Pelo mundo
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Pelo mundo
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Pelo mundo
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Os 10 melhores e luxuosos hotéis em Manhattan

PrincessButtercup
há um ano24 visualizações

Você já deve estar de saco cheio da crise, mandando tudo pelos ares e raspando o tacho das economias para torrar em Manhattan nestas férias, não?! Eu faria o mesmo. Se eu tivesse férias. E se tivesse um fundo de tacho para raspar. Mas tem gente que nasceu tão bem viradinha para a Lua que essa tal de crise afetou a marca do caviar, que deixou de russo para ser de Santa Catarina, no Sul. Para essas pessoas, todo o luxo nunca é demais.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

E se a cidade for Nova York, luxo e bom gosto são dois irmãos siameses: não pode haver um sem o outro. Tanto é assim que o antigo e ultrapassado Waldorf Astoria vai deixar de existir. Os carpetes cor vinho, as salas e corredores escuros... tudo já estava bem over.

De ícones de cinco estrelas para boutiques elegantes a spas, veja aqui os 10 melhores hotéis da Gib Apple, só em bairros bons! Alto east Side, Lower Manhattan, Tribeca, Broadway e do West Village .

#1 Four Seasons Hotel New York

Os 10 melhores e luxuosos hotéis em Manhattan

Este cinco estrelas está no lado elegante de Midtown, longe da agitação da Times Square e perto do Central Park. Apesar do lobby imperioso, com os tetos altíssimos, pisos de mármore e pilares gigantes, o hotel ainda consegue ser íntimo e discreto. Os quartos têm vistas deslumbrantes, olhando o mais incrível parque verde (depois do Ibirapuera e da Floresta da Tijuca, no Rio), em toda a extensão do Hudson. Há dois sublimes restaurantes: Ty Lounge, com pratos de inspiração asiática, e o restaurante Garden, que serve cozinha americana sob altas árvores de acácia. $$$ R$ 1500/diária.

#2 Crosby Street Hotel

Os 10 melhores e luxuosos hotéis em Manhattan

A fachada de vidro e luz azul elétrica na entrada do hotel Soho promete um hotel boutique chamativo, mas por dentro é tudo elegância discreta , com tons sutis de cinza e malva, e inúmeras peças de arte que dominam a atmosfera gentil. Uma mocinha extremamente simpática vai cumprimentar você pelo nome na segunda vez que o vir, acredite. As comodidades incluem um ginásio e um cinema com 99 lugares (sim, exatamente 99, não me pergunte o porquê). Os quartos em tons discretos têm janelas do chão ao teto, mas se isso não for suficiente (e você tiver cacife), dá para obter a Suíte Meadow com terraço e jardim privado. $$$ R$ 2 mil/diária.

#3 The Refinery

Os 10 melhores e luxuosos hotéis em Manhattan

Grande parte do encanto desse arranha-céu gótico original foi preservado, com pé direito incrível e quartos com chão legítimo de madeira, embora a decoração não seja exagerada. A música ao vivo no Bar da Winnie Jazz no átrio recebe os hóspedes na maioria das noites, enquanto o Rooftop Refinery tem palco para DJs e muita gente bonita. O espaço é sensacional: tem lareira e excelentes vistas da cidade. Vá para um quarto com vista para o Empire State Building, se o orçamento permitir. $$ R$ 750/diária.

#4 The Carlyle Hotel

Os 10 melhores e luxuosos hotéis em Manhattan

Este hotel de luxo oferece a melhor localização no Upper East Side, perfeitamente situado na Madison com a Rua 76. É também conhecido como o canto da riqueza e sofisticação. Ele está instalado em um edifício no estilo Beaux Arts, dos anos 30, em uma fusão maravilhosa de elegância do velho mundo e estilo contemporâneo. Os quartos estão equipados com todas as comodidades modernas e alguns têm vista para o Central Park. Você pode jantar uma alta cozinha francesa e pratos clássicos de frutos do mar, carro-chefe do elegante restaurante do hotel. Bemelmans Bar, ao lado do lobby, continua a ser um dos melhores bares de coquetéis do mundo. E tem, é claro, o Café Carlyle! Para super seletos shows de jazz ao vivo. Woody Allen, por exemplo, está lá todas as segundas, tocando no clarinete. $$$ R$ 1.155 / diária.

#5 The Greenwich Hotel

Os 10 melhores e luxuosos hotéis em Manhattan

Este hotel em Tribeca, de propriedade de nada mais e nada menos que Robert de Niro, é um pouco de enigmático. O estilo é meio marroquino, com elementos da Europa e do Oriente mesclados. De alguma forma tudo funciona perfeitamente. Existem inúmeras áreas comuns só de convidados, incluindo uma sala de estar alcatifados e um pátio com jardim isolado que remetem a Marrakech. Nenhum dos quartos são parecidos, mas você pode encontrar tapetes de seda tibetanos ou banheiros de azulejos marroquinos feitos a mão. A culinária é do chef Andrew Carmellini, legitimamente italiano. De inspiração japonesa, no subterrâneo funciona o Shibui Spa, que é um oásis no meio dessa espécie de Epcot para ricos.

$$$ R$ 1,8 mil/diária.

#6 Andaz Wall Street

Os 10 melhores e luxuosos hotéis em Manhattan

Uma chique e moderna opção em Lower Manhattan. Espere muitas vantagens aqui, incluindo chamadas locais gratuitas, lanches de cortesia e bebidas não alcoólicas em seu quarto. Tudo isso à vontade! Os quartos são muito mais espaçoso do que a maioria dos hotéis de Nova York, em parte devido aos 6 metros de altura do pé direito e das janelas altas que proporcionam muita luz e excelentes vistas. O bar-restaurante Dina Rata é um dos favoritos do bairro. Outro destaque é o Andaz Spa, que atende nos horários dos hóspedes que precisar. A galera pode desfrutar de massagens, tratamentos faciais e aromaterapia (usando produtos botânicos aromáticos ) no spa ou no próprio quarto. $$$ R$ 2 mil / diária.

#7 The NoMad Hotel

Os 10 melhores e luxuosos hotéis em Manhattan

O designer francês Jacques Garcia fez uma reforma bohemian-chic para o edifício em estilo Beaux Arts da virada do século 19/20 bem no meio da Broadway. Tapetes persas desbotados e uma lareira de 200 anos de idade deram o tom interior. Há mesas de mogno em estilo retrô e banheirinhas vitorianas, dessas que têm pés dourados. O chef Humm e o restaurateur Will Guidara esnobam juntos três estrelinhas Michelin no Eleven Madison Park. E há ainda uma biblioteca imensa e suntuosa, além de do Elephant Bar, ornamentado com um imponente balcão de mogno. $$$ R$ 1 mil/diária.

#8 The Jane

Os 10 melhores e luxuosos hotéis em Manhattan

Uma opção intrigante na frondosa West Village. É um lugar repleto de história. Para começar, os sobreviventes do Titanic ficaram no hotel enquanto aguardavam o inquérito sobre o naufrágio em 1912. Os designers mantiveram o olhar histórico sobre o ambiente, mas acrescentaram uma decoração bohemian-chic, como cabeças de animais nas paredes, globo espelhado no meio de salões e palmeiras em vasos. Os quartos compridos como uma pista de boliche e têm banheiros compartilhados (quarto padrão). Café Gitane no piso térreo serve aquela comidinha de vovó: café e bolos, deliciosos. O Ballroom Jane tem lareira, gente! Enfim... é como entrar nas páginas de um romance de Graham Greene. $ R$ 315 / diária.

#9 Trump International Hotel & Tower

Os 10 melhores e luxuosos hotéis em Manhattan

Apesar do nome e do dono, o lugar é lindo e ultra moderno. Os elevadores são de alta velocidade e hi-tech, com sutis toques europeus: lustres, pisos de mármore e impecável atenção aos detalhes. Os quartos têm vista para o Central Park e alguns têm pequenas cozinhas para jantar no quarto. O restaurante do Masterchef Jean George Vongerichten esbanja três estrelas Michelin e serve pratos franceses impecáveis, com menu sazonal.  E tem o spa, com piscina aquecida e coberta. $$$ R$ 1.155 / diária.

#10 The Conrad New York

Os 10 melhores e luxuosos hotéis em Manhattan

A primeira coisa que a pessoa nota sobre esse hotel de Tribeca é a impressionante coleção de arte: pinturas Loopy Doopy e a roda de Sol, de LeWitt, no átrio são exemplos. Acrescente a isso um excelente restaurante e bar de vinhos mediterrâneos (Ah! Grécia), o Átrio, que se tornou um ponto preferido dos hóspedes (especialmente para o café da manhã) e quartos tecnológicos. Os hóspedes podem usar o aplicativo Conrad New York para fazer o check-in, por exemplo! O hotel também tem um vistão invejável para a cidade. Há apenas uma rua que separa o hotel de um pequeno parque e do rio Hudson, onde as barcas podem levá-lo para Ellis Island ou para baixo para a Estátua da Liberdade. $$ R$ 741/diária.

----------

Por Pilar Magnavita

#pelomundo #hoteis #hoteisnewyork #viagem #destino

10 lugares que não querem mais turistas

PrincessButtercup
há um ano22 visualizações

Quem viaja num roteiro bed-and-breakfast e conversa com donos de pousadas sabe a diferença que a alta temporada faz na vida dessas pessoas. Tem muita gente por aí que depende do turismo e tem muita cidade que se desenvolve graças ao viajantes que estimulam a economia local. Só que não é assim no mundo inteiro, não. Alguns lugares querem até reduzir o número de turistas. Quer ver?

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

10. Barcelona 

10 lugares que não querem mais turistas

A cidade espanhola quer um turismo equilibrado e está preocupada com seu “ponto de saturação”. Em 2015, a prefeita da cidade discutiu a implementação de um limite de entrada na cidade. Por enquanto, a intenção é limitar a construção de hotéis e desenvolver políticas preventivas.

9. Islândia

10 lugares que não querem mais turistas

O turismo não para de crescer na Islândia, o que preocupa um país que se baseia em atrações naturais. O país encomendou uma pesquisa para descobrir o número máximo de pessoas que podem visitar um lugar sem causar danos à estrutura e sem prejudicar a experiência do turista.

8. Machu Picchu 

10 lugares que não querem mais turistas

O principal destino turístico do Peru passa por um processo de “reconceitualização” com orçamento de US$ 43,7 milhões e que vai terminar em 2019. Para visitar a cidadela inca, viajantes terão que contratar um guia, seguir uma das três rotas (nada de andar solto por aí) e obedecer um limite de tempo. O local foi classificado como sítio em risco pela UNESCO este ano.

7. Lord Howe

10 lugares que não querem mais turistas

A ilha na costa australiana (fica a uns 500 quilômetros, não é tão perto assim) é conhecida por abrigar mais de 400 espécies de peixe e 90 tipos de corais. O local tem só 350 habitantes e um limite de 400 visitantes por dia. Sobra espaço para os poucos turistas.

6. Monte Everest 

10 lugares que não querem mais turistas

Para evitar tragédias, o governo do Nepal quer reduzir o número de times e montanhistas que tentam, anualmente, alcançar o topo do mundo. Depois do terremoto de 2015, a taxa para montanhismo já subiu de U$ 10 mil para US$ 11 mil. Também foi criado um órgão para conferir a experiência e a saúde de quem aparecer para escalar o Everest. O próximo passo é diminuir o tamanho dos times (grupos de excursionistas) que fazem a escalada.

5. Cinque Terre 

10 lugares que não querem mais turistas

Como o nome diz, a cidade é um grupo de cinco vilarejos no Mar Lígure, na Itália. Em 2015, o cidade recebeu 2,5 milhões de turistas, mas a administração, preocupada com questões ambientais, já anunciou medidas para reduzir esse número. Para 2016, a intenção é receber não mais do que 1,5 milhão de viajantes.

4. Butão 

10 lugares que não querem mais turistas

Falta espaço mesmo no Butão, por isso o governo local investe em um turismo que eles chamam de “baixo volume, alto valor”. Hoje em dia, o turismo tem que querer muito ir ao Butão para superar os obstáculos. Para entrar no país, é preciso obter visto e agendar a viagem com um operador licenciado pelo Butão. Além disso, o viajante também tem que pagar um pacote mínimo diário que não sai por menos de US$ 200 (cobre hospedagem, alimentação, guias e transporte. Esse dinheiro financia educação e saúde, entre outros benefícios, para o povo local.

3. Galápagos

10 lugares que não querem mais turistas

A mais ou menos mil quilômetros do Equador, o arquipélago de 19 ilhas que inspirou Charles Darwin foi listado pela ONU como patrimônio da humanidade em risco. Por isso, 97% da parte terrestre do arquipélago foi transformada em parque nacional, com o turismo monitorado de perto. Turistas só podem visitar lugares específicos, obrigatoriamente acompanhador por um guia local registrado, e ainda precisam seguir à risca um livrinho regras

2. Seicheles

10 lugares que não querem mais turistas

O arquipélago escolhido para lua-de-mel de William e Kate tem o turismo com o principal fonte de receitas, mas o número de turistas continua aumentando perigosamente. O número de visitantes em 2015 foi de 250 mil, seis vezes o número de habitantes. O Ministério de Turismo e Cultura já considera estabelecer um limite anual.

1. Antártica

10 lugares que não querem mais turistas

Depois de um número excessivo de visitantes em 2009, as regras para visitas ao continente foram alteradas em 2011. Hoje em dia, cruzeiros com mais de 500 passageiros não podem mais atracar. Além disso, o número de passageiros ao mesmo tempo em solo não pode passar de 100, e o monitoramento da região é rígido, seja para quem estiver em solo ou no mar. 

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
pilarmag
Escritora, psicóloga de parentes e amigos, experimentada na cozinha e na Comunicação, já pipocou na chapa quente de grandes jornais e empresas, mãe de cachorro, esposa prendada e tirana, mulher sensível e chorona, teóloga meia boca, fã de Neil Degrasse Tyson. Namastê! Prazer em te conhecer.