Xornalismo
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Xornalismo
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Xornalismo
ic-spinner
Hikayeni paylaş
Sevdiğin hikayeleri ve yazarları bul ve takip et. İlham al, sen de kendi hikayelerini yaz. Hikayelerine arkadaşlarını davet et. Paylaş ve tüm dünyaya sesini duyur.

Os “Erramos” mais engraçados de todos os tempos

BingeWatchMe
bir yıl önce633 görüntüleme

Nesta terça-feira, a Folha de S. Paulo produziu mais um clássico da seção “Erramos”, na qual o jornal corrige informações (obviamente) erradas que publicou no dia anterior. Veja só:

Sevdiğin konularda arkadaşlarınla işbirliği yap
Bu konuda yazmak ister misin? ▸
Os “Erramos” mais engraçados de todos os tempos

Claramente um jornalista PETRALHA produziu esta matéria.

A seção Erramos é um absoluto terror para qualquer jornalista, que terá seu descuido eternizado, mas um absoluto presente para os leitores do veículo. É preciso tomar cuidado com cada detalhe, inclusive com suposições que você faz ao escrever uma legenda de foto.

Quando a notícia envolve palavrão, pode ser ainda mais constrangedor.

No acervo da Folha, percebemos que é necessário tirar os pensamentos sujos da mente antes de escrever uma matéria:

"No artigo 'A nova guerra civil', publicado à pág. 5-7 (Mais!) de 1°/10, onde se lê 'uma menina sexualmente retardada...', leia-se 'uma menina mentalmente retardada...';" (8.dez.95)

Tentar não dar umas indiretas involuntárias:

"Na nota 'Balão', da coluna Joyce Pascowitch, publicada à pág. 5-2 (Ilustrada) de 18/12, onde se lê 'bando Opportunity', leia-se 'banco Opportunity';" (21.dez.95)

Ter um conhecimento básico sobre a história mais reproduzida do mundo:

"Diferentemente do que foi publicado no texto 'Artistas 'periféricos' passam despercebidos', à pág. 5-3 da edição de ontem da Ilustrada, Jesus não foi enforcado, mas crucificado, e a frase 'No princípio era o Verbo' está no Novo, não no Velho Testamento." (7.dez.94)

E sobre o corpo humano:

"O quadro da edição de 9/1 de 'Ciência', referente à reportagem 'Viagra para mulher', à pág. 25 do caderno Mais!, indica erroneamente a vagina no local do ânus. No mesmo quadro, o testículo está incorretamente indicado no local do escroto." (14.mar.00) 

Este a seguir eu nem sei como a pessoa conseguiu elaborar:

"Em parte dos exemplares da Ilustrada da edição de 22/3, na pág. 6-1, sob o título 'Repercussão', o cineasta Rogério Sganzerla foi erroneamente identificado como sendo protagonista do filme 'Laranja Mecânica'". (27.mar.99)

O jornalista também deve prestar atenção na hora de escrever sobre a duração das coisas:

"A reunião do ministro Eliseu Resende com sua equipe durou quatro horas horas e não quatro anos, como foi publicado no caderno Brasil de 28/03." (30.mar.93) 

Neste vídeo, a própria Folha coloca Marcelo Tas, Barbara Gancia e Gregório Duvivier para ler algumas das pérolas e explicar por que os jornalistas às vezes cometem erros bobos.

Sim, o fechamento de um jornal é uma loucura e nem sempre dá tempo de revisar algo antes de publicar. Mas pelo menos nunca vimos algo deste tipo na Folha:

QUEM NUNCA?

(Rezando para não ter algum erro neste texto.)

#jornalismo #erramos #folha

Como descobrir que uma notícia é real ou falsa antes de compartilhá-la

Sheila Vieira
2 yıl önce280 görüntüleme

Está para nascer algo mais traiçoeiro do que redes sociais. Especialmente desde que elas tomaram o lugar dos jornais como nosso meio principal de informação. Até quem passou quatro ou mais anos estudando jornalismo às vezes compartilha na pressa uma notícia falsa. E gente disposta a disseminar desinformação existe aos montes, por inúmeros motivos: desde conseguir mais cliques para o seu site, até espalhar boatos e moldar a opinião pública contra algo ou alguém.

Sevdiğin konularda arkadaşlarınla işbirliği yap
Bu konuda yazmak ister misin? ▸
Como descobrir que uma notícia é real ou falsa antes de compartilhá-la

Se você quer evitar ser uma presa, leve em conta as dicas abaixo:

1. Veja se a notícia é original ou uma reprodução. Não é difícil. Se há no título ou no texto um “diz site”, “diz revista”, ou “report:” (em caso de notícia em inglês), é porque o veículo não tem a informação e não quer assumir a responsabilidade por ela, mas quer obter o seu clique mesmo assim. Se estiver errado, a culpa é de quem publicou primeiro! Para o anunciante que paga por clique, tanto faz se a notícia é falsa ou verdadeira.

2. Veja se o site tem credibilidade: no caso de ser uma notícia original (ou você chegar ao site que publicou primeiro), se você não conhece muito bem o veículo que está reportando aquilo, abra a busca do Google, coloque o nome do site lá e veja o tom das outras notícias. É tudo meio sensacionalista e há várias notícias que foram desmentidas depois? Se for o caso, descarte.

Aplicando estas duas primeiras dicas, não caí na história do divórcio de Gisele e Tom Brady, originada pela fabricadora de boatos OK Magazine.

Como descobrir que uma notícia é real ou falsa antes de compartilhá-la

3. Leve em conta quem compartilhou: foi aquele seu colega meio fanático que posta qualquer coisa para provar o ponto de vista dele? Duvide.

4. Abra o texto antes de compartilhar e veja se não é um site de paródia, como Sensacionalista ou The Onion. Sério, tem muuuuuuita gente que compartilha notícias sem abri-las. Eu sei que você já fez isso, pare de disfarçar.

5. Preste atenção na data: há quem poste uma notícia antiga como se fosse atual. Já virou uma espécie de tradição fazer isso quando um clube de futebol está à procura de um técnico.

6. Preste atenção no endereço do site: há quem faça sites com endereços e aparência parecidos com os dos principais meios de comunicação para espalhar notícias falsas. Se precisar do Google para tirar a dúvida, use-o.

7. Fotos são mais fáceis de serem manipuladas: há quem pegue uma imagem de um momento X no lugar A e diga que ela é do momento Y no lugar B. O Google é seu amigo novamente. Procure palavras-chave associadas com a foto e veja se ela já apareceu em algum lugar antes.

8. Tenha o pé atrás com histórias muito bizarras: este tipo de notícia dá muuuuuita audiência, é quase impossível de apurar (repare que sempre acontecem em cidades pequenas do exterior e lugares meio remotos) e não causa grandes danos a ninguém se for falsa. Ou seja, publicam sem conferir se é real mesmo. Até veículos com credibilidade. Use a primeira dica, de tentar saber de onde a notícia surgiu, mas aceite que boa parte desta ‘editoria’ é ficção.

Como descobrir que uma notícia é real ou falsa antes de compartilhá-la

Um beijo, grávida de Taubaté.

#fakenews #noticiasfalsas #redessociais #socialmedia #internethoax

Hikayeyi okudun
Story cover
tarafından yazıldı
Writer avatar