Pelo mundo
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Pelo mundo
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Pelo mundo
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

As 7 cidades mais caras para se viver e viajar

PrincessButtercup
há um ano16 visualizações

Vai aproveitar as férias no exterior? Ai, #invejinhabranca ! Faz muito bem. Vá! Agora é um bom momento para pensar nisso mesmo. Os preços de passagem estão em conta, o dólar não anda tão mais arisco quanto antes e as atrações turísticas não andam tão apinhadas de gente, o que cai bastante as diárias de hotéis. 

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

No entanto, muita atenção: se quiser segurar os gastos e não comprometer aquele tão sonhado décimo terceiro, então fuja dessas oito cidades para turistar! São também as cidades mais caras para se viver do mundo, de acordo com levantamento da revista Economist:

#1 Cingapura (ou Singapura)

As 7 cidades mais caras para se viver e viajar

A capital que é também um Estado e uma ilha. Ou seja: não tem como crescer mais para os lados e o custo de vida, por isso mesmo, subiu absurdamente na última década. É uma das cidades mais desenvolvidas do mundo, mas a um custo altíssimo. Tudo é importado e, por não haver mais espaço geográfico para expansão, o metro quadrado é caríssimo, inviabilizando a hospedagem da galera assalariada (gente como a gente) em quase metade dos hotéis.

#2 Zurique (Suíça)

As 7 cidades mais caras para se viver e viajar

Terra da FIFA, do Credit Suisse e de quase todo o dinheiro de meio mundo de gente podre de rica. Zurique, na parte alemã da Suíça, é a expressão da perfeição, conservada por um abominável custo de vida. A cidade é tão cara que para conhecer os alpes, por exemplo, o brasileiro amigo irá gastar brincando mais de mil doletas. Por um dia de passeio, por pessoa! Uma mochilada de oito dias com aéreo nesta que é uma das cidades mais encantadoras (e encantadas!) do mundo não sai por menos do que R$ 5 mil piletas.

#3 Hong Kong (Hong Kong)

As 7 cidades mais caras para se viver e viajar

Outra que é cidade-Estado e ao mesmo tempo chinesa mesmo não pertencendo a China. Bagunças geopolíticas que as guerras do século XX explicam. Enquanto o continente manteve-se atrasado por décadas, recuperando apenas nos últimos 20 anos a economia, Hong Kong cresceu forte, vigorosa e chafurdada no capitalismo americano, que fez questão de manter ali um protetorado ideológico. Assim se fez Hong Kong hoje: um lugar legal pra caramba de conhecer, mas com os preços de passagens de avião proibitivos de se visitar (raro sair por menos de R$ 4 mil). Comer, se hospedar e passear saem pesadinhos, mas nada para se desesperar: R$ 150 pilas por dia. Para uma pessoa, claro.

#4 Genebra (Suíça)

As 7 cidades mais caras para se viver e viajar

Olha aí a Suíça de novo! Lugarzinho sem vergonha de caro, mas também, vale cada tostão. Genebra é linda! Um primor de cidade e terra de muita comilança maravilhosa. Há muito que ver e fazer na capital, por isso, prepare-se para abrir a carteira e sacar nada mais nada menos do que R$ 250 pilas por dia. Se estiver de dieta, pode pular o almoço e economizar um pouquinho...

#5 Paris (França)

As 7 cidades mais caras para se viver e viajar

A Cidade das Luzes é só trevas para o bolso do amigo brasileiro assalariado, gente como a gente. Gasta-se pouco na passagem aérea, mas a vida lá é sofrida. Como não gastar 10 euros num prato de queijos maravilhosos no meio da tarde, com uma taça de vinho de quatro euros? Como ignorar os crepes e os sorvetes da Bertillone? Fora os gastos com transporte que são de doer o peito. Hospedagem também não foge à regra. Prepare-se para torrar com as compras e gastar tranquilamente R$ 220 por dia.

#6 Londres (Inglaterra)

As 7 cidades mais caras para se viver e viajar

Oh! Diaba de cidade que Deus me livre... A cosmopolita, maravilhosa e centro das galáxias, Londres, é cara para turistar e viver. É por isso que as pessoas pouco saem de casa para comer na rua e quase ninguém possui algum meio de transporte que não seja ao menos uma bicicleta. Nem o poder executivo e legislativo utiliza o dinheiro público para manter um carro. Nem precisam: o metrô corta quase que o sul da Inglaterra inteiro. Para o turista, essa brincadeira sai cara porque a passagem não é nada barata. Um tíquete avulso é coisa de R$ 10. Comer é outro transtorno. Os baratinhos são orientais ou fast-food. Se quiser comer um bife vai gastar uns R$ 120 numa refeição básica para uma pessoa. No entanto, muitas atrações custam muito baratinho e muita coisa se faz a pé. Há opções de hospedagem em bons albergues também. Uma mochilada sai a uns R$ 170 por dia.

#7 Nova York (EUA)

As 7 cidades mais caras para se viver e viajar

Se Londres é a capital das galáxias, Nova York é a do Universo por englobar o mundo todo de Londres mais os latino-americanos. É um dos raros lugares que conheci no mundo que parece manter o caos sob controle. Porque a cidade é um CAOS de verdade! Muito cara, custa muito se hospedar em Manhattan e passear nas inúmeras atrações da big apple, mas são tantas opções de comida e lazer que é possível gastar pouco também. Dormir por lá é que é a grande questão monetária. Uma mochilada sai por uns R$ 280 por dia (só por causa da hospedagem). Se encontrar quem divida contigo, aí Nova York fica ainda mais bonita!

#viagem #destinos #cidadesmaiscaras #pelomundo #turismo #geografia

5 curiosidades de viagem da família real

PrincessButtercup
há um ano14 visualizações
5 curiosidades de viagem da família real
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

A gente sabe como você e eu viajamos. Ainda mais se a viagem é longa. Faz mala, prepara uma playlist diferente, compra um livro novo, confirma as reservas, faz check-in antecipado, etc. e tal. Agora imagina isso e eleva à enésima potência. É assim que rola para a família real britânica, que sempre tem milhares de obrigações diplomáticas quando visita outro país. Quer ter uma ideia de como a coisa funciona? Então confere:

1. 100% Férias? Nunca. 

Normalmente, quem quer que seja da família real precisa encontrar um chefe de estado. Então é assim: seja a rainha Elizabeth II, sejam William e Kate, sobra pouco ou nenhum tempo pra fazer turismo. E, quando rola uma visita a algum lugar famosos, ele quase nunca podem passar mais de meia hora lá.  

2. O palácio inteiro vai junto

No caso específico de William e Kate, não tem esse negócio de viagem romântica a dois. Nunca. A “entourage” real normalmente inclui a cabeleireira pessoal de Kate, a babá real, o chefe de comunicação de William, o assessor de imprensa, o secretário particular e o oficial sênior de comunicações. Dá pra perceber que comunicação é prioridade, né? 

3. Segurança é outra prioridade

A trupe de ajudantes reais também inclui seguranças pessoais e um médico da Marinha Real. 

5 curiosidades de viagem da família real

4. Manguaça real também viaja

O príncipe Charles e sua esposa levam sua própria bebida. Faz parte da segurança. Assim ninguém corre risco de beber um drink alterado por aí. A segurança carrega sempre vinho tinto para ela e gim e tônica para ele. 

5 curiosidades de viagem da família real

5. Imigração como os plebeus

Tudo bem, realeza não pega aquela fila gigante junto com a galera que tenta esconder a muamba, mas passar pela alfândega é obrigatório. Todo mundo precisa mostrar passaporte e tudo mais. 

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
pilarmag
Escritora, psicóloga de parentes e amigos, experimentada na cozinha e na Comunicação, já pipocou na chapa quente de grandes jornais e empresas, mãe de cachorro, esposa prendada e tirana, mulher sensível e chorona, teóloga meia boca, fã de Neil Degrasse Tyson. Namastê! Prazer em te conhecer.