Xornalismo
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Xornalismo
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Xornalismo
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Como descobrir que uma notícia é real ou falsa antes de compartilhá-la

Sheila Vieira
há 2 anos280 visualizações

Está para nascer algo mais traiçoeiro do que redes sociais. Especialmente desde que elas tomaram o lugar dos jornais como nosso meio principal de informação. Até quem passou quatro ou mais anos estudando jornalismo às vezes compartilha na pressa uma notícia falsa. E gente disposta a disseminar desinformação existe aos montes, por inúmeros motivos: desde conseguir mais cliques para o seu site, até espalhar boatos e moldar a opinião pública contra algo ou alguém.

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
Como descobrir que uma notícia é real ou falsa antes de compartilhá-la

Se você quer evitar ser uma presa, leve em conta as dicas abaixo:

1. Veja se a notícia é original ou uma reprodução. Não é difícil. Se há no título ou no texto um “diz site”, “diz revista”, ou “report:” (em caso de notícia em inglês), é porque o veículo não tem a informação e não quer assumir a responsabilidade por ela, mas quer obter o seu clique mesmo assim. Se estiver errado, a culpa é de quem publicou primeiro! Para o anunciante que paga por clique, tanto faz se a notícia é falsa ou verdadeira.

2. Veja se o site tem credibilidade: no caso de ser uma notícia original (ou você chegar ao site que publicou primeiro), se você não conhece muito bem o veículo que está reportando aquilo, abra a busca do Google, coloque o nome do site lá e veja o tom das outras notícias. É tudo meio sensacionalista e há várias notícias que foram desmentidas depois? Se for o caso, descarte.

Aplicando estas duas primeiras dicas, não caí na história do divórcio de Gisele e Tom Brady, originada pela fabricadora de boatos OK Magazine.

Como descobrir que uma notícia é real ou falsa antes de compartilhá-la

3. Leve em conta quem compartilhou: foi aquele seu colega meio fanático que posta qualquer coisa para provar o ponto de vista dele? Duvide.

4. Abra o texto antes de compartilhar e veja se não é um site de paródia, como Sensacionalista ou The Onion. Sério, tem muuuuuuita gente que compartilha notícias sem abri-las. Eu sei que você já fez isso, pare de disfarçar.

5. Preste atenção na data: há quem poste uma notícia antiga como se fosse atual. Já virou uma espécie de tradição fazer isso quando um clube de futebol está à procura de um técnico.

6. Preste atenção no endereço do site: há quem faça sites com endereços e aparência parecidos com os dos principais meios de comunicação para espalhar notícias falsas. Se precisar do Google para tirar a dúvida, use-o.

7. Fotos são mais fáceis de serem manipuladas: há quem pegue uma imagem de um momento X no lugar A e diga que ela é do momento Y no lugar B. O Google é seu amigo novamente. Procure palavras-chave associadas com a foto e veja se ela já apareceu em algum lugar antes.

8. Tenha o pé atrás com histórias muito bizarras: este tipo de notícia dá muuuuuita audiência, é quase impossível de apurar (repare que sempre acontecem em cidades pequenas do exterior e lugares meio remotos) e não causa grandes danos a ninguém se for falsa. Ou seja, publicam sem conferir se é real mesmo. Até veículos com credibilidade. Use a primeira dica, de tentar saber de onde a notícia surgiu, mas aceite que boa parte desta ‘editoria’ é ficção.

Como descobrir que uma notícia é real ou falsa antes de compartilhá-la

Um beijo, grávida de Taubaté.

#fakenews #noticiasfalsas #redessociais #socialmedia #internethoax

O fato é que a mídia esportiva e seu público não levam esporte feminino a sério

Sheila Vieira
há 2 anos89 visualizações

A cada 15 dias aparece uma capa de jornal ou seção esportiva com uma mulher seminua na capa ou um comentarista (pode substituir por dirigente ou jogador) dá uma opinião machista. A gente reclama, aponta o machismo e *problematiza*. O ciclo de todas as polêmicas. 

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸
O fato é que a mídia esportiva e seu público não levam esporte feminino a sério

Mas as fotógrafos continuam dando zooms desnecessários ao tirar fotos de jogadoras de vôlei e o Instagram da Jade Barbosa segue como maior vitrine da ginástica nos portais esportivos. O machismo está em toda parte, isso até os machistas já entenderam. Mas, no caso da cobertura esportiva, há algo que favorece este tipo de “ângulo”.

Se você perguntar para um editor por que eles perpetuam isso, ele provavelmente vai jogar a culpa no público, com certa razão. O que ele não vai dizer é que jornalistas não entendem, geralmente não procuram entender e muitas vezes não levam a sério as categorias femininas das modalidades.

Jornalistas gostam de dizer que sempre estão dispostos a descobrir novos mundos e histórias, mas a verdade é que a grande maioria prefere falar sobre o que já conhece, sobre a paixão que veio da infância. Eu admito isso. Você se sente mais seguro. Especialmente no mundo das mídias sociais, em que qualquer besteira que você falar pode virar o “meme do dia” em um post do Buzzfeed.

Na mídia esportiva há milhares de pessoas que vivem o esporte (praticado por homens) desde que se entendem por gente, mesmo sem nunca terem sido atletas. Coleções de Placar e almanaques são como bíblias em suas estantes. Mas como o esporte feminino vai fazer parte da vida de alguém que nunca o praticou? É praticamente impossível. Com exceção das ex-atletas que viram jornalistas, você tem que realmente caçar informação para falar com propriedade sobre isso. E os poucos que têm essa vontade vão esbarrar em um público com baixa receptividade.

Então vamos falar das modalidades coletivas que conseguiram de certa forma ter uma cobertura digna de suas categorias femininas: o vôlei e o tênis. A justificativa para o sucesso midiático destes esportes geralmente é justificado por um desnível menor entre as atletas e seus colegas do masculino.

Ano passado eu assisti pela primeira vez desde as últimas Olimpíadas a uma partida de basquete feminino, da WNBA. Não conhecia os times ou as jogadoras e isso prejudicou um pouco meu envolvimento no jogo. Porém, o que eu vi não foi muito diferente do que acontece nos outros esportes: mulheres saltam um pouco menos, são menos rápidas e fortes, mas igualmente determinadas e habilidosas.

O fato é que a mídia esportiva e seu público não levam esporte feminino a sério

Não consegui enxergar uma diferença de competência entre mulheres jogando basquete, vôlei e tênis em alto nível. Todas são extremamente talentosas e incríveis no que fazem. Isso me faz pensar em uma triste resposta para a diferença de cobertura entre estes esportes: as jogadoras de vôlei e de tênis geralmente se encaixam no padrão estético das mulheres que estão na mídia, em todas as áreas: altas, brancas e magras. Serena Williams é uma das melhores do mundo há 15 anos e ainda há quem discuta se ela é “forte demais”. Se praticasse basquete com o mesmo nível de brilhantismo, Serena praticamente uma desconhecida fora dos EUA.

O jornalismo não vai salvar o mundo do machismo. Mas pode influenciar significativamente o que ele consome e entende como importante. Meu pai jamais me perguntaria sobre premiação igualitária se um programa de debates do Sportv não tivesse tocado no assunto. Se quisermos realmente mudar o mundo, ao invés de só reproduzir o que já dominamos, temos que olhar para o espelho primeiro. Não ter medo de não saber. Não ter medo de aprender.

#sexism #womenssports #media #sportsmedia

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar