A sétima arte
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
A sétima arte
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
A sétima arte
ic-spinner
Hikayeni paylaş
Sevdiğin hikayeleri ve yazarları bul ve takip et. İlham al, sen de kendi hikayelerini yaz. Hikayelerine arkadaşlarını davet et. Paylaş ve tüm dünyaya sesini duyur.

Um dos filmes mais famosos da história foi dirigido por duas mulheres trans

Você já deve ter ouvido falar dos irmãos Wachowski, certo? Andy e Larry ganharam fama mundial após dirigirem a trilogia “Matrix” (1999-2003), uma das séries cinematográficas mais bem-sucedidas da história. O que você talvez não saiba é que ambos são na verdade mulheres transgênero: Lilly e Lana.

Sevdiğin konularda arkadaşlarınla işbirliği yap
Bu konuda yazmak ister misin? ▸
Um dos filmes mais famosos da história foi dirigido por duas mulheres trans

Esta é Lilly, que se assumiu trans nesta terça.

A primeira a assumir sua transição foi Lana (batizada como Larry). Ela e Andy (que na época passava pelo mesmo processo de forma privada) passaram a ‘assinar’ seus filmes como “The Wachowskis”. Lana recebeu o prêmio de visibilidade da Human Rights Campaign em 2012 e revelou que chegou a pensar em suicídio durante a juventude.

“Há algumas coisas que fazemos por nós mesmos, mas algumas fazemos pelos outros. Estou aqui porque, quando eu era jovem, queria muito ser uma escritora, uma cineasta, mas não conseguia achar ninguém como eu no mundo e sentia que meus sonhos eram inválidos simplesmente porque meu gênero era menos típico do que o dos outros. Se eu puder ser esta pessoa para alguém, o sacrifício da minha vida privada civil pode ter tido valor”, Lana disse em seu discurso.

Um dos filmes mais famosos da história foi dirigido por duas mulheres trans

Lana foi a primeira a dizer publicamente que era trans.

Lilly (anteriormente conhecida como Andy) não queria revelar que também era trans publicamente (obviamente, um direito seu), mas decidiu fazer isso após um repórter do “Daily Mail” aparecer na porta de sua casa. “Minha irmã Lana e eu temos amplamente evitado a imprensa. Acho extremamente tedioso falar sobre minha arte e falar sobre mim uma experiência horrível. Sabia que em algum momento eu teria que me assumir publicamente. Quando você vive livremente como trans é difícil esconder. Só queria um tempo para acertar minha cabeça e me sentir confortável. Mas aparentemente eu não decido isso”.

:(

Em seu pronunciamento, Lilly explicou como a maneira que encaramos os gêneros é restritiva:

“Estas palavras, ‘transgênero’ e ‘transição’ são difíceis para mim, porque as duas perderam sua complexidade quando foram assimiladas pelo mainstream. Há uma falta de nuance de tempo e espaço. Ser trans é algo amplamente entendido como existir dentro das terminações dogmáticas de masculino ou feminino. E fazer uma ‘transição’ implica um senso de imediatismo, um antes e depois de um lugar para outro. Mas a realidade é que eu estou fazendo isso e continuarei ‘transitando’ por toda a minha vida, pelo infinito que existe entre masculino e feminino, como o infinito que existe entre a binaridade de zero e um. Precisamos elevar o diálogo para além da simplicidade do binário. O binário é um ídolo falso”.

Um dos filmes mais famosos da história foi dirigido por duas mulheres trans

"The Wachowskis" no set de "Matrix".

As irmãs Wachowski têm todo o direito de permanecerem longe da imprensa, mas devo confessar que ambas teriam muito a contribuir com a elevação deste debate. 

#trans #transgender #matrix #wachowskis

Imagine se os grandes clássicos do cinema tivessem protagonistas LGBT

Vai lá: pense em protagonistas LGBT de filmes de sucesso que não sejam apenas o “amigo engraçado” e realmente tenham uma história com conteúdo dramático. Apenas três surgem na minha mente, dois deles do ano passado: “Carol” e “A Garota Dinamarquesa”, além de “Brokeback Mountain” (2005).

Sevdiğin konularda arkadaşlarınla işbirliği yap
Bu konuda yazmak ister misin? ▸

O Buzzfeed da Austrália fez uma experiência interessante: trocou os protagonistas de longas icônicos por gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros. Assista:

A ideia partiu de um estudo da Universidade da Califórnia, que analisou produções cinematográficas e televisivas de 2014 e 2015 e descobriu que apenas 2% dos 11.194 personagens analisados eram LGBT.

Estes personagens são geralmente encontrados em comédias, como alvo de piadas homofóbicas ou esterotipadas. Raramente são retratados em relacionamentos saudáveis ou como uma família. Felizmente, uma das exceções está na TV aberta norte-americana: o casal Cam e Mitch de “Modern Family”, que tem uma filha.

Confira alguns dados da Universidade da Califórnia:

De 114 filmes grandes de 2014:

17,5% tinham personagens LGBT

65% destes personagens eram homens

30% eram bissexuais

10% eram lésbicas

Nenhum era transgênero

O que chama mais a atenção nestes números é como as lésbicas são subrepresentadas. Acredito que isso vem em grande parte da cultura que ainda vê duas mulheres juntas como um fetiche masculino, ao invés de encarar a situação como um relacionamento emocional e complexo.

Invistam em filmes com protagonistas LGBT, estúdios de cinema! Além de promover mais representatividade, vocês podem ajudar a acabar com muitos preconceitos. 

#LGBT #cinema #gay #lesbians #transgender #bissexuals

Hikayeyi okudun
Story cover
tarafından yazıldı
Writer avatar