Companhia aérea obriga médica a se cobrir por usar roupa “inapropriada”

Tisha Rowe é uma médica de 37 anos que foi obrigada a se cobrir em um voo da American Airlines pois os funcionários classificaram sua roupa como “inapropriada”.

A mulher publicou o fato ocorrido no dia 30 de junho nas redes sociais e ele já foi compartilhado milhares de vezes.

“Esta é a roupa que eu estava usando quando @AmericanAir pediu que eu saísse do avião para uma conversa. Nesse momento, eu fui orientada a me 'cobrir'. Ao defender a minha roupa, eu fui ameaçada de não voltar ao voo, a menos que eu caminhasse pelo corredor enrolada em um cobertor”

Tisha estava viajando com seu filho de oito anos em um voo de Kingston para Miami quando foi abordada por uma aeromoça. A funcionária pediu para que a médica saísse do avião e em seguida descreveu sua roupa como “inapropriada”, mandando ela se cobrir com um casaco.

Depois de tentar discutir em vão, Tisha voltou humilhada para seu assento com um cobertor enrolado nas pernas. “Para mim, nunca houve qualquer empatia ou desculpas, nenhuma tentativa de manter a minha dignidade em toda a situação”

Tisha afirmou ter sido vítima de discriminação e racismo: “Somos vigiados por sermos negros. Nossos corpos estão muito sexualizados como mulheres e temos de ajustá-los para fazer com que todos ao nosso redor se sintam confortáveis. Eu vi mulheres brancas com shorts curtos, muito mais curtos, a bordo de um avião”

"

O mesmo coração, mesmo cérebro, o mesmo título. A mesma pessoa que salvaria sua bunda se houvesse uma emergência no avião"

Na última terça-feira (9) a American Airlines informou que se desculpou com a mulher e seu filho, além de terem reembolsado o valor das passagens aéreas.

00