Pelo mundo
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Pelo mundo
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Pelo mundo
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Os 5 melhores castelos para você alugar pela internet

PrincessButtercup
há um ano27 visualizações

Castelos têm toda aquela mística, né? A gente vê nos filmes, na TV, nos contos de fadas, naquelas histórias de cavaleiros, mocinhas e dragões. Não é por acaso que muita gente quer casar, passar lua de mel, tirar foto na masmorra, visitar o porão, essa coisa toda.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

O legal desses tempos modernos que a gente vive é que isso tudo não é mais coisa só pra sonho. Hoje, já dá pra visitar e até alugar alguns desses castelos. Tem site especializado nisso, anúncio no Airbnb e tudo mais.

1. Brodie Castle (Forres, Escócia) 

Este castelo do século XVI acomoda 14 pessoas e tem mobiliário antigo, com peças de arte pertencentes ao clã Brodie. Tem um clássico (e enorme) salão de jantar, sala de jogos e dá para jogar croquet (por que você jogaria futebol num castelo?) no gramado. Na propriedade, ainda dá para ver gansos, patos e esquilos. A diária custa mais ou menos R$ 2.200.

2. Dairsie Castle (Fife, Escócia) 

Fica a 15 minutos do lendário campo de golfe de St. Andrews e a uma hora de carro de Edimburgo, a capital do país. O castelo foi construído no século XII e foi sede de reuniões secretas, ocupações militares e esconderijo de monarcas no século XVI). Após uma restauração em 1992, está inteiraço, com sua personalidade medieval. Acomoda 13 pessoas em seis quartos e tem cinco banheiros. A diária sai por cerca de R$ 2.000.

3. Colmantagh Castle (Kilkenny, Irlanda) 

Os 5 melhores castelos para você alugar pela internet

Uma torre medieval e uma casa vitoriana. Cinco quartos, seis camas, lugar para dez pessoas. Custa o equivalente a R$ 1.450 por noite.

4. Castello Dal Pozzo (Piemonte, Itália) 

Fica a 60 quilômetros de Milão e pertinho do Lago Maggiore. Inclui serviço de mordomo e tem oito quartos, com 16 camas. O castelo tem seu próprio bar com grande seleção de vinhos e um restaurante. A diária é para poucos e custa astronômicos R$ 12.300.

5. Castelo em Galway (Irlanda) 

Grande pechincha da lista. Uma diária lá custa R$ 460. Este castelo irlandês foi construído por volta do ano 1.400 e reformado na última década, usando materiais tradicionais, mas tecnologia moderna. As paredes são de pedra, mas a energia é solar. São dois quartos, com espaço para cinco pessoas e um banheiro, que não existia no projeto original e foi construído pelo atual dono na sala de estar.

Os 7 castelos mais incríveis da Grã-Bretanha que valem uma visita

PrincessButtercup
há um ano22 visualizações

A Grã-Bretanha é cheia de castelos, fortificações e ruínas que podem ser visitadas, exploradas, que servem como uma máquina do tempo: impossível não se deixar impressionar pela história. É como estar nas Brumas de Avalon ou em Robbin Hood. É verdade que muitas propriedades são fechadas ao público comum, por serem privadas ou por oferecerem algum tipo de risco para os visitantes em sua estrutura. Mas há um n´¨mero bacana de castelos que são abertos à visitação, com um grau de conservação tão grande que impressiona.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

No total, a Grã-Bretanha possui mais de 180 castelos (considerando os mais relevantes e que ainda estão de pé de algum modo) espalhados por Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte. Ricos em história e que fazem você voltar no tempo e imaginar como as pessoas sobreviviam na Europa durante a idade Média, como era o feudalismo, a divisão da sociedade, o papel da Igreja, as batalhas sangrentas que mudavam radicalmente a vida de pessoas naquela época e refletem na nossa vida até hoje.

#1 Castelo de Edimburgo

Os 7 castelos mais incríveis da Grã-Bretanha que valem uma visita

Quando estive na Escócia, aprendi com eles a falar corretamente o nome: e-dim-brá. O castelo que desenha a história do país é uma antiga fortaleza que domina a silhueta da cidade de Edimburgo, na Escócia, a partir da sua posição no topo de um rochedo. De lá é possível ver toda a cidade. Trata-se de um dos mais importantes castelos do país, sendo a segunda atração turística mais visitada na Escócia, ao receber anualmente cerca de um milhão de pessoas.

A ocupação humana no local remonta ao século IX. No entanto, poucas das estruturas do castelo atual são datadas antes do século XVI, com a notável exceção da Capela de Santa Margarida, o mais velho edifício de Edimburgo, do século XII.

Entre as atrações estão as jóias da Coroa Escocesa: a Coroa, a Espada e o Cetro estão entre as mais antigas da Europa. Também é possível ver a Pedra do Destino, o trono de coroação dos reis da Escócia.

Todo o local está super conservado e restaurado. Há muitas curiosidades e atrações dentro da construção que valem muito a visita.

#2 Castelo de Stirling

Os 7 castelos mais incríveis da Grã-Bretanha que valem uma visita

Já que estamos na Escócia... Stirling foi um importante clã com membros da nobreza que deram nome à região. O castelo situa-se acima da cidade velha, numa colina de origem vulcânica, e é considerado um dos maiores e mais expressivos castelos do país, tanto pela sua arquitetura como pela história.

Em consequência da sua localização estratégica nas margens do importante Rio Forth, o castelo desempenhou um papel crucial na História da Escócia desde os primeiros tempos, tendo sido sitiado e atacado pelo menos 16 vezes. Das suas muralhas descortinam-se as planícies envolventes, onde se travaram três batalhas que decidiram os destinos do reino (além duma quarta disputada alguns quilómetros mais a norte), como aquelas com William Wallace e o libertador da Escócia, Robert de Bruce.

Entre cerca do ano 1100 e 1685, o Stirling Castle foi uma das principais residências dos reis e rainhas escoceses e local de reunião da Corte. A partir daí e até 1964 foi quartel-general dos regimentos das Argyll e Sutherland Highlanders.

A maior parte dos edifícios do Castelo de Stirling datam do período compreendido entre 1496 e 1583, quando o complexo foi significativamente ampliado por três reis: Jaime IV, Jaime V e Jaime VI, assim como pela Rainha Maria de Guise, esposa de Jaime V e mãe de Maria da Escócia. Restam poucas estruturas do século XIV, enquanto as defesas exteriores voltadas para a cidade remontam ao início do século XVIII.

#3 Torre de Londres

Os 7 castelos mais incríveis da Grã-Bretanha que valem uma visita

É a contrapartida do Castelo de Edimburgo. Lá moraram os pretorianos da antiga cidade romana de Londinium e, posteriormente, reis e rainhas da Angloterra (Inglaterra). O Palácio e Fortaleza Real de Sua Majestade da Torre de Londres é um castelo histórico que fica bem na margem norte do rio Tâmisa, no meio da maravilhosa Londres. Ele foi fundado por volta do final do ano de 1066 depois da conquista normanda da Inglaterra. A Torre Branca em seu centro foi construída pelo rei Guilherme I em 1078. O castelo foi utilizado como prisão de 1100 até 1952 (!!!), apesar desta não ter sido sua função principal. Ele inicialmente foi usado como residência real como um grande palácio. Como um todo, o complexo da Torre de Londres é composto por vários edifícios e um fosso (que não existe mais). Houve várias fases de expansão, principalmente sob os reis Ricardo I, Henrique III e Eduardo I nos século XII e XIII. O desenho geral estabelecido nessa época permaneceu até os dias de hoje. Visitar e ver tudo isso dá arrepios, até porque foi onde Ana Bolena morreu decapitada, com tantas outras ex-mulheres de Henrique VIII, além de casos célebres da nobreza que viraram tragédias de Shakespeare. É lá também onde se localizam as joias da coroa britânica.

#4 Castelo de Caernafon

Os 7 castelos mais incríveis da Grã-Bretanha que valem uma visita

O Castelo de Caernarfon (em galês Castell Caernarfon) localiza-se em Caernarfon, área principal de Gwynedd, no noroeste do País de Gales. Foi construído pelo rei Eduardo I de Inglaterra na sequência da conquista de Gwynedd, em 1283, em posição dominante sobre as margens do rio Seiont.

O castelo aloja o Royal Welch Fusiliers Museum (Museu dos Fusileiros Reais Galeses) e faz parte do sítio classificado pela UNESCO com o título Castelos-fortes e Fortificações do Rei Eduardo I no Antigo Principado de Gwynedd.

A tradição de investir o herdeiro do monarca britânico com o título de Príncipe de Gales começou em 1301, quando o rei Eduardo I, tendo completado a conquista de Gales, deu o título ao seu herdeiro, o Príncipe Eduardo (mais tarde rei Eduardo II de Inglaterra). De acordo com a famosa lenda, o rei tinha prometido aos galeses que iria nomear "um príncipe nascido em Gales, que não falasse uma palavra de inglês" e então produziu o seu filho infante para surpresa deles; no entanto, a história pode bem ser apócrifa, pois pode ter sido traçada somente no século XVI. De qualquer forma, Eduardo II nasceu, certamente, em Caernarfon enquanto o seu pai estava em campanha em Gales e, como todos os infantes, não podia, na altura, falar inglês (de facto, crescendo na na corte real nos anos seguintes, a sua primeira linguagem pode muito bem ter sido a anglo-normanda, não o inglês).

#5 Castelo de Leeds

Os 7 castelos mais incríveis da Grã-Bretanha que valem uma visita

O Castelo de Leeds (Leeds Castle) é um palácio rural da Inglaterra com origem num castelo construído em 1119, o qual sofreu grandes alterações durante o século XX. Fica situado quatro milhas a sudeste de Maidstone, no Kent. O edifício e os seus terrenos estão localizados a este da aldeia de Leeds, a qual não deve ser confundida com a cidade de Leeds, no West Yorkshire. Os terrenos possuem um aviário, um labirinto, uma gruta, um campo de golf e o que talvez seja o único museu de coleiras do mundo. O castelo também está disponível para ser alugado para conferências e festas.

#6 Castelo de Lancaster

Os 7 castelos mais incríveis da Grã-Bretanha que valem uma visita

O Castelo de Lancaster, ou como é vulgarmente conhecido Gaunt John, resultou de um forte original construído pelos romanos, com vista para a cidade de Lancaster e o Rio Lune, para ajudar a combater as forças invasoras dos pictos e escoceses. Após o desaparecimento do Império Romano na Grã-Bretanha durante o século V, Lancaster entrou em declínio, foi dominado por normandos e depois recuperado pela coroa inglesa. Em 1399 Richard II, tomou o castelo do Duque de Lancaster II, John de Gaunt após a morte dele, e afirmou que o castelo era da monarquia. Henrique IV depôs Ricardo e o castelo tornou-se parte do Ducado de Lancaster, onde permaneceu desde então.

#7 Castelo de Arundel

Os 7 castelos mais incríveis da Grã-Bretanha que valem uma visita

O Castelo de Arundel (não, não é Senhor dos Anéis), em West Sussex, Inglaterra, é um dos mais belos e bem conservados castelos na Grã-Bretanha, a sua edificação remonta ao reinado de Eduardo o Confessor, sendo completada por Robert de Montgomery — o primeiro detentor do título de Conde de Arundel —, sob o reinado de Guilherme, o Conquistador.

Em 1102, o filho e sucessor do Conquistador, Henrique I, tomou posse do castelo e doou-o a Guilherme de Aubigny, pemanecendo até aos dias de hoje na posse desta família, cujo descendente é o actual Duque de Norfolk.

Em 1139, o castelo serviu de refúgio para a Imperatriz Matilde durante a Anarquia. O seu filho, Henrique II de Inglaterra, providenciou melhoramentos substanciais ao castelo que, durante a Guerra Civil Inglesa, seria praticamente destruído. Foi posteriormente restaurado, datando a maioria das estruturas actuais do século XVIII e do XIX.

Desde o século XI, o castelo serviu como residência hereditária para várias famílias (com algumas breves reversões para a Coroa) e é atualmente a residência oficial do Duque de Norfolk e sua família.

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
pilarmag
Escritora, psicóloga de parentes e amigos, experimentada na cozinha e na Comunicação, já pipocou na chapa quente de grandes jornais e empresas, mãe de cachorro, esposa prendada e tirana, mulher sensível e chorona, teóloga meia boca, fã de Neil Degrasse Tyson. Namastê! Prazer em te conhecer.