e grãos como grão de bico, linhaça e chia custam os olhos da cara e nem todos podem pagar por isso mensalmente. Carne e ovos, então, são proteínas que faltam ao buxo carente de sustância no dia a dia.

Aliás, uma das coisas que mais me chamaram a atenção quando morei em Nova York foi a oferta incrível de orgânicos. Redes inteiras como o Whole Foods traziam até a nossa mesa uma variedade incrível de cereais matutinos, pães, verduras, legumes, frutas, sucos... Inacreditável a quantidade de opções que se tem, por bons preços, para viver melhor.

Idealismo Millennial

O que estaria fazendo todas esses Millennials britânicos se voltando para o veganismo? Poderia ter algo a ver com os resultados publicados pela Organização Mundial da Saúde no ano passado, que ligava carnes processadas como bacon e presunto ao câncer. Sem surpresa, alguns meses mais tarde, foi revelado que cerca de um terço dos britânicos tinha cortado o consumo de carne por causa da notícia!

Há quem esteja associando o aumento de jovens veganos ao crescente número de celebridades que aderiram a essa dieta e filosofia. Olhando para alguns dos nomes prolíficos do movimento vegano (Ellie Goulding, Novak Djokovic, e David Hayes, para citar alguns), há um verdadeiro distanciamento da imagem negativa que havia no passado de um vegano para a de hoje. Adotar uma postura contra a matança e exploração animal é ser pop! E até um pouco hipster.

A mídia social é um grande impulsionador do veganismo. As hashtags sobre a dieta e filosofia são super populares no Instagram, Snapchat e Thumblr. Além disso, o acesso a esses tipos de alimentos, em mercados e restaurantes, estão muito melhores do que nos anos anteriores.

----------

Por Pilar Magnavita

#vegetarianismo #veganismo #dietanatural #alimentacaosaudavel #bemestar

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
pilarmag
Escritora, psicóloga de parentes e amigos, experimentada na cozinha e na Comunicação, já pipocou na chapa quente de grandes jornais e empresas, mãe de cachorro, esposa prendada e tirana, mulher sensível e chorona, teóloga meia boca, fã de Neil Degrasse Tyson. Namastê! Prazer em te conhecer.