'Parabéns, PM': o que há para comemorar quando tudo é violência?
username comentou sua história:KJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
username começou a seguir sua coleção:KJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
username começou a seguir sua coleção:KJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
username gostou da sua história:KJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
username compartilhou sua história:KJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
user1 started following user2KJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
user1 started following collectionname collectionKJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
user1 liked storynameKJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
user1 shared storynameKJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow
user1 commented on storynameKJFJGUYGUYKJHGnow
PınarHanımnow

'Parabéns, PM': o que há para comemorar quando tudo é violência?

9parabéns

O que há para comemorar em uma ação policial extrema? Ignoremos, em nome da linha de raciocínio, a enorme quantidade de intervenções desastradas das PMs, causando lesões e mortes onde a necessidade disso era mínima ou totalmente inexistente - casos que (podem consultar as estatísticas, caso duvidem) estão alcançando níveis nunca antes imaginados em nosso país. Em si mesmo, esses dados já deveriam transformar os parabéns em um disparate inaceitável; mas OK, vamos fingir que nada disso existe e estamos diante de um caso ideal, uma situação onde a polícia nada podia mesmo fazer senão descer o sarrafo ou meter chumbo. Qual aspecto dessa situação é digno de comemoração? É de se ficar feliz que um policial acabe por agredir ou matar pessoas? É um sinal de melhora nas nossas relações, um sintoma de que nossa sociedade está recuperando a saúde? Aponta, mesmo que de forma tênue, um aumento em nossa segurança coletiva - mesmo que, observem bem, os indicativos nos apontem mais e mais justamente o contrário?

Enquanto argumento, festejar a PM que agride manifestantes ou mata suspeitos no morro é, na melhor das hipóteses, tão adequado quanto aplaudir o veterinário que aplica eutanásia em um animal que não pode mais curar. Como se fosse dever policial assassinar um eventual criminoso, como se a agressão fosse a fórmula derradeira para gerar uma coletividade mais segura. Neutralizar violência com mais violência, apenas com o sinal supostamente trocado, é um pensamento frágil e pobre, que não resiste a cinco minutos de confronto com a lógica. Não surpreende, portanto, que seja adotado com entusiasmo por multidões que abdicaram de pensar. Ao contrário do que acreditam os entusiastas da eventual brutalidade policial, polícia não existe para arrebentar bandido - e, diferente do que gostam de pensar, a eventual bandidagem de farda é tão (às vezes até mais) nociva e inaceitável quanto a civil.

39parabéns

Quem aplaude qualquer ação policial violenta está se juntando a uma claque mórbida, que comemora a consolidação da própria insegurança e a certeza de uma sociedade cada vez mais impraticável. Porque é tolice acreditar que, aplaudindo gestos violentos, está se fazendo uma crítica ou um combate à violência. Estão, isso sim, fazendo festa diante de uma coletividade mais bruta, mais insensível e mais violenta, tanto em termos simbólicos quanto na prática. São os mesmos, aliás, que adoram repetir que Direitos Humanos só protegem bandidos - outra balela venenosa que, a médio prazo, prejudica todos nós. Quer aplaudir? Saiba que está sujando as mãos de sangue. E encare as consequências, ao invés de fingir que não tem nada a ver com o cadáver na esquina.

Foto: Raphael Tsavkko Garcia

Seja o primeiro a curtir!

Comentários

avatar

As pessoas também curtiram

500x500
500x500