OUTROS

Sem mais desculpas para não vestir o dito cujo

Pilar Magnavita
Author
Pilar Magnavita

Sabe aquela vibe gostosa que começa com um beijo, depois vai para o abraço bom, em seguida as mãos correm soltinhas amassando tecidos para, em seguida, tudo terminar numa grande confusão onde não se sabe quando um começa e outro termina? Mas aí vem aquele corta-clima danado em que a moça se distancia do mancebo (que mostra sinais incontestes de embriaguez hormonal) e diz: "a camisinha". Rapaz! As palavras parecem até que são em outra língua. Por um momento, o cabra dá uma baqueada… se apóia um pouco, para finalmente juntar "lé com cré". "Você tem camisinha?", ela repete. Aí o cidadão saca aquela cartelinha que já está bagaceira na carteira, de tanto esperar o momento triunfal de dar seu show. Ou então, na falta daquela amostra grátis distribuída na boate que o camarada guardou feliz economizando os trocos, a menina saca uma de não sabe onde (pois as espertas estão sempre com uma na necessaire) e entrega ao seu eleito com aquele sorriso ansioso. Fazer o quê? Sem graça, o moço cede para não ficar em casa, na mão.

Isso é familiar, não é?! Ao menos deveria ser. Camisinha é coisa séria! E, como a gente sabe que o pessoal não acha muito interessante encapar as partes, os cientistas fizeram um favor ao mundo e inventaram um preservativo que, não somente evita doenças sexuais, como AUMENTA a alegria do vuco-vuco. A ideia é fazer mesmo a galera se render à proteção. E antes que os teóricos da conspiração digam que "isso é mais uma da indústria farmacêutica para empurrar coisa para a gente comprar", o povo retruca: ou veste ou desce. É questão de saúde e agora não há mais desculpas.

A boa nova veio parar aqui no Brasil pela BBC:

Foi desenvolvida por uma equipe de pesquisadores do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, e financiado pela Fundação Bill Gates. A composição do preservativo é ligeiramente diferente. É feita de uma substância gelatinosa, e é, inclusive, reforçada com antioxidantes para atacarem o vírus HIV caso ocorra um rompimento do preservativo. Essas substâncias também estimulam as terminações nervosas e, por isso, geram maior prazer sexual.

Há dois anos, o capitalista/filantropo/visionário/milionário Bill Gates e sua esposa, Melinda, resolveram dar uma forcinha para os amantes de todo mundo e colocaram à disposição de empreendedores montantes de até US$ 100 mil. Para o casal, isso é bagatela, mas o fato é que a bufunfa permitiu a invenção dessa camisinha tão saliente. A idéia dos dois era trazer ao universo das pessoas preservativos mais finos e eficazes. O centro de pesquisas da Universidade do Texas foi um dos beneficiados.

A conferir, dentro de um ano, pessoal!