Pequerruchos
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Pequerruchos
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Pequerruchos
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Veja 15 filmes de animação com mensagens pra lá de profundas

Pilar Magnavita
há 2 anos73 visualizações
Veja 15 filmes de animação com mensagens pra lá de profundas
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Animação é coisa séria e parece que até a Disney anda encarando o negócio assim. O novo filme "Zootopia" traz de uma forma divertida uma fábula que mostra todos os embates sociais que existem hoje entre maiorias e minorias, ideologias e uma discussão espiritual acerca da natureza animal e da convivência em sociedade. Confesso que estou ansiosa para ver! De modo geral, as fábulas têm esse poder nos transmitir um retrato um tanto caricato da realidade social. "A Revolução dos Bichos" de George Orwell é um exemplo muito bom disso. E era dessa forma que pais ensinavam aos filhos os valores de toda uma época, sempre com uma lição de moral no fim das contas. Quem não lembra do conto da cigarra boêmia e da formiga trabalhadora? Ou da lebre autoconfiante demais e da tartaruga perseverante? Ou mesmo do camundongo e do leão, sobre karma?

As histórias têm esse poder mágico de ensinar aquilo que é muito difícil explicar. Até Jesus as usou para explicar certas coisas para o apostolado. E as animações são os maiores aliados que papais e mamães têm para ensinar certas coisas bem complicadas aos filhotes. 

Veja 15 histórias magníficas que vão muito além do colorido animado para um mundo de muitos ensinamentos:

#1 Zootopia (2016)

A trama da coelha Judy, que sonha em se tornar policial numa sociedade conservadora e preconceituosa, toca diretamente em vários problemas atuais. A animação prega a tolerância e a coragem de buscar novas experiências.

Classificação Livre - Temas: Racismo, violência policial, drogas, machismo, abuso de poder, cultura do medo

#2 Divertidamente (2015)

A Pixar se superou com esta história complexa passada dentro da cabeça da garotinha Riley, com os sentimentos nos papéis principais. O filme debate temas raros em histórias infantis, como os pesadelos e os amigos imaginários, ressaltando que todos os sentimentos são importantes para atingir o equilíbrio emocional - mesmo a tristeza e a raiva.

Classificação Livre - Temas: Racismo, violência policial, drogas, machismo, abuso de poder, cultura do medo

#3 Wall-E

Um dos filmes mais bonitos e poéticos da Pixar (e um dos meus preferidos, que me banham sempre o rosto de lágrimas) Wall-E imagina a Terra repleta de lixo e totalmente deserta, destituída de vida. Pela poluição que alcançou proporções insustentáveis, os seres humanos abandonam o planeta e passam 700 anos à deriva na Galáxia. Gordos e alienados, vivem comendo produtos gordurosos, olhando telas o tempo inteiro, enclausurados no próprio egoísmo... Parece familiar? Spoiler alert: o fim é lindo!

Classificação Livre - Temas: destruição da Terra, obesidade, dependência da tecnologia, individualismo

#4 O Gigante de Ferro (1999)

É uma linda metáfora de um garotinho solitário criado apenas pela mãe e que descobre um verdadeiro amigo na figura do Gigante de Ferro, vindo de outro planeta. A mãe, preocupada, avisa as autoridades. Passada na época da Guerra Fria, a história defende a convivência entre as diferenças. Apenas para corações fortes porque é fofo demais! Lembra ET.

Classificação Livre - Temas: Guerra Fria, solidão, famílias uniparentais, abuso de poder

#5 O Menino e o Mundo (2015)

Dizer que este é um "filme infantil" pode ser questionável. Quando é abandonado pelo pai, o garoto do título decide procurar por ele na cidade grande, onde fica perdido entre os carros, usinas, favelas, tanques militares e outras estruturas das grandes cidades. A história busca transmitir um pouco de afeto numa sociedade individualista e marcada por desigualdades profundas. Não é para corações sensíveis!

Classificação Livre - Temas: abandono familiar, pobreza, ditadura militar, exploração no trabalho

#6 ParaNorman (2012)

Esse filme é muito legal e pode assustar as crianças pequenas pela abordagem sombria dos fantasmas e da temática da morte. Mas garante uma boa diversão a lá Tim Burton. O garotinho Norman tem o poder de se comunicar com os mortos, e por isso é maltratado pelos colegas na escola. Como de costume nas produções da Laika, defende-se a inclusão social, com destaque para o primeiro personagem abertamente gay da história das animações infantis - logo o tipo musculoso cobiçado pela mocinha da história.

Classificação Livre - Temas: forças do além, bullying, homossexualidade

#7  Frozen (2013)

Considerado um dos filmes mais feministas da Walt Disney, é um dos raros projetos que deixa a história de amor em segundo plano, preferindo investir na amizade entre as duas irmãs órfãs. Quem não curte muitas cantorias vai achar esse aqui um pouco maçante. Mas hey! É um sucesso!

Classificação Livre - Temas: Autoaceitação, traição, ingenuidade

#8 Toy Story 3 (2010)

Não tem quem não se emocione com Toy Story! Bastante comovente e trata de amizades que terminam com o tempo e a separação de mundos. Além disso, quando os brinquedos tentam se unir para sobreviver à creche, descobrem que não podem sair confiando em todo mundo.

Classificação Livre - Temas: O fim da infância, separação entre amigos, traição

#9 O Conto da Princesa Kaguya (2015)

Sou fã de animes e da cultura japonesa. E acho que as crianças ocidentais se benefeciam muitíssimo de todo esse universo. A história da Princesa Kaguya é incrível e traz a história de uma camponesa que descobre ser princesa e passa a ser tratada com luxo e regalias. Mas a garota não tem a menor vontade de se casar e acumular riquezas. Kaguya ousa se rebelar contra um sistema hierárquico rígido, fugindo para viver a vida que deseja.

Classificação Livre - Temas: luta de classes, independência feminina, o peso da tradição

#10 King Fu Panda 3 (2016)

Nem todo mundo lembra que o panda Po é criado pelo protetor pai ganso. Mas na terceira trama da franquia, o urso conhece seu pai biológico, despertando o ciúme do pai de criação. Contrariando a lógica conservadora, o filme defende que os dois são pais em igual medida, e que uma família amorosa pode ter dois pais, por que não?

Classificação Livre - Temas: adoção, famílias recompostas

#11 Bee Movie - A História de Uma Abelha (2007)

É comum ver animações infantis defendendo a proteção à natureza, mas Bee Movie mostra o lado da exploração do trabalho e o peso das tradições. O olhar ácido à sociedade não é uma surpresa, já que o criador da história é Jerry Seinfeld, da ótima série Seinfeld.

Classificação Livre - Temas: exploração industrial, sumiço das abelhas, luta de classes

#12 FormiguinhaZ

Na mesma linha, temos essa história incrível sobre luta de classes e o peso do tradicionalismo. É a história de uma formiguinha trabalhadora que se apaixona pela princesa do formigueiro. E faz de tudo para viver esse amor, mesmo quebrando totalmente as regras sociais das castas.

Classificação Livre - Temas: luta de classes, mundo natural, tradicionalismo e aceitação das diferenças

#13 Song of The Sea (2014)

É uma linda história da lenda irlandesa das selkies, que são meio humanas e meio focas. Um menino ganha uma irmã ao mesmo tempo que perde a mãe, aparentemente no parto. A história fala da aceitação, de perdas e superação de dores e traumas. Linda, linda!

Classificação Livre - Temas: perdas, famílias separadas, traumas familiares, superação da dor e amor incondicional familiar

#14 Ponyo - Uma Amizade que veio do mar (2008)

Difícil escolher uma única animação de Hayao Miyazaki. Para mim ele é um dos gênios dos contos infantis, que apresenta ocasionalmente personagens femininas fortes, críticas à ação do homem na natureza e a celebração do bem e do amor. Ponyo é a história de amor entre um peixinho e um menino humano, que trata a fundo a poluição dos mares. Certa manhã, quando brinca na praia, o pequeno Sosuke encontra um peixe vermelho preso num frasco de doce. Sosuke liberta o peixinho do frasco, a quem dá o nome de Ponyo, e promete protegê-lo para sempre. Mas o pai de Ponyo, um feiticeiro que vive no fundo do mar, força o pequeno peixe a regressar às profundezas. Decidida a tornar-se humana, Ponyo foge para reencontrar Sosuke e espalha acidentalmente uma poção mágica pelo oceano, transformando as suas irmãs em ondas gigantes que ameaçam inundar a aldeia de Sosuke. O amor e a responsabilidade, o oceano e a vida, num mundo fantástico onde a magia também faz parte das coisas naturais do dia-a-dia.

Classificação Livre - Tema: natureza, vida marinha, poluição do homem, amor ingênuo e família

#15 O Rei Leão

Dispensa explicações. Essa fábula incrível traz uma verdadeira peça de Shakespeare inserida, com intrigas, conspiração e amizade. A história de Simba é realmente uma aula de misericórdia, perseverança, luta pelos ideais e crenças e autodescoberta. Principalmente, ensina o tal do círculo da vida.

Classificação Livre - Temas: disputa de poder, família, superação do medo, autodescoberta

#filmesinfantis #animação #crianças #pequerruchos #programadecriança

Estudo conclui que muitas crianças diagnosticadas com TDAH podem ser só imaturas

Pilar Magnavita
há 2 anos53 visualizações
Estudo conclui que muitas crianças diagnosticadas com TDAH podem ser só imaturas
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) virou o distúrbio da moda para as crianças. Qualquer pimentinha agitada, que no bom vocabulário da minha avó era chamada de "impossível", tem sido encaminhada para consultórios de psicologia e psiquiatria para o ajustamento do comportamento. Eu disse que estão sendo encaminhadas aos psiquiatras e psicólogos! Ou seja: quem está encaminhando essas crianças já rotuladas aos especialistas que deveriam ser os únicos a diagnosticar?

Alguns colegas psicólogos andam me contando muito isso: a professora ou coordenadora de educação escolar encaminha a criança para eles para que tratem do distúrbio. E não para que eles entendam o que está se passando com a pequena! E às vezes não é demais! Porque a criança é agitada, não gosta de ser criticada, tem dificuldades em aceitar ordens sem que sejam devidamente explicadas, não se dá bem com outros colegas... As razões são muitas! E quando vão a um psiquiatra mais irresponsável, são medicadas até a alma diante de relatos horríveis dos professores (e de até alguns papais que se esqueceram do que é ser criança).

Pois a ciência (sempre ela, a salvadora!) resolveu separar direito esse joio do trigo e concluir que muitas criancinhas que estão rotuladas com o distúrbio e que apresentam o comportamento mais difícil são, na verdade, apenas imaturas.

Meninos, por exemplo, lotam os consultórios. Pela natureza mais agitada e impulsiva que a biologia confere à maioria. E também pelo ritmo de desenvolvimento diferente das meninas.

A pesquisa, do Departamento de Psicologia do Taipei Veterans General Hospital em Taiwan (publicada no Journal of Pediatrics), foi desenvolvida lá. Estudou 400 mil crianças entre quatro e 17 anos, identificando que a percentagem de jovens diagnosticados com TDAH muda significativamente dependendo mês de nascimento. Onde apenas 2,8% dos rapazes nascidos em setembro têm a condição, o número salta para 4,5% em agosto, subindo de forma constante ao longo do ano escolar. Para as meninas, a variação é de 0,7% para 1,2%.

Estudo conclui que muitas crianças diagnosticadas com TDAH podem ser só imaturas

Só para termos uma ideia, o uso contínuo de medicamentos como Ritalina, indicados para esses casos de TDAH, podem causar reações adversas, tais como perda de peso, toxicidade hepática, e pensamentos suicidas, e no curto prazo, pode suprimir a puberdade.

Os autores atribuem esse grande número de casos envolvendo imaturidade pela incapacidade dos professores de lidarem com isso. Invariavelmente, comparam alunos que nasceram em janeiro com outros que nasceram em dezembro do mesmo ano. Como eu disse lá em cima: encaminham para o psiquiatra e psicólogo a criança já rotulada e diagnosticada. Porque acreditam que têm condições de identificar o distúrbio. A idade, como um indicador da maturidade cognitiva, pode desempenhar um papel crucial no risco de ser diagnosticado com TDAH e receber medicação TDAH entre crianças e adolescentes sadias. A indicação dos pesquisadores é considerar esse um ano na vida da criança na hora de pensar no distúrbio e não dar remédios à toa.

O TDAH começa na infância e se manifesta como uma incapacidade de organizar e manter a atenção e modular nível de atividade e ações impulsivas. Os sintomas mais comuns são agitação ou inquietação constante e muita distração, a ponto de dificultar bastante o desempenho escolar e as atividades no trabalho. Muitas pessoas com TDAH também apresentam dificuldades de aprendizagem e outros problemas, como distúrbios do sono. A condição é normalmente diagnosticada entre 3 e 7 anos de idade.

A questão não é tão simples, mas certamente necessita de muito mais pesquisas assim! Enquanto isso, vamos tirar a criança de dentro de casa mais regularmente e dá-las um boa dose de exercícios diários!

Estudo conclui que muitas crianças diagnosticadas com TDAH podem ser só imaturas

#crianças #paisefilhos #pequerruchos #tdah #ritalina #hiperatividade #criançahiperativa

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
pilarmag
Escritora, psicóloga de parentes e amigos, experimentada na cozinha e na Comunicação, já pipocou na chapa quente de grandes jornais e empresas, mãe de cachorro, esposa prendada e tirana, mulher sensível e chorona, teóloga meia boca, fã de Neil Degrasse Tyson. Namastê! Prazer em te conhecer.