Conheça o verme que está sem sexo há 18 milhões de anos
username comentou sua história:KJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
username começou a seguir sua coleção:KJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
username começou a seguir sua coleção:KJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
username gostou da sua história:KJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
username compartilhou sua história:KJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
user1 started following user2KJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
user1 started following collectionname collectionKJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
user1 liked storynameKJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
user1 shared storynameKJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
user1 commented on storynameKJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow

Conheça o verme que está sem sexo há 18 milhões de anos

Jacob33
Autor Jacob33
Ciência
Coleção Ciência
Conheça o verme que está sem sexo há 18 milhões de anos

Foto: Karin Kiontke and David Fitch/Reprodução

O sexo é importante não só por razões amorosas ou carnais, quem não faltou às aulas de biologia deve saber que as relações sexuais são o motivo de todos nós estarmos vivos, de galinhas até veados (sem trocadilho).

Ao termos uma relação sexual com o propósito de reproduzir, estamos criando um ser totalmente novo. Um descendente que não é nem o pai, nem a mãe, mas a mistura dos dois.

Essa mistura genética é fundamental para que as espécies não entrem em extinção, já que com ela os seres vivos entram em uma evolução contínua, se adaptando a todas as “armadilhas” da natureza.

Por exemplo, se um homem é imune a uma bactéria e a mulher não, a chance de os filhos desse relacionamento serem imunes são muito grandes. Imagine como seria se todos nós herdássemos as fraquezas imunológicas dos pais, um mesmo vírus ao qual não fossemos imunes poderia dizimar toda a espécie de uma vez.

Mas acontece que para alguém no universo essa reprodução sexuada não é feita há mais de 18 milhões de anos. O verme Diploscapter pachys sobreviveu esse tempo todo no mundo, então supomos que essa estratégia funciona.

Conheça o verme que está sem sexo há 18 milhões de anos

Interessados nessa habilidade, Hélène Fradin e sua equipe da Universidade de Nova York foram analisar os genes dessa criatura.

“O fenômeno é significativo para entender a genética evolucionária porque ele vai contra a visão amplamente aceita de que a reprodução sexuada é necessária para eliminar mutações ruins e se adaptar a um ambiente em constante mudança”

Eles já perceberam de cara que o Diploscapter pachys possuía apenas um par de cromossomos (nós temos 23). Quanto mais cromossomos, maior é a possibilidade de se misturar para formar um outro indivíduo. Acontece que no caso do verme, essa mistura não acontece.

Acontece que esse par de cromossomos possui uma mistura de genes bastante variada, o verme atingiu um nível onde consegue ter genes perfeitos, e por atingir tal resultado, pararam de se reproduzir e estão vivos desde então, após 18 milhões de anos.

Seja o primeiro a curtir!

Comentários

avatar

As pessoas também curtiram

500x500
500x500