Luz e sombra
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Luz e sombra
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Luz e sombra
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

10 exemplos da fantástica (e esquisita) arquitetura japonesa

PrincessButtercup
há um ano10 visualizações

O Japão é um país fascinante. O alfabeto, a comida, os vasos sanitários… É uma cultura tão diferente da nossa e tão apaixonante! E o mesmo se aplica à arquitetura, que varia desde os tradicionais pagodes até estruturas ultramodernas e, por que não, esquisitas. Olha só os exemplos abaixo:

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

1. Casinha em Tóquio 

10 exemplos da fantástica (e esquisita) arquitetura japonesa

O projetista aqui tentou aproveitar todo espaço possível, inclusive deixando uma vaguinha para a versão moderna do Fusca. Não é a garagem mais protegida do planeta, mas foi o que deu para fazer.

2. Casa-Tobogã 

10 exemplos da fantástica (e esquisita) arquitetura japonesa

É sério. Do lado de fora, parece só um prédio esquisito. Por dentro, os projetistas incluíram um tobogã para quem quiser descer do andar de cima para a sala. É o sonho da molecada!

3. Apartamentos em Tóquio 

10 exemplos da fantástica (e esquisita) arquitetura japonesa

Olha, não sei bem explicar como isso aconteceu, mas esse “prédio” de apartamentos ficou assim. Se era a melhor maneira de aproveitar espaço, não ficou claro. Mas certamente chama a atenção de quem passa por ali.

4. Sugamo Shinkin Bank 

10 exemplos da fantástica (e esquisita) arquitetura japonesa

Em defesa dos japoneses, esse banco foi projetado pela arquiteta francesa Emmanuelle Moureaux. A ideia foi fazer uma espécie de arco-íris para dar as boas vindas aos clientes. São 12 cores em camadas do lado de fora do prédio. Todas ganham iluminação especial à noite.

5. Piscinão japonês 

10 exemplos da fantástica (e esquisita) arquitetura japonesa

Esse colégio tem uma área desprotegida da chuva que foi feita assim mesmo, de propósito. A água cai e forma uma espécie de poça onde a molecada pode brincar. No Rio de Janeiro, a galera chamaria isso de piscinão.

6. Ebisu East Gallery 

10 exemplos da fantástica (e esquisita) arquitetura japonesa

É como se um edifício velho tivesse sido destruído parcialmente e, por baixo da estrutura antiga tivesse nascido um prédio moderno.

7. Torre de Cápsulas 

10 exemplos da fantástica (e esquisita) arquitetura japonesa

Esse conjunto de microapartamentos mais parece um monte de máquina de lavar empilhada, mas só parece. Na verdade, são cápsulas, ou melhor, apartamentos minúsculos para quem não precisa de (ou não pode pagar) muito espaço.

8. Edifício Acros 

10 exemplos da fantástica (e esquisita) arquitetura japonesa

Jardinagem parece ser um negócio muito sério no Japão. O edifício Acros ficou famoso por isso.

9. Namba Parks 

10 exemplos da fantástica (e esquisita) arquitetura japonesa

E que tal esse shopping center em Osaka?

10. Casa ou jardim? 

10 exemplos da fantástica (e esquisita) arquitetura japonesa

Ainda no tema ecológico, não dá pra dizer se essa casa tem mais espaço para as plantas ou para os moradores.

7 heróis e vilões da Rio 2016 que viraram argila

7 heróis e vilões da Rio 2016 que viraram argila
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Mais de 10 mil atletas e dirigentes passaram pelo Rio de Janeiro durante os Jogos Olímpicos. Alguns estabeleceram marcas impressionantes. Outros, nem tanto. Houve atuações espetaculares, mas também houve quem foi à cidade, mas não pôde competir. O escultor londrino Wilfrid Wood registrou, em argila, alguns dos heróis e vilões dos Jogos Rio 2016.

1. Usain Bolt 

7 heróis e vilões da Rio 2016 que viraram argila

O velocista jamaicano é, desde Pequim 2008, o homem mais rápido do planeta. No Rio, essa tradição foi mantida. Bolt não quebrou recordes, mas se tornou o primeiro a vencer nos 100m, 200m e 4x100m em três Olimpíadas consecutivas. Com 30 anos de idade, acumula nove medalhas de ouro.

2. Thomaz Bach 

7 heróis e vilões da Rio 2016 que viraram argila

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI) esteve no Rio de Janeiro, viu de perto os problemas da cidade e disse que seu órgão não se arrependeu de levar os Jogos Olímpicos até a cidade. Bach só não foi tão ativo na polêmica questão que envolveu o doping sistemático na Rússia. O COI fugiu da raia e determinou que cada federação internacional decidiria se atletas russos poderiam competir na Rio 2016.

3. Mo Farah 

7 heróis e vilões da Rio 2016 que viraram argila

O fundista britânico completou o chamado “double double” no Rio de Janeiro, ou seja, venceu os 5.000m e 10.000m em duas edições seguidas dos Jogos Olímpicos. E fez isso com direito a drama nos 5.000m. Tropeçou durante a disputa, mas se recuperou e levou o ouro.

4. Michael Phelps 

7 heróis e vilões da Rio 2016 que viraram argila

Visto por muitos como o maior atleta olímpico da história, o nadador americano somou seis medalhas no Rio: cinco ouros e uma prata. No total, tem 28 medalhas olímpicas na carreira. E encerrou a carreira rumo a uma merecidíssima aposentadoria.

5. Yelena Isinbayeva 

7 heróis e vilões da Rio 2016 que viraram argila

A recordista mundial do salto com vara não pôde competir no Rio de Janeiro porque o atletismo russo foi banido dos Jogos Olímpicos. Mesmo assim, a saltadora viajou até o Brasil, torceu por compatriotas e, de quebra, foi eleita para o Conselho de Atletas do COI - um tapa na cara do órgão internacional.

6. Kohei Uchimura 

7 heróis e vilões da Rio 2016 que viraram argila

O ginasta japonês conquistou dois ouros. Um por equipes e outro no geral individual. Só que além das sete medalhas olímpicas, Uchimura voltou para cara com uma conta telefônica de cerca de R$ 15 mil porque ficou jogando Pokemon Go! no Brasil.

7. Dooa Elghobashy 

7 heróis e vilões da Rio 2016 que viraram argila

A egípcia e sua parceira Nada Meawad representaram o país no vôlei de praia feminino. A dupla, primeira do Egito na história da modalidade nos Jogos Olímpicos, competiu de mangas compridas e hijab - um contraste enorme aos uniformes minúsculos de suas adversárias.  

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
pilarmag
Escritora, psicóloga de parentes e amigos, experimentada na cozinha e na Comunicação, já pipocou na chapa quente de grandes jornais e empresas, mãe de cachorro, esposa prendada e tirana, mulher sensível e chorona, teóloga meia boca, fã de Neil Degrasse Tyson. Namastê! Prazer em te conhecer.