O segundo sexo
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
O segundo sexo
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
O segundo sexo
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Hit de 20 anos atrás das Spice Girls é usado em campanha por igualdade de gênero

BingeWatchMe
há um ano42 visualizações

Diga-me o que você quer, o que realmente, realmente quer.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Hit de 20 anos atrás das Spice Girls é usado em campanha por igualdade de gênero

Há músicas que são eternas e "Wannabe", das Spice Girls, é uma delas. Afinal, 20 anos depois do lançamento do primeiro single do grupo britânico, a canção é tema de uma campanha por igualdade de gênero da ONU: #WhatIReallyReallyWant.

No vídeo, garotas de várias raças e locais do mundo cantam e dançam "Wannabe", enquanto mostram em mensagens o que elas realmente querem: pagamento igual para homens e mulheres, direito a educação e fim da violência de gênero. A ideia é que moças ao redor do planeta postem em suas redes sociais o que elas querem, usando a hashtag #WhatIReallyReallyWant.

A ideia não é exatamente original, já que "Wannabe" não é a primeira música pop a ter sua letra colocada no contexto do #GirlPower. Uma camiseta com o escrito "Girls Just Wanna Have Fundamental Rights" (Garotas só querem direitos fundamentais) fez muito sucesso nos últimos anos.

A campanha faz parte das metas da ONU para Desenvolvimento Sustentável. A igualdade de gênero é uma das 17, junto a erradicação da pobreza e da fome, saúde e educação de qualidade, água limpa e saneamento, energias renováveis, empregos dignos e crescimento econômico, inovação e infraestrutura, redução das desigualdades, cidades e comunidades sustentáveis, consumo responsável, combate às mudanças climáticas, vida debaixo d'água e sobre a terra, paz e justiça e parcerias pelas metas.

As Spice Girls, obviamente, ficaram muito orgulhosas de fazerem parte, indiretamente, da campanha:

"Lisonjeada e honrada por nossa música maluca estar sendo usada de forma tão linda", tuitou a Mel C.

"Após 20 anos - Girl Power sendo usado para empoderar uma nova geração", completou Victoria Beckham.

Outras celebridades, como a atriz Emma Watson e o chef Jamie Oliver, ajudaram a bombar a hashtag:

A nova geração de garotas pode não ter crescido ouvindo Spice Girls, mas tem a chance de realmente mudar o mundo e promover a igualdade de gênero. Como profetizou Geri Halliwell...

#GirlPower 

#theglobalgoals #genderequality #women #spicegirls #whatireallyreallywant #mulheres 

Mulheres poderosas não estão livres de violência doméstica: Brunet é nova vítima

BingeWatchMe
há um ano36 visualizações
Mulheres poderosas não estão livres de violência doméstica: Brunet é nova vítima
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Dinheiro traz uma série de privilégios a qualquer pessoa, mas, quando você é uma mulher, não há como escapar de um risco: de ser vítima de violência doméstica. A atriz Luiza Brunet veio a público para acusar o namorado Lírio Albino Parisotto, um dos homens mais ricos do país, de ter dado socos e chutes nela, além de realizar uma imobilização que quebrou quatro costelas suas.

Observação: a matéria que revelou o caso da coluna de Alcelmo Góis, no Globo, não fala quem é Parisotto, mas o cara é simplesmente presidente da Videolar, dono de parte da RBS e filiado ao PMDB do Amazonas. Parece-me relevante.

Claro que, quando uma mulher é poderosa, ela pode tornar o caso público, assim causando uma resposta mais dura da polícia e da Justiça. Esta é uma vantagem em relação a mulheres mais pobres, que são constantemente ameaçadas e encorajadas pelos próprios investigadores a ficarem quietas.

As celebridades a seguir viram seus casos virem a público, por iniciativa própria ou por vazamento de investigações:

Rihanna

A cantora de Barbados estava prestes a fazer 20 anos, quando foi espancada por Chris Brown no caminho para o hotel após o Grammy. Ela denunciou o namorado e ele foi condenado a cinco anos em regime condicional. Uma foto das lesões de Rihanna foi vazada e publicada pelo TMZ sem o consentimento dela (muito errado). Em 2013, eles voltaram a se relacionar e a cantora precisou ficar se justificando em público, afirmando que tinha perdoado Chris. No entanto, a segunda tentativa durou só alguns meses.

Mulheres poderosas não estão livres de violência doméstica: Brunet é nova vítima

Pamela Anderson

Durante o super exposto relacionamento entre Anderson e o roqueiro Tommy Lee, o cidadão chegou a ser preso por ter chutado a atriz enquanto ela segurava Dylan, filho dos dois. Eles chegaram a se reconciliar, mas o casamento acabou durante apenas três anos.

Mulheres poderosas não estão livres de violência doméstica: Brunet é nova vítima

Tina Turner

Uma história bem comum é a de cantoras que sofreram vários tipos de abuso e controle de seus maridos empresários. Este foi o caso de Tina, que se chamava Anna Mae Bullock e precisou adotar outro nome, porque Ike Turner exigiu. “Ele queria ser meu dono”, contou Tina. Após anos de violência, ela conseguiu quebrar o laço e fez de seu sofrimento um dos seus grandes hits: “What’s Love Got to Do With It”.

LaToya Jackson

Assim como todos os membros da família Jackson, LaToya foi vítima de violência. Mas, como de costume no caso das mulheres, o agressor era seu marido. Jack Gordon espancou LaToya a ponto de deixá-la desacordada e morrendo. Ela sobreviveu, pediu o divórcio em 1997 e aconselhou todas as mulheres a não acreditarem quando o parceiro promete não repetir uma agressão.

Halle Berry

A vencedora do Oscar cresceu em um lar onde a violência doméstica era rotina. E, infelizmente, o ciclo tende a se repetir na vida adulta. Nos anos 80, Berry sofreu um espancamento de um namorado que causou perda de 80% de audição em seu ouvido direito. Seu ativismo é todo direcionado a vítimas de violência doméstica, desde que ela viou uma estrela mundial nos anos 2000.

Charlize Theron

Assim como Berry, Theron sofria agressões de seu pai, junto com sua mãe. Frequentemente, ele ameaçava matar as duas. A situação acabou de forma trágica: a mãe da atriz atirou em seu marido em legítima defesa, quando Charlize tinha 15 anos.

Gretchen

A dançarina é um personagem folclórico do entretenimento brasileiro, mas passou por muita coisa. Em sua biografia, ela conta que foi agredida pelos ex-maridos Décio Nascimento e Guiliano Cezimbra. Ela também cancelou noivado com Cláudio Farias, dois dias antes da cerimônia, porque ele bateu nela. O último caso, no entanto, foi o primeiro em que Gretchen foi a público na hora, mostrando as marcas em uma entrevista coletiva.

Luana Piovani

A atriz foi a primeira famosa brasileira a denunciar de forma clara e contundente um ator igualmente famoso de agressão. Dado Dolabella machucou Piovani durante uma discussão em uma boate no Rio, assim como a camareira dela, Esmeralda Souza. Ele foi condenado em regime aberto, mas o juiz soltou a pérola “eles eram só namorados” e Dolabella ganhou reality show. Viviane Sarahyba também o acusou de violência doméstica, mas ele foi absolvido nesse caso.

Mulheres poderosas não estão livres de violência doméstica: Brunet é nova vítima

Que, pelo menos, essas tristes histórias inspirem mulheres sem voz em todo o mundo a entenderem que é preciso denunciar. Mesmo sabendo que a resposta raramente é favorável à vítima, é necessário tentar. Estamos cada vez mais fortes.

#genderviolence #domesticviolence #violenciadomestica #women #assault

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar