Pequerruchos
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Pequerruchos
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Pequerruchos
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Cientistas garantem: usar computador por até 257 minutos faz bem a teens

PrincessButtercup
há 9 meses4.8k visualizações

Se você tem de 13 a 19 anos, se prepare para compartilhar este texto. E se você é pai de um filho adolescente, prepare-se para rever alguns conceitos. Um estudo da Universidade de Oxford aponta que horas diante do computador faz bem a adolescentes. Aliás, o número mágico é 257 minutos. Sim, jovens podem ficar mais de quatro horas por dia diante de uma tela sem que isso faça mal a seu cérebro.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Cientistas garantem: usar computador por até 257 minutos faz bem a teens

A intenção do estudo, aliás, também é demonstrar que muitos pais estão preocupados além da conta com o mal que computadores fazem a adolescentes. E, segundo a universidade, esses 257 minutos são o tempo suficiente para que os jovens desenvolvam habilidades sociais e de conexão com outras pessoas.

A pesquisa, publicada na Associação para Ciência Psicológica, analisou dados medindo o “tempo de tela” e o bem-estar gerado em 120.115 jovens de 15 anos. Os adolescentes completaram relatórios que mediam o bem-estar mental e responderam questões sobre quanto tempo haviam passado executando cada atividade digital diferente.

Os pesquisadores relataram que o bem-estar dos jovens aumentava na mesma medida em que o “tempo de tela” também aumentava - até certo ponto. Depois dos 257 minutos em um computador, por exemplo, o nível de bem-estar começava a diminuir. As tendências eram semelhantes em diferentes gadgets, mas com tempos diferentes.

Nos videogames, o “número mágico” é de 40 minutos. Nos smartphones, de 1h57min. Diante da TV, 3h41min. Os computadores foram o aparelho digital que causou mais bem-estar em maior período de tempo. E agora, pais e mães? Vão continuar limitando o tempo de seus filhos no computador?

A moda na Europa agora é "cellfie"

PrincessButtercup
há um ano1.6k visualizações
A moda na Europa agora é "cellfie"
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Para qualquer um nascido antes de 1950, as primeiras fotografias de vida foram feitas depois dos dois anos. Muita água rolou debaixo dessa ponte de lá para cá. Veio a câmera digital e passamos a clicar inadvertidamente qualquer coisa porque isso não mais nos custava o filme de 24 poses na loja. Aí veio o iPhone com sua câmera violenta. E passamos a tirar todas as fotografias possíveis e inimagináveis com esse tipo de definição, com a lente voltada para nós mesmos e com as pessoas que amamos.

Ah! Mas os papais piraram mesmo com o advento das fotografias de ultrassom 3D, levamos a outro patamar essa história, registrando em imagens estáticas e de vídeos os primeiros contornos dos bebês, desde as primeiras semanas após a concepção.

Vocês acham que isso parou por aí, né?! Nenhuma moda parece ser suficiente para papais e mamães. É um amor incontrolável e maravilhoso que não mede “sem-noçõesices” quando o assunto é expressar esse sentimento com nossas crianças.

E assim, nasceu a “cellfie”. Não, não... Não escrevi errado. É “cellfie” mesmo! A última moda em tecnologia fotográfica, para registrar a concepção e o desenvolvimento embrionário.

Última moda na Europa, a cellfie foi desenvolvida em Londre e oferecidas aos papais e mamães que queriam acompanhar o desenvolvimento de suas sementinhas.

Nos últimos anos, as clínicas de Reprodução Humana desenvolveram fotografia de última geração para monitorar o desenvolvimento celular nos primeiros dias de vida do bebê, de modo que os médicos pudessem escolher o embrião mais saudável para implantação no útero e aumentar as chances de efetivar a evolução do processo de gestação. Mas a técnica do "embriômetro" também permitiu que os pais testemunhassem os começos misteriosos da vida de seus filhos no próprio momento da concepção e nos poucos dias cruciais após a fertilização.

A moda na Europa agora é "cellfie"

Por que ninguém pensou nisso antes? Explico: a fertilização e o processo embrionário é muito, mas MUITO sensível. E qualquer diferença de luz e calor podem afetar o sucesso do processo. Foi difícil chegar a essa tecnologia, mas, enfim, eis que isso já está disponível.

Yay!

O próximo passo? Vídeos em timelapse e acompanhamento em tempo real do desenvolvimento dos embriões. Papais e mamães ficarão muito contentes em testemunhar toda essa mágica linda.

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
pilarmag
Escritora, psicóloga de parentes e amigos, experimentada na cozinha e na Comunicação, já pipocou na chapa quente de grandes jornais e empresas, mãe de cachorro, esposa prendada e tirana, mulher sensível e chorona, teóloga meia boca, fã de Neil Degrasse Tyson. Namastê! Prazer em te conhecer.