Museu sobre James Bond nos Alpes vai deixar de fora sexismo e racismo de filmes

Na paisagem branca, cuja luz quase cega a vista, desenha-se uma construção em perfeita harmonia com a imponência da paisagem alpina. É lá que está sua missão: alcançar essa construção, que fica no cume da montanha Gaislachkogl, nos alpes austríacos. Mas cuidado! Os inimigos estão em toda parte. São ventos cortantes e um frio glacial constante de zero grau. Quando encontrar a casa, entre e se impressione com uma exposição inteira dedicada aos 65 anos das aventuras do espião mais famoso do mundo: James Bond. Ironia que um agente secreto seja tudo neste mundo, menos secreto, e, para deleite dos fãs do espião, um grupo austríaco resolveu reunir elementos de toda as histórias do súdito real que tem licença para matar, lançando na pequena cidade austríaca de Sölden o museu “

007 Elements

43queriam mostrar o legado dos filmes de uma forma moderna44

O resort de esqui Gaislachkogl, em Sölden, foi propositadamente escolhido para receber o museu. Quem viu Specter vai lembrar da cena de perseguição na montanha, com uma aeronave e uma frota de Range Rovers. As filmagens também ocorreram no restaurante futurista Ice-Q, que se tornou a clínica Hoffler Klinik, parte do filme. O 007 Elements fica ao lado.

64A queda de neve nos impediu de levar veículos para o local

Você é capaz de se lembrar de todos os filmes?

Dr. No (1962)

99pegar meus sapatos100

Moscou contra 007 (From Russia With Love, 1963)

O segundo filme da série traz uma caracterização feminina na linha da personagem de Ursula Andress e situações como na da cena em que Bond diz para Tatiana Romanova (interpretada pela atriz Daniela Bianchi) em que ele diz “Faça apenas como eu te disse” e a dispensa do quarto com um tapa na bunda da moça. Ou quando a personagem se arrepende de ter dito coisas demais e fala que tem uma boca grande. A resposta de Bond é: “sua boca tem o tamanho certo pra mim”.

Goldfinger (1964)

O tratamento que Bond faz das mulheres em Goldfinger aumenta de agressividade sexual despreocupada (dar tapas na parte de trás de uma mulher para mandá-la embora enquanto ele conversa com um colega) a um estupro cortado e seco, quando ele se força em uma relação não consentida com Pussy Galore (cujo nome também é ofensivo) em um celeiro e que depois se desenvolve com a moça surrealisticamente se entregando a um desejo sexual com ele. Aliás, Bond é notoriamente irresistível para as mulheres e o que é menos mencionado é o quão violentamente elas frequentemente tentam resistir nas histórias do século passado.

Com 007 Só Se Vive Duas Vezes (You Only Live Twice, 1967)

Se você achou Johnny Depp um verdadeiro desastre no papel do índio Tonto (no filme Cavaleiro Solitário), você também deve ter se contorcido ao ver Sean Connery “se disfarçando” de japonês, usando bronzeadores, retalhos protéticos e peruca, aplicada por várias mulheres de biquíni que riem das piadas do espião. A história, no entanto, é interessante e a música tema (do eterno John Barry), na voz de Nancy Sinatra, é um clássico de arrepiar.

007 Contra o Homem Com a Pistola de Ouro (The Man With The Golden Gun, 1974)

Uma das parcelas menos amadas da franquia Bond, O Homem da Pistola de Ouro também é certamente uma afronta às pessoas com nanismo: Roger Moore derrota o capanga do mal e o anão Nick Nack, trancando-o, simplesmente, em uma mala. Enquanto isso, o 007 de Moore (o melhor entre todos os anteriores a ele, segundo Ian Fleming) vibra ao viver no limite em situações arriscadas na Tailândia com o policial JW Pepper, um xerife racista do sul dos Estados Unidos.

007 Contra o Foguete da Morte (Moonraker, 1979)

Em meio a um festival de clichês quanto ao Brasil, ao Carnaval e à cultura brasileira, de um mau gosto inominável, a pérola marcante de James Bond no filme surge quando ele procura por Dr. Goodhead no centro de tratamento Pompidou. Ao encontrar uma mulher no escritório, ele diz: “estou procurando Dr. Goodhead” e ela responde: “você a encontrou”. A resposta do espião é: “uma mulher?”. O cenho da personagem mostra o mesmo desgosto que todas as mulheres devem ter sentido ao ver a cena pela primeira vez.

Octopussy (1983)

254Isso vai te manter no curry por algumas semanas255

0