Estudo conclui que agrotóxico penetra além da casca das maçãs

Uma pesquisa feita em parceria entre a Universidade Federal de Goiás e uma universidade de Louisiana, Estados Unidos, concluiu que um agrotóxico penetra além da casca das maçãs.

O pesquisador Igor Pereira fez a pesquisa como sua tese de doutorado e ela foi publicada pela revista americana Analytical Chemistry. O estudo analisou um fungicida usado para evitar que a fruta apodreça durante o transporte.

“O objetivo da pesquisa foi aplicar um fungicida na pós-colheita, chamado imazaliu, na casca da maçã e verificar se esse composto penetra a casca da maçã”, explica Igor.

O estudo foi feito a partir da retirada de uma fina camada da maçã que foi analisada por um aparelho usado normalmente para rastrear células cancerígenas. Os resultados mostram que o agrotóxico penetra na fruta ao longo do tempo.

Com 30 minutos, ele fica restrito somente à casca, com um dia, ele já avançou um milímetro para dentro da maçã, com quatro dias, três milímetros.

Boniek Gontijo, professor e orientador da tese de Igor Pereira afirmou:

“Infelizmente a gente está consumindo, por tabela, uma grande quantidade de agroquímico. Essa pesquisa sendo um alerta, para que seja um argumento para balizar essa liberação exacerbada de agroquímico”

0