Isso é Brasil
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Isso é Brasil
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Isso é Brasil
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

A Batalha de Itararé de Trump

A Batalha de Itararé de Trump
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Por Roberto Lameirinhas

A Batalha de Itararé foi aquela que nunca ocorreu - ao menos não com os contornos de combate épico como o nome sugere - entre soldados gaúchos e resistentes paulistas em meio ao período de conflagrações de 1930 e 1932. Tornou-se sinônimo de relatos exagerados ou falsidade histórica. Distantes milhares de quilômetros da agradável cidade do interior de São Paulo, os EUA já têm, graças ao governo de Donald Trump, uma versão similar do episódio.

Trata-se do Massacre de Bowling Green. Uma das principais assessoras de comunicação da Casa Branca e conselheira da campanha eleitoral de Trump, Kellyanne Conway, decidiu sair em defesa das afirmações do chefe, de que a mídia americana oculta ou não noticia com destaque atentados terroristas para favorecer lobbies islâmicos. Trump tem plena consciência de que isso não é verdade, mas busca convencer seus seguidores de que artigos que exponham suas contradições são simplesmente “notícias falsas”.

Kellyanne, então, passou a dar entrevistas para consolidar a tese e declarou em mais de uma oportunidade que o massacre de Bowling Green era o exemplo mais bem acabado de ataque subnoticiado. “Dois cidadãos iraquianos vieram a este país (os EUA), juntaram-se ao Estado Islâmico, retornaram ao Oriente Médio onde se submeteram a treinamentos e refinaram suas técnicas terroristas e, afinal, foram os mentores do massacre de Bowling Green, que vitimou nossos bravos soldados”, disse à assessora em entrevistas separadas a pelo menos três veículos de mídia. A assessora não especificou a data do suposto ataque, mas o apresentou como exemplo claro da cumplicidade da imprensa americana com os “interesses islâmicos” - os mesmos interesses que estariam agora combatendo a decisão de Trump de impedir a entrada de cidadãos de sete países, mesmo com vistos válidos, nos EUA.

O problema é que meios de comunicação dos EUA e do mundo tinham uma boa razão para não ter noticiado a chacina: ela nunca, jamais, em nenhum momento aconteceu.

Para quem não se lembra, Kellyanne foi a inventora do termo “fatos alternativos”, quando o porta-voz oficial de Trump, Sean Spicer, foi surpreendido em flagrante mentira sobre a presença de público em Washington na cerimônia de posse do presidente, em janeiro.

No dia seguinte às entrevistas, Kellyanne admitiu que tinha cometido um “equívoco honesto” ao mencionar o massacre. E se referia, na verdade, a um processo aberto em 2011 contra dois iraquianos residentes em Bowling Green, no Kentucky, acusados de tentar enviar dinheiro e armas para a Al-Qaeda. Mas para comprovar a afirmação de que atentados cometidos por radicais islâmicos vinham sendo acobertados pela mídia americana, a Casa Branca prometeu divulgar uma lista dessas ocorrências. O próprio Trump, no fim de semana, tinha citado dois exemplos: os atentados de Paris, de 13 de novembro de 2015, que incluiu o massacre na casa de shows Bataclan, e o de Nice, em 14 de julho de 2016 - ambos ampla e exaustivamente cobertos por jornais e emissoras de TV dos EUA e de todo o planeta.

A gafe de Kellyanne, no entanto, foi um prato cheio para os programas de humor da TV americana durante a semana, que se divertiram com as acusações de Trump à “muito desonesta mídia”. Stephen Colbert, do programa “Late Show” sentenciou: “Deixemos que as vítimas do massacre de Bowling Green decidam afinal se morreram ou não”.

O Teorema de Vampeta

Por Roberto Lameirinhas

O Teorema de Vampeta
Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

1.ª cena: O comandante da PM no quartel capixaba dirige-se às pessoas no portão da saída da unidade. “Os senhores permitirão que a gente saia para fazer a patrulha nas ruas?”, pergunta. “Nãããooo!!!”, respondem as dezenas de “manifestantes”, parentes dos policiais que pedem aumento de soldo.

 2.ª cena: O deputado cassado, escroque notório, presta depoimento no fórum em Curitiba. “Por que o senhor ocultou o fato de que sua mulher tinha contas no exterior?”, indaga o juiz. “Porque nunca me perguntaram isso. Perguntaram se eu tinha contas no exterior, não se minha mulher tinha”, responde o ex-parlamentar agora reduzido à condição de presidiário, antes de se declarar gravemente enfermo e portador de um aneurisma cerebral não reportado até então.

 3.ª cena: Sob a suspeita de ter recebido doações ilícitas, o presidente da República indica um subordinado para a mais importante instância do processo que ameaça sua posição - apesar das pesadas críticas que o mesmo subordinado tem recebido pelo desempenho questionável na função anterior.

 Sempre tive minhas reservas em relação ao discurso “êta, paisinho sem vergonha!”. Considero que ele embute a arrogância de quem se considera moralmente acima da média da população e, em razão disso, reivindica privilégios e benefícios dos quais se julga merecedor. Todos os países têm - em menor ou maior grau - sua cota de idiossincrasias bananeiras. Mas não consigo identificar exatamente em que ponto nos tornamos uma nação de cínicos.

 Chegamos ao nível da consagração do “Teorema de Vampeta”: A diretoria do clube finge que paga e a gente finge que joga.

 É isso. A diretoria finge que vivemos numa democracia e a gente finge que dá a eles legitimidade;  a diretoria finge que está ajeitando a economia e a gente finge que não fala em crise, finge que trabalha; a diretoria finge que governa e a gente finge que acredita.

Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
tudoexplicado
Política, direitos humanos, feminismo, economia, mundo