Pequerruchos
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Pequerruchos
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Pequerruchos
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

O que os meninos precisam das mamães

Pilar Magnavita
há 2 anos45 visualizações

Mães são sagradas. Mesmo quando são uma peste, elas são sagradas. E essa não é uma visão particular minha. Até o mais barra pesada dos traficantes não permite que falem mal da própria mãe, mesmo se ela tiver sido uma pessoa-problema. Ela é a criação, a fonte de tudo. E para os meninos, ela é uma divindade. Em boa parte das famílias, ela será a única que mostrará com abraços e carinhos o amor dos pais. E isso faz ele se sentir seguro e protegido.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
O que os meninos precisam das mamães

O pai representa o lado aventureiro, brincalhão e viril. Ele vai mostrar qual o papel que o menino vai representar na sociedade quando crescer.  Representa o afastamento do mundo materno e o que é ser homem.

Mamães são aquelas criaturas que irão moldar (e muitíssimo) a personalidade do filho adulto com o relacionamento na infância. Até quando estão ausentes elas influenciam no comportamento dos filhos adultos.  O que ele interpretar dessa relação é o que ele vai carregar dentro da própria identidade. Sabe aquela frase da psicanálise que a mãe é a culpada de tudo? Pois é, amiga. Tem sua verdade. Mas não se desespere!

Em primeiríssimo lugar, amor! Como disse antes, a mulher pode ser o capeta encarnado, mas se ela mostra que ama o filho, ele vai crescer sadio. Pode apostar! Crianças entendem com palavras e gestos. Diga que o ama e mostre o quanto. Certamente ele aprenderá a dar e receber amor.

Em segundo lugar, educação. Ele espera que você o ensine o que deve e o que não deve fazer, além dos códigos de conduta social. E, por favor, deixe-o tentar discernir entre as duas coisas. Se ficar no cangote do bichinho, sem nem ao menos deixar ele escolher as próprias amizades, vai criar um "vai com as outras". Como todo mundo, ele almeja o sucesso e o mérito. Ensine-o a conseguir isso da maneira certa.

Em terceiro, delegue tarefas. Dê a ele responsabilidades e deixe que ele erre tentando ao lavar louça, consertar alguma coisa, fazer a cama, etc. Não fique agindo como se fosse a única a saber de tudo e perfeitamente na família. Vai acabar se sobrecarregando e perder o respeito dele por você, já que você se comporta como uma super-heroína. Ele pode achar que você não tem limites, como precisar dormir, comer, descansar, e fazer todas aquelas coisas que você nunca mais fez direito depois que ele nasceu.

Em quarto lugar, dê liberdade. Deixe que ele e o pai dele tenham o momento deles. Ou caso ele não tenha um pai presente, permita algumas horas dele com aquela figura masculina que ele tanto idolatra. Em geral são os tios ou avôs. Meninos querem e precisam de um momento off-mom. E isso vale também para quando ele estiver com os amigos dele.

Em quinto lugar, ensine os limites. Todo mundo precisa aprender que nem tudo o que quer é possível. E seu filho vai testar isso o tempo todo de você, mamãe. Especialmente quando ele crescer e mostrar para você que não é mais seu filhinho. Muitas vezes, eles fazem coisas erradas para testar o quanto você ainda exerce autonomia sobre ele. Se seu filho não tiver limites, ele não terá disciplina. Consequentemente terá dificuldades de realizar e cumprir tarefas. Não cubra seus erros. Deixe que aprenda que as consequências existem: para cada ação uma reação.

Por último, seu filho vai querer contato físico, especialmente quando estiver assustado ou precisando de um abraço. Eles podem nem verbalizar, mas irão aceitar se você oferecer. Isso, sim, mamãe, é algo para deixar sempre à disposição. Abrace e beije a criança sempre, olhe nos olhos, sorria e dê atenção com brincadeiras e conversas. Converse com ele! Mesmo quando os filhos não nasceram da barriga da gente, eles vão querer uma mamãe acima de tudo. E nada é tão simbólico quanto um colinho de mãe, mesmo quando eles estão crescidos.

15 mitos e verdades da amamentação

Pilar Magnavita
há 2 anos80 visualizações
15 mitos e verdades da amamentação
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Amamentar não é fácil como imaginamos antes de o primeiro filho nascer. Aliás, logo que o pequenino ou a pequenina se aninha nos seus braços pela primeira vez, você vai perceber o pânico que dá, misturado a uma sensação de paz suprema, ao mesmo tempo que você pensa: "agora lascou".

É assim mesmo. Vamos que vamos!

A primeira vez que a enfermeira te ajuda a colocar a criança junto ao peito, dá aquela ansiedade doida. Como será? Vai doer não vai? Vai dar nervoso? A verdade é que cada mulher e cada bebê passam por uma experiência única. Conselhos dos mais velhos ajudam, mas é aquela história: todo mundo é catedrático quando o assunto é o nascimento do bebê. E, nessa, ninguém sabe nada. Depende dos hormônios, da sensibilidade da mamãe, da vontade e do instinto do bebê e do emocional.

Se você está esperando seu primeiro filho, o mais importante é que você se prepare muito para essa hora e leia tudo a respeito da amamentação. Será bem capaz que você seja induzida a abandonar o peito na primeira dificuldade e, sinto muito dizer, mas elas provavelmente irão aparecer. Em números!

Então achei interessante essas dicas e esclarecimentos do blog Mães de Peito.

Veja 15 mitos e verdades sobre a amamentação. E fique não deixe ninguém estragar esse momento que é fundamental para os laços entre você e seu filho!

15 mitos e verdades da amamentação

MITO 1 – Meu leite é “fraco” ou secou

Nenhum leite é fraco pois a mãe produz o leite com a quantidade de nutrientes ideais para o seu bebê. O leite que uma mãe produz para um filho, por exemplo, nunca será igual ao produzido para os outros filhos. Toda mãe tem leite e, caso tenha baixa produção, ela deve amamentar mais vezes ao dia, ou seja, ser adepta da livre demanda (sempre que o bebê quer) para que consiga produzir mais. Essa mulher precisa de descanso, ingerir muita água e, é claro, apoio e orientação.

MITO 2 – Não tenho “bico” para amamentar

Mulheres com bico plano, protuso, invertido ou pseudo-invertido podem amamentar e, de preferência, sem o bico de silicone. O bebê mama a aréola e não o bico. Ao mamar, o bebê ordenha a mama inteira e o bico se forma com o passar do tempo

MITO 3 – Colostro não alimenta

Muitas maternidades introduzem o leite artificial em recém-nascidos pois a mãe tem ‘só colostro’. O colostro é uma vacina completa para a perfeita colonização do intestino sensível do bebê. Ele é rico em proteínas, ou seja, deixa o bebê saciado. A apojadura (descida do leite) deve ocorrer de 48h a 72h após o parto

MITO 4 – Amamentar é automático

Amamentar é um ato fisiológico, ou seja, natural e nada automático. Para a amamentação dar certo, é preciso estimular o contato pele a pele e a amamentação na primeira hora de vida e, é claro, alojamento conjunto nas maternidades. A mãe precisa de orientação e apoio para posicionar corretamente o bebê para que ele faça a pega correta para evitar, por exemplo, as fissuras

MITO 5 – Não pode amamentar com fissuras nos seios

As fissuras são ocasionadas pela pega incorreta da boca do bebê no seio materno. Ao corrigir a pega, a tendência é que as fissuras melhorem. O próprio leite materno ajuda a cicatrizar as feridas. A mãe deve continuar a amamentação e, caso não consiga dar um dos seios, continue fazendo a ordenha nele para que não ocorra o ingurgitamento da mama. O ideal é continuar amamentando nos dois seios

MITO 6 – Amamentar dói

A amamentação não pode doer. Se dói é porque algo está errado. Ou o bebê não está abocanhando a aréola corretamente, ou o bebê tem o freio lingual curto, ou a posição dele no colo da mãe não está correta. Precisa ser investigado se a dor é porque as mamas estão muito cheias ou se há problemas mais sérios como candidíase mamária ou mastite, por exemplo.

MITO 7 – Próteses mamárias ou mamoplastia impedem amamentação

A maioria das mulheres que fez essas cirurgias estéticas consegue amamentar, principalmente, quem fez a operação recentemente onde são usadas técnicas mais modernas. O risco maior é quando a incisão é feita pela aréola pois pode ocasionar o corte dos ductos mamários. O que acontece é que se a mulher encontra qualquer dificuldade normalmente vai culpar a cirurgia

MITO 8- Meu peito é pequeno ou grande demais

Tamanho do seio não interfere em nada a amamentação

MITO 9 – O bebê precisa de horários definidos para mamar

Nenhum bebê precisa mamar de 3h em 3h. Estabelecer horários só dificulta a amamentação. Amamentar em livre demanda (sempre que o bebê quer) facilita todo o processo e evita a introdução de bicos artificiais, como as chupetas e mamadeiras

MITO 10 – Devo dar de mamar 15 minutos em cada seio

Um dos maiores erros é cronometrar as mamadas. O ideal é dar um peito a cada mamada assim o bebê recebe um aporte maior de gordura já que os ductos mais baixos secretam leite mais rico em sais minerais, que é o que hidrata, mata a sede. Já os ductos mais altos secretam o leite mais gorduroso, mais rico em lipídios que faz com que o bebê se sinta saciado e ganhe peso.

MITO 11 – Mama muito cheia não interfere a amamentação

A mama muito cheia pode sim atrapalhar a amamentação. Quando acontece a apojadura a mulher deve fazer uma ordenha manual para amolecer a aréola para que o bebê possa ter mais facilidade para abocanhar o seio materno

MITO 12 – Bicos artificiais não interferem na amamentação

Utilizar bicos artificias, como mamadeiras e chupetas, comprometem a amamentação, principalmente, se forem introduzidas precocemente. Ao mamar no peito, o bebê faz um movimento diferente com a língua para fazer a sucção para a descida do leite. Na mamadeira o leite sai sozinho e, por ser mais fácil, pode fazer o bebê rejeitar o seio materno

MITO 13 – Dei mamadeira e ele não quer mais só mamar no peito

A mãe que quer continuar amamentando pode buscar uma consultora em aleitamento materno para ensiná-la a usar o relactador que oferece um volume extra de leite ao bebê. A mãe pode optar pela relactação (com o seu próprio leite) ou a translactação (com leite artificial) onde é colocada uma sonda para o bebê sugar o peito e o outro leite também. Desta maneira, ele estimula as mamas e pode aos poucos voltar a mamar exclusivamente no seio materno

MITO 14 – Quando nascem os dentinhos, é hora de desmamar

Muitas pessoas pensam que o leite materno é importante apenas até a criança completar o sexto mês de vida, quando começa a introdução a alimentar. O correto é que o leite materno seja oferecido como forma complementar a outros alimentos até o bebê ter dois anos ou mais

MITO 15 – Preciso desmamar pois volto a trabalhar

A mãe que volta a trabalhar pode fazer a ordenha do seu leite e deixar para ser ofertado ao seu bebê na sua ausência. A ordenha pode ser feita de forma manual ou com uso de bombas. Veja como voltar ao trabalho e seguir com a amamentação

#mitos #amamentaçăo #lactação #bebê #primeirofilho #bicoinvertido #mamilos #seios #mamilos #mama #dardemamar

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
pilarmag
Escritora, psicóloga de parentes e amigos, experimentada na cozinha e na Comunicação, já pipocou na chapa quente de grandes jornais e empresas, mãe de cachorro, esposa prendada e tirana, mulher sensível e chorona, teóloga meia boca, fã de Neil Degrasse Tyson. Namastê! Prazer em te conhecer.