Gente
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Gente
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Gente
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Como passageiro salvou um motorista de Uber de taxistas mal encarados

PrincessButtercup
há um ano287 visualizações

Aconteceu com um conhecido de um conhecido.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

A pessoa apanhou o Uber. O motorista era cabra bem trabalhado no ferro, tipo que se garante bem em confrontos físicos, do número de Alexandre Frota. Aparentemente, mais lúcido e bem resolvido do que o astro da Brasileirinhas. O passageiro era homem da literatura, experimentado em redações de impressos, tão ácido quanto os mais cínicos editores de jornais e tão excêntrico quanto certo analista de Bagé.

Como passageiro salvou um motorista de Uber de taxistas mal encarados

Motorista e passageiro iam para o aeroporto Santos Dumont. E quem vive nas grandes metrópoles sabe: aeroportos são um dos maiores conglomerados sindicais de taxistas. É nesses locais que a classe se reúne para mostrar à população e aos visitantes quem de fato manda nas ruas da cidade. E organizar assembleias para estabelecer o preço clandestinamente tabelado e manter autonomias e lideranças. 

Como passageiro salvou um motorista de Uber de taxistas mal encarados

O amigo leitor pode imaginar que exagero. Pode ser. Sou muito extremista nas minhas opiniões que só me representam.

Para quem não tem tanta ideia do que é o Uber para boa parcela desses idôneos motoristas que se organizam na boca do aeroporto....

Como passageiro salvou um motorista de Uber de taxistas mal encarados

Pois bem... voltando à história, eis que o motorista mal havia embicado na rua que levava ao Santos Dumont quando percebeu diferente movimentação dos amarelinhos da cidade. Tenso, se virou para o passageiro e explicou não poder seguir até o portão de embarque:

"Iiiii meu irmão, olha lá. Tem manifestação dos taxistas contra o Uber. Vou ter que deixar você bem antes."

Já atrasado para a ponte aérea, o passageiro pulou o banco da frente e, de passageiro, se fez passar por amigo. Quer dizer... mais do que amigo do "Frota" ao lado:

"Toca em frente. Confia em mim", assegurou.

Pararam o carro na porta do aeroporto, entre muitos taxistas #chateados com o Uber, em piquete contra o aplicativo. Segundo o passageiro, bufavam e mal encaravam o carro preto brilhante (imagino que tenha sido o Uber Black).

Eis que o passageiro arguto salta com cara de choro, enquanto o "Frota" retira a mala de trás do carro.

"Jorginho, me abraça! Vou morrer de saudade", choraminga o passageiro.

O motorista o abraçou. O passageiro grudou a cabeça no peito dele e suspirou:

"Tiamo, gato."

Motorista do Uber entrou no carro, encerrou a corrida e foi embora. Passageiro do Uber pegou a mala e entrou no aeroporto já pensando no portão do embarque. Taxistas, imagino que entre risinhos, continuaram a propagar a intolerância na Cidade Maravilhosa. Ao menos, a intolerância inerente às oligarquias: a do oligopólio.

O passageiro dessa história, conhecido de um conhecido meu, é Tom Cardoso. Jornalista e biógrafo, ele resume no Facebook: "Só o amor salva".

Como passageiro salvou um motorista de Uber de taxistas mal encarados

----------

Por Pilar Magnavita

#uber #taxistas #uberVStaxistas #intolerância #riodejaneiro

Nós, que não sonhamos

PrincessButtercup
há um ano222 visualizações

O que podemos aprender com Leicester City

Nós, que não sonhamos
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Talvez você tenha ouvido alguns nomes novos no campeonato inglês, de um tal Leicester City (pronuncia-se "léster"). Nomes de jogadores que foram considerados demasiado pequenos ou demasiado lentos para outros grandes clubes. N'Golo Kanté, Jamie Vardy, Wes Morgan, Danny Drinkwater, Riyad Mahrez. Pessoas que não sonharam chegar aonde chegaram, ao levar o time a um empate com o grande Manchester United (campeão da Premier League 13 vezes) no 1º de maio. Mais ainda: não sonharam em levar o caneco do campeonato inglês, graças ao 2 a 2 entre Tottenham e Chelsea, no dia posterior.

Um time pequeno, que contratou o experiente Claudio Ranieri com o único objetivo de manter o Leicester na Premier League. Não só manteve, como fez história dos Foxes (como são conhecidos) com o primeiro título deles na Liga, desde a primeira partida do campeonato inglês em 1992. 

A garra dos caras em campo levou a torcida adversária a ovacionar o Leicester na saída do time. Não ficaria surpresa se fizessem um filme sobre eles.

E o que podemos aprender com os Foxes?

#1 Seja determinado

O Leicester City ficou conhecido nesta semana pela persistência obstinada, perseguindo a vitória com unhas e dentes, mesmo que as chances pesassem terrivelmente contra eles. Se você realmente acredita que você está fazendo a coisa certa, persista e melhore no que puder melhorar. Domine o campo, seja na mesa de trabalho ou o estúdio onde você produz, esteja lá sempre conquistando teu prêmio.

#2 Aprenda a trabalhar com o que tem

Em vez de tentar jogar da mesma forma que os grandes times, os Foxes levaram a Premier League com as estratégias que se adequam com a própria equipe. A mesma receita de sucesso aplica-se para o resto de nós . Seja o que for que você já faz bem, é provável que seja sua maior vantagem. Portanto não mude. Apenas melhore!

#3 Um dia de cada vez

Parte do sucesso dos Foxes veio por tratar cada jogo como cada vitória a ser perseguida. Um passo de cada vez. Eles não se deixaram levar pelos revezes de cada partida. Nem se ficaram displicentes com a perspectiva de sucesso. Batalhas são ganhas com pequenas conquistas. Paciência e resiliência.

#4 Encontre seus apoiadores

As pessoas sábias se cercam por aqueles que querem o melhor para elas. Estão com aqueles que as apoiam, seja nas palavras ou em gestos. Isso é importante: estar ao lado dessa galera, que te levanta e te leva para frente. E até clientes chatos, muitas vezes, fazem esse papel sem quem você se dê conta.

#5 Trabalhe com as pessoas certas

É preciso saber escalar o time, escolher as pessoas certas para realizar bem as coisas e se dar bem com a equipe, é claro! Nem sempre a pessoa mais qualificada é um bom profissional: as atitudes contam. O grupo precisa funcionar como um todo! E nem sempre o talento ou o currículo de alguém fará isso acontecer. É aquela história: a união faz a força.

----------

Por Pilar Magnavita

#carreira #profissão #leicestercity #premierleague #dicasdecarreira

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
pilarmag
Escritora, psicóloga de parentes e amigos, experimentada na cozinha e na Comunicação, já pipocou na chapa quente de grandes jornais e empresas, mãe de cachorro, esposa prendada e tirana, mulher sensível e chorona, teóloga meia boca, fã de Neil Degrasse Tyson. Namastê! Prazer em te conhecer.