Justiça Coleção | Política

José de Abreu é condenado a pagar R$ 20 mil a hospital que atende Bolsonaro

Escritor global se envolve em mais uma polêmica na internet

Um dos principais nomes da telinha da Globo, o escritor José de Abreu vem dando o que falar nos últimos meses.

Depois de suas intrigas com a atriz Glória Perez, por comentários ofensivos no Twitter, agora chegou a vez de se envolver com o hospital que atende o Presidente da República, Jair Bolsonaro.

É que o ator foi condenado a pagar o valor de R$ 20 mil ao Hospital Albert Einsten, em São Paulo, devido a uma postagem publicada no mês de janeiro, responsabilizando a instituição de financiar a facada que o presidente levou, ainda na campanha eleitoral, quando estava junto de cabos eleitorais na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais.

De acordo com Abreu, a facada foi decisiva para a vitória do presidente nas urnas, em 28 de outubro de 2018.

Teria escrito ele “Teremos um governo repressor, cuja eleição foi decidida numa facada elaborada pelo Mossad, com apoio do hospital Albert Einstein, comprovada pela vinda do PM israelense, o fascista matador e corruptor Bibi [Netanyahu, primeiro-ministro de Israel]”.

Devido aos comentários ofensivos, o ator acabou incomodando os médicos e funcionários do hospital, que logo trataram de entrar com um processo na Justiça por danos morais e, por isso, obrigando o ator a pagar o valor. A juíza responsável pelo caso avaliou, de acordo com um dos apresentadores do programa “A Tarde é Sua, da Rede TV! Alessandro Lo-Bianco, que só tomou a decisão para que ele tomasse mais cuidado com o que fala.

Segundo a magistrada, que não teve o nome divulgado, José de Abreu abusou do direito de expressão e que por isso teria que pensar mais no que dizer em público. Isso, contudo, não foi o que ele fez essa semana. Ao comentar sobre as posições políticas da autoria Glória Perez, ele a comparou a Guilherme de Pádua, assassino de sua filha, Daniella Perez, no início dos anos 90.

Polêmicas com Glória Perez

A atriz Glória Perez foi atacada pelo roteirista por um comentário no Twitter, que fez uma comparação aos tempos de sua filha, Daniela Perez, morta brutalmente durante as gravações da novela De Corpo e Alma, em dezembro de 1992, com o momento da política atual.

Na ocasião, a atriz não deixou barato o comentário e o xingou de canalha, após verificar um comentário em que dizia que “O Brasil está tão doido que vemos Guilherme de Pádua e Glória Perez apoiarem o mesmo espectro político”, referindo-se ao Presidente Jair Bolsonaro.

Em suas redes, Bolsonaro também não deixou barato e deu total apoio a Glória Perez, dizendo prestar solidariedade a escritora que, “devido as suas convicções políticas, foi atacada da forma mais baixa e covarde possível por um medíocre, usando da dor irreparável de uma mãe que perdeu uma filha, para atacar opiniões”, diz o comentário na rede social.

0