ARTES

Prioridades insólitas de um país surreal

Ricardo Rangel
Yazar
Ricardo Rangel

O país atravessa a maior crise política e econômica de sua história e...

1) A Justiça discute se as companhias aéreas podem ou não podem cobrar pela bagagem despachada. Responda depressa, o que é mais espantoso, que o Estado acredite que bagagem de avião é problema seu, ou que acredite que existe despacho de bagagem gratuito? (repita comigo, senhor procurador: “não existe bagagem grátis, não existe bagagem grátis, não existe bagagem grátis.”)

2) O Senado discute se a gorjeta do garçon deve ser incorporada à conta ou não. Responda depressa, o que é mais espantoso, que o Estado acredite que gorjeta é problema seu, ou o fato de que essa questão é, mesmo, uma questão? O garçon deixa seu emprego, entra na Justiça do Trabalho pedindo incorporação (e recebimento) das gorjetas passadas ao salário, ganha (!!) e o restaurante não aguenta pagar. Em vez de acabar com Justiça do Trabalho, o governo cria lei sobre gorjeta.

Prioridades insólitas de um país surreal