Bem-estar
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Bem-estar
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Bem-estar
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Segundo a ciência, pessoas felizes têm essas 7 coisas em comum

PrincessButtercup
há 3 meses1.1k visualizações

Felicidade não se compra, já diz o ditado. E também não existe fórmula para a gente chegar lá. Meu conceito de felicidade é diferente do seu, que não tem nada ver com o da sua vizinha e assim por diante. Como ser feliz, então? Segundo a ciência, apenas 40% de nossa felicidade está sob nosso controle, o que é assustador. O resto tem a ver com genética e fatores externos. O lado bom é que a ciência pelo mostra que os elementos abaixo são garantia de pelo menos nos aproximar da felicidade.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Segundo a ciência, pessoas felizes têm essas 7 coisas em comum

1. Relacionamentos

Sim, eles são essenciais. Um grande estudo acompanhou centenas de homens durante 70 anos e apontou que os mais felizes eram aqueles que tinham fortes relações com pessoas em quem eles confiavam.

2. Tempo

Várias pesquisas já mostraram que pessoas preferem ter tempo em vez de dinheiro. Ao que parece, a simples tentativa de levar a vida assim já deixa as pessoas mais felizes.

3. Dinheiro

Segundo a ciência, pessoas felizes têm essas 7 coisas em comum

Por isso, o parágrafo acima usa o verbo preferir. Ninguém despreza dinheiro. Afinal, é preciso pagar as contas. E os estudos mostram que o nível de felicidade aumenta à medida em que aumenta a faixa salarial das pessoas.

4. Bondade

Atos de bondade deixam qualquer um mais alegre. Inclusive o autor do gesto. Dê uma carona ou pague uma bebida a alguém de vez em quando.

5. Exercícios

Segundo a ciência, pessoas felizes têm essas 7 coisas em comum

Malhar é mais do que queimar calorias. Segundo estudos, cargas maiores de exercícios estão relacionadas a níveis de felicidade mais altos. E não faz nada mal entrar em forma, né?

6. Diversão

Experiências valem mais do que bens. Pessoas preferem se divertir a comprar bens materiais. Além disso, comprar coisas que vão lhe permitir ter experiências (como um tênis para corridas ou um livro para ler) conta a favor da sua felicidade.

7. Meditação

Estar em contato com o presente e consigo mesmo nunca faz mal. Vários estudos já mostraram que pessoas que praticam meditação consciente são mais felizes. 

Cheirar a comida já pode fazer você engordar, e é a ciência que diz isso

PrincessButtercup
há 3 meses917 visualizações

Um novo estudo traz resultados preocupantes até para pessoas que não comem tanto assim. O simples ato de cheirar a comida entes de ingeri-lavem sendo ligado ao ganho de peso. Sim, não basta você comer pouco. Agora, aparentemente, não se pode mais nem cheirar antes de uma refeição.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Cheirar a comida já pode fazer você engordar, e é a ciência que diz isso

O estudo foi feito em Berkeley, na Universidade da Califórnia, e os pesquisadores usaram terapia de genes para eliminar o olfato de ratos metade de um grupo de obesos. Eles descobriram que ratos que não sentiam cheiro perderam peso. Os outros, não. E não é só isso: todos os ratos ingeriram a mesma quantidade de comida rica em calorias do que os ratos com olfato. A grande diferença - grande mesmo! - é que os ratos que sentiam cheiro dobraram de peso!

A conclusão do time de pesquisadores é que cheirar a refeição antes de comê-la pode fazer o corpo armazenar mais gordura em vez de queimá-la. Célina Riera, do Centro Médico Cedars-Sinai, em Los Angeles, ressalta que é um dos primeiros estudos que mostram que a manipulação do olfato altera como o cérebro regula o equilíbrio de energia.

Andrew Dillin, professor e biologia celular, e Howard Hughes, pesquisador do Instituto Médico da Universidade, acreditam agora que o ganho de peso não é consequência apenas do número de calorias ingeridas, mas que tem relação com a maneira com que nosso corpo entende essas calorias. Segundo eles, se esse estudo for validado também em humanos, talvez seja possível criar um remédio que não afete o olfato, mas que tenha efeito sobre o metabolismo. 

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
pilarmag
Escritora, psicóloga de parentes e amigos, experimentada na cozinha e na Comunicação, já pipocou na chapa quente de grandes jornais e empresas, mãe de cachorro, esposa prendada e tirana, mulher sensível e chorona, teóloga meia boca, fã de Neil Degrasse Tyson. Namastê! Prazer em te conhecer.