Devaneios do cotidiano
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Devaneios do cotidiano
1BB34097-F786-44E7-9A1A-E8A05C0914DB
Burger
Victor  Zequi
zequihá um mês

Devaneios do cotidiano

Pequenos contos e romances de uma noite só.
    • Reportar esta pasta de histórias
Devaneios do cotidiano
ic-spinner
Todo mundo tem uma história para contar
Encontre as melhores histórias para ler e autores para seguir. Inspire-se e comece a escrever grandes histórias sozinho(a) ou com seus amigos. Compartilhe e deixe o mundo conhecê-las.

Deleite

Victor  Zequi
há um mês9 visualizações

"Me amas?" Ela

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

"Sim, amo" Ele

"Então casa-te mais eu."

"Não posso".

"Não pode?"

"Não."

"E não pode! Por quê?"

"Não posso. Que amo coisas demais nessa vida para prometer amar a uma só. E já sofro demais sozinho para ter de sofrer por dois. É extenso, e complicado."

"Vocês poetas, sempre confundindo e dificultando as coisas mais ridiculamente simples."

"De fato, é no mais simplório da vida que está toda a beleza; no ridículo, e no seu poder de transformação. Acabei de colocar um ponto-e-vírgula em minha fala."

"Esse negócio de poesia está mexendo com a sua cabeça."

"Ainda bem."

Expresso.

Victor  Zequi
há 7 meses18 visualizações

São Paulo é um narco-estado que se desenvolveu às custas de um pózinho preto que os europeus gostavam de usar pra ficarem ligadões. Daí, como se isso não bastasse, viciou todos os seus habitantes na parada e criou uma espécie de "dependência cultural" pelo barato e essa adicção se espalhou por todo o território brasileiro, de forma que a primeira refeição do dia leva seu nome (e implica que existam outros rituais de uso: o da tarde, das cinco horas, da naite e da madrogada).

Colaborar com amigos em assuntos que você ama
Pedir coautoria ▸

Já os europeus continuam todos se coçando pelo negócio e a nata do estoque escorre toda pra lá. Em território brasileiro o povo já está tão grilado na onda que nem sabe diferenciar qualidades. Alguns estabelecimentos coam o produto na própria meia do caixa. Na Europa o cenário é outro, embora ainda achem que a especiaria vem da Índia. Idolatram o produto a tal ponto que batizaram suas casas de incineração de "coffee" shops (que não se enganem, só dão da verdinha).

É isso. E tem paulistano achando Pablo Escobar marqueteiro.

Non Dvcor, Dvco

fui; que o da tarde tá pronto.

Expresso.
Você leu a pasta de história
Story cover
escrita por
Writer avatar
zequi
Não escrevo por dinheiro, mas bem que poderia...