ESPORTES

Hewitt deixa as quadras e leva consigo as memórias da ‘geração de transição’

Sheila Vieira
Author
Sheila Vieira

Guga Kuerten. Marcelo Ríos. Carlos Moyá. Marat Safin. Juan Carlos Ferrero. Andy Roddick. Lleyton Hewitt.

Hewitt deixa as quadras e leva consigo as memórias da ‘geração de transição’

Estes nomes não aparecem no top 5 dos melhores tenistas da história, apesar de serem reconhecidos e celebrados por seus feitos, incluindo a liderança do ranking. Ninguém os chamou de ‘Era de Ouro’, como fazem com Djokovic, Federer, Nadal e Murray hoje. Porém, esta geração que dominou o final dos anos 1990 e o começo dos 2000, e hoje está perto dos 40 anos de idade, protagonizou um momento de transição fundamental para a história do tênis.

O Big 4 pode não citá-los como seus principais ídolos, mas eles são, em grande parte, produto do tênis jogado naquela época. E o último “sobrevivente” deste grupo, Lleyton Hewitt, deixou as quadras nesta quinta-feira, no Australian Open. 

"Acredito que os caras que jogavam de fundo de quadra começaram a acreditar quando viram que eu tinha sucesso em todos os pisos. Acho que foi uma mudança total de como o tênis era jogado em muitos sentidos, especialmente na grama. Além de Agassi em 92, não havia muitos tenistas que conseguiam ficar lá trás e jogar de fundo. De certa maneira, vários aprenderam ou acreditaram que poderiam dar certo deste jeito. Foi provavelmente minha maior virtude. Obviamente que outros caras vieram, como Roger, e levaram tudo a outro nível".

Naquela época, o circuito ainda tinha alguns “discípulos” do saque e voleio de Pete Sampras, dois deles compatriotas de Hewitt (Patrick Rafter e Mark Philippoussis), mas o futuro estava cada vez mais claro: era preciso se movimentar e bater bem no fundo, subir à rede quando as melhores oportunidades apareciam (e não sempre) e não se contentar em ser um especialista no piso X ou Y. A diminuição dos pisos extremamente rápidos, o aumento da cabeça das raquetes e a mudança do tipo de cordas também levavam o esporte a esta direção.

Federer, atualmente com 34 anos, acabou tendo como principais rivais tenistas da ‘geração de transição’, mais velhos que ele, e o Big 4, cinco/seis anos mais novos.

"Eram ele (Hewitt) e o Roddick. Era um pouco diferente com Lleyton. Tive que virar o confronto direto, porque ele me venceu muitas vezes no início, enquanto com Andy eu saí na frente e consegui manter. Mas gostei muito de enfrentar os dois. Também o Ferrero e o Safin. Mas era especial com o Lleyton. Assim como o Roddick. Lleyton fez com que eu entendesse o meu jogo e me tornasse um jogador melhor. Curti muito as batalhas com ele", afirmou o suíço em Melbourne.

Como todo mundo que torcia para o Guga naquela época, eu me irritava com o sucesso de Hewitt, sua postura de superioridade e seus gritos na cara do adversário. Porém, é muito difícil eu não começar a gostar de uma pessoa que enfrenta inúmeros obstáculos. Os do australiano foram precisamente cinco cirurgias. E também não há como ignorar o contraste da vibração de Hewitt em relação a maioria dos tenistas do circuito atual. Para ele, cada ponto e cada vitória importavam.

Justamente por serem grandes, mas não vencerem três Slams por temporada, os tenistas daquela geração pareciam menos acomodados. Sabiam que a qualquer momento alguém poderia tomar o número 1 ou ganhar seu primeiro Major. Por mais que eu seja fã incondicional do Big 4, confesso que já sinto e continuarei sentindo saudades dos jogadores que apresentaram o tênis a mim.